8 de Março de 2016 • 1:02 am

Política

8 de Março: Camponesas montam acampamento em Maceió

Segunda-feira foi de protestos e ocupações em todo o estado, marcando a Jornada Nacional de Lutas das Mulheres Sem Terra

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone
Ato no município de Piranhas ( Foto: Assessoria)

Ato no município de Piranhas ( Foto: Assessoria)

Após um dia de ocupações e manifestações em municípios do interior, trabalhadoras rurais de todo o estado montam acampamento na Praça do Centenário, em Maceió, onde dão continuidade às ações da Jornada Nacional de Lutas das Mulheres Sem Terra.

Na manhã de ontem (7) elas ocuparam as agências do INSS nos municípios de Porto Calvo, Murici, Delmiro Gouveia, Piranhas, Teotônio Vilela, Traipu e Girau do Ponciano, além das prefeituras de Atalaia, Olho d’Água do Casado, Delmiro Gouveia e Girau.

Na manhã desta terça-feira (8 de março), elas participam, em conjunto com outros movimentos sociais, de uma grande marcha em defesa dos direitos das mulheres trabalhadoras, da democracia e contra o golpe. A concentração da marcha está prevista para as 8 horas, na própria Praça do Centenário.

Nas ocupações às agências do INSS as mulheres camponesas cobraram a desburocratização na emissão de documentos para acesso aos benefícios sociais.

Também protestaram contra a anunciada reforma previdenciária que, na avaliação do movimento, prejudicará o conjunto da classe trabalhadora, em especial as mulheres do campo e da cidade, em aspectos como a imposição de uma idade mínima para aposentadoria.

Nas prefeituras ocupadas, as ações pautaram as demandas de infraestruturas sociais e produtivas para as áreas da reforma agrária, como saúde, escola, estradas e beneficiamento da produção.

As mobilizações das mulheres Sem Terra seguem nos próximos dias na capital alagoana, somando-se as ações da Jornada em todo o país, que este ano traz o lema “Mulheres na luta em defesa da natureza e alimentação saudável e contra o agronegócio!”, lembrando também os 20 anos de impunidade do massacre de Eldorado dos Carajás.

( Texto-base e foto: Gustavo Marinho/MST Alagoas)

Deixe o seu comentário