18 de julho de 2016 • 5:46 pm

Brasil » Economia

A elite brasileira: diretor da Fiesp deve quase R$ 7 bilhões ao governo

A dívida acumulada pelo empresário é maior que a dos governos da Bahia, de Pernambuco e outros 16 Estados

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Um dos diretores da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o empresário Laodse de Abreu Duarte é o maior devedor da União entre as pessoas físicas, de acordo com reportagem do jornal O Estado de S.Paulo. A dívida acumulada pelo empresário é maior que a dos governos da Bahia, de Pernambuco e outros 16 estados individualmente: R$ 6,9 bilhões.

Laodse já foi condenado à prisão por crime contra a ordem tributária, mas recorreu. Depois dele, aparecem no ranking de maiores devedores pessoas físicas dois de seus irmãos – Luiz Lian e Luce Cleo, com dívidas superiores a R$ 6,6 bilhões. Eles fazem parte dos milhares de integrantes do cadastro da dívida ativa da União.

Segundo a reportagem, no caso dos três irmãos, quase a totalidade do valor atribuído a cada um diz respeito a uma mesma dívida, já que eles eram gestores de um mesmo grupo empresarial familiar que está sendo cobrado pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional.

De acordo com o Estadão, a soma dos valores devidos por empresas e pessoas para o governo federal ultrapassou recentemente R$ 1 trilhão. No topo do ranking, estão 13,5 mil devedores que têm débitos acima de R$ 15 milhões. Juntos, respondem por uma dívida de R$ 812 bilhões aos cofres federais – mais de três quartos do total devido à União.

“O débito desses maiores devedores representa cinco vezes o buraco total no orçamento federal previsto para 2016. Nesse grupo – que exclui dívidas do estoque previdenciário, do FGTS e dos casos em que há suspensão da cobrança por determinação judicial – estão desde empresas quebradas, como a Varig e a Vasp, mas também motores do PIB nacional como a Vale, a Carital Brasil (antiga Parmalat) e até a estatal Petrobras”, diz a reportagem.

Deixe o seu comentário