14 de Abril de 2016 • 12:05 pm

Blogs » Marcelo Firmino

A insensatez de uma classe política em um País acunhado

Na falta do que fazer, Câmara cria bolão de apostas para o impeachment

Por: Marcelo Firmino
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

A que ponto chegamos. Estamos vivendo no País da galhofa. Imagine que os deputados de oposição, em Brasília, provavelmente na falta do que fazer, decidiram realizar um “bolão” sobre o placar do impeachment.

Aposta é de R$ 100. E mais de 300 já depositaram seus envelopes com dinheiro e placar. Alguns com cheques.

É tudo uma fanfarronice da pior espécie. No momento em que a democracia brasileira é aviltada, o exercício da cidadania e o voto de cada cidadão são estupidamente desrespeitados,  a oposição ao governo vive de fazer apostas, bem ao gosto da insensatez, do deboche.

Isso dá a exata dimensão do nível de parlamento que o Brasil tem na atualidade. Faltam homens com H. Faltam lideranças e proliferam as nulidades em meio a irresponsabilidade contagiosa.

Que País é esse? Ou que classe política é essa?

Data vênia…Esse é um País verdadeiramente acunhado.

 

1 Comentário

  1. RETARDADOS OU DESONESTOS (?)
    Joilson Gouveia*
    Como é que é? O dito sindicalista tenta isentar, imunizar, proteger e defender com suas alegações, que estariam contidas no site do PHA, o qual é muito bem remunerado pelo “partido” que se dizia dos trabalhadores porque “as conversas estão no site ‘conversa afiada’, que é mantido pelo dito partido paralela, paritária, coexistente e concomitantemente com outros mais duzentos?
    Ah! Sei! O PHA tem uma credibilidade, imparcialidade e respeitabilidade de uma nota de três reais! – Busquem sobre o que dissera ele, quando âncora da Band, sobre “o asceta de prístinas virtudes”! – A “jararaca escarlate fujona”! Busquem!
    Houve um tempo que os sindicatos defendiam aos interesses e direitos dos trabalhadores! Bons tempos! Áureos tempos!
    Hoje, tem-se mais de doze milhões de desempregados, que perderam seus empregos (foram demitidos) sem falar noutra legião de desempregados que busca seu primeiro emprego, trabalho e renda, enquanto isso os sindicatos inertes, inanes, inóxios, quietos, silentes, mudos, calados, moucos, surdos e cegos, ainda defendem a “odiosa causa e os nefastos efeitos” disso tudo: desgovermo escarlate.
    Meus amigos, minhas amigas, nenhuma ideologia, política ou partido ou “jararacas” podem – nem devem e nunca deverão – estar acima dos interesses nacionais, do nosso país e de seu povo.
    A CUT, CGT e as demais imensas centrais tentam defender o indefensável! O Comércio míngua e demite mais e mais! Empresários cerram suas portas. Indústrias e empresas falem… os sindicatos calam!
    O povo clama! Nove em cada dez brasileiros desaprovam-na; mais 69% querem seu afastamento, não por ser impopular, mas por “pedalar” – aliás, antes negava peremptória, firme, decidida e veementemente; depois que as provas irreprocháveis, irretorquíveis e irremediáveis ou incontestáveis desabrocharam eis que, agora, já as admite; mas só as fez porque os anteriores também fizeram – Como se o crime, delito, malfeito, malversação, desvios ou improbidade de outros de outrora fossem absolver aos seus de agora!
    Notem bem: tanto o AGU (?) quanto eLLa e eLLe admitem, reconhecem e confessam a consumação, ultimação e perpetração de suas “pedaladas”, sobretudo em período eleitoral e, mais ainda, sem ciência, anuência, autorização, homologação, corroboração e ratificação do Parlamento.
    Entretanto, ainda assim, esbravejam, vociferam e gritam furibundos quando não esbaforidos o bordão, jargão e refrão ensaiado adrede na seguinte latomia, a saber: “Impeachment não está na constituição” (aí descobrem que foi o que mais fizeram de 1990 a 2002); “Impeachment sem crime é golpe” (Aí as provas são inexoráveis!), daí, enfim, confessam tê-los feitos porque os outros fizeram também.
    Faz-me lembrar ao “Satiricon”, programa humorístico de quando éramos felizes: “E só sou eu? Cadê os outros”? Ou de Chico City: “Sou! Mas, quem não o é”?
    Os escarlates esquerdistaPATAS, esquerdALHAS e comunapetralhistas, que se acham inteligentes ou “entelequituais” (que “pensam que pensa”) ou que usam do raciocínio ou de alguma lógica sensata, coerente e comum ou meridiana, haja vista que apenas, só e tão-somente só repetem as cantilenas, ladainhas e litanias ou latomias ditas pela ALTA Cúpula dos PTralhas, buscam tão-somente defender seus mais mesquinhos, privativos e personalíssimos interesses partidários ou ideológicos, para mantença de status quo, preferentemente no “puder”. Ou não? Quantos, dos processados, julgados e condenados foram expulsos do “partido”?
    Em 2010 e 2014, se “aliaram” não só ao Maluf, mas também a outros ilustres decanos caciques da politicagem nacional, que me reservo em não citar seus nomes para não sujar o texto nem o teclado! Os coalizados eram ou foram bons enquanto faziam ou defendiam aos sórdidos, espúrios, inescrupulosos e criminosos interesses do putê.
    No momento que divergiram, pensaram ou agiram de modo díspar, diferente ou diverso de seus propósitos foram e são fritados por achaques de todos gêneros, tipos e formas. Ou não?
    Essa é a democracia deLLes: divergiu, contrariou ou pensou diferente; caem de pau nos dissidentes; antes “justiçavam”, como justiçaram aos “camaradas” que assim procedessem ou procederam. Ou não? Típico!
    “Pior que um governo corruPTO é o cidadão honesto que o defende”!
    Abr
    JG
    P.S.: onde moram os integrantes da ALTA Cúpula e aonde moram os “militontos” do putê? Já pararam para comparar? Ou são retardados ou desonestos mesmos, crer, defender e disseminar o que diz o putê!

Deixe o seu comentário