28 de Maio de 2016 • 8:23 am

Blogs » Fátima Almeida

A segurança da Tocha Olímpica e a realidade de segurança em Alagoas

Durante sua passagem por aqui, o símbolo das Olimpíadas terá à sua disposição 10% do efetivo da Polícia Militar além de outras forças de segurança

Por: Fátima Almeida
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

tochaA passagem da Tocha Olímpica por Alagoas é, sem dúvida alguma, um momento histórico, assim como é, num contexto maior, a realização, no Brasil, dos Jogos Olímpicos 2016. Por dois dias (29 e 30 de maio), os olhos do mundo estarão voltados para nós: descortinando nossas belezas, nossa cultura, e também nossas mazelas – entre as quais estão os baixos indicadores sociais que apontam um estado pobre, ainda marcado pelos piores índices de desenvolvimento humano do país.

Entre os municípios brasileiros que receberão a tocha, Murici é o que apresenta menor IDH, e esta é uma realidade muito reincidente nos municípios alagoanos, revelada, sobretudo, nos números da Educação, da Saúde e da Segurança Pública. Há mais de uma década, Alagoas tem ocupado posições desconfortáveis entre os mais violentos do mundo. Deu uma melhorada, segundo os números do governo, mas está longe, ainda, de sair do ranking.

Porém, mobilizar 1.300 agentes de segurança para dar cobertura a dois dias de revezamento da tocha em território alagoano parece desproporcional à realidade que se vive por aqui. Certo que a força-tarefa da operação Tocha Olímpica envolve a Polícia Civil, Exército, Corpo de Bombeiros, Perícia Oficial, Guarda Municipal, agentes de trânsito e, principalmente a Polícia Militar, com 720 policiais.

Num estado que tem cerca de 7,5 mil PMs na ativa, isso significa que cerca de 10% desse efetivo estará trabalhando em função da Tocha Olímpica e de sua passagem por cinco municípios alagoanos. É a metade do que a PM mobilizou, por exemplo, para dar cobertura aos 102 municípios do estado durante os quatro dias de carnaval, este ano.

Tudo bem, que trata-se de um evento esportivo mundial, mas ainda não é O EVENTO. E a tocha, embora revestida de grande valor simbólico, não é de ouro o dourado de sua chama, nem é diamante o verde que emana de suas entranhas. O que se espera, então? Protestos; um atentado terrorista?

Uma última pergunta: Com tanta segurança dedicada à visitante ilustre, o que pode esperar, a população residente, em relação à sua segurança, nesses dois dias?

Bom, esperemos que TODOS estejam mesmo de olho na tocha.

1 Comentário

  1. Armando disse:

    É o circo e o pão e o povo bestão!!! kkkkkk definitivamente esse não é um pais sério.

Deixe o seu comentário