1 de fevereiro de 2017 • 6:33 am

Política

Acusados de corrupção na Lava Jato vão presidir Câmara e Senado Federal

Rodrigo Maia (DEM) e Eunício Oliveira (PMDB), mais conhecido como “índio” da Odebrecht foram delatados.

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Tanto o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) quanto o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) são citados pelo delator da Lava Jato Claudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht. Os 2 são os favoritos para assumirem a presidência do Senado e da Câmara, respectivamente.

Ambos são citados por Melo Filho por terem atuado na aprovação da medida provisória 613 de 2013. Eunício teria recebido R$ 2,1 milhões para que apoiasse o texto. Maia teria ficado com R$ 100 mil para pagar despesas da campanha para prefeito do Rio, em 2012. Esse dinheiro teria sido pedido pelo próprio deputado.

Rodrigo Maia: propineiro.

O ex-diretor da Odebrecht disse em seu acordo de delação que o demista “era visto por

Eunício, o Indio da Odebrecht.

mim como ponto de interlocução dentro da Câmara dos Deputados na defesa dos interesses da empresa”.

Melo Filho afirmou que a negociação do pagamento para o núcleo do PMDB no Senado foi feita pelo atual líder do governo no Congresso e ex-ministro do Planejamento, Romero Jucá (PMDB-RR).

O núcleo, segundo Melo Filho, seria formado por Jucá, Renan Calheiros (AL) e Eunício Oliveira (CE). No caso da MP 613 de 2013, Eunício teria recebido R$ 2,1 milhões. Jucá e Renan teriam embolsado R$ 4 milhões (valor dividido entre os 2).

OUTROS LADOS – Eunício Oliveira disse que nunca autorizou ninguém a negociar recursos em seu nome em troca de favorecimento a qualquer empresa. Ao Jornal Nacional, da TV Globo, afirmou que todos os recursos arrecadados em suas campanhas foram recebidos de acordo com a lei e aprovados pela Justiça Eleitoral.

Jucá negou o recebimento de recursos para o PMDB e disse estar à disposição da Justiça. Renan afirmou jamais ter autorizado ou consentido que terceiros falassem em seu nome. Disse não haver chance de encontrarem irregularidades em suas campanhas eleitorais. Ambas as declarações também foram dadas ao Jornal Nacional.

Rodrigo Maia nega que tenha participado de qualquer negociação com a Odebrecht para aprovação da MP. À Folha de S. Paulo, o deputado afirmou que “as declarações veiculadas pela imprensa são absurdas e que nunca recebeu nenhuma vantagem indevida para votar qualquer matéria”.

DISPUTA NO CONGRESSO – Maia disputa a presidência da Câmara com ao menos mais 4 candidatos. São eles: Rogério Rosso (PSD-DF), Jovair Arantes (PTB-GO), André Figueiredo (PDT-CE) e Júlio Delgado (PSB-MG).

O atual presidente da Casa e candidato à reeleição é o favorito. Sua campanha é alvo de contestação dos adversários. Dizem que a Constituição veda a hipótese de reeleição na mesma legislatura. Maia argumenta que foi eleito para 1 mandato tampão e não há nenhuma determinação em relação a esse caso.

O deputado do DEM do Rio é o favorito do Planalto para assumir o comando da Câmara. Articula a formação de 1 bloco de 7 partidos que possa “dominar” a Casa. Fariam parte PMDB, PSDB, PP, PR, PSB, PSD e DEM. A Câmara escolhe seu presidente nesta 5ª feira (2.fev).

No Senado, Eunício tem apenas 1 adversário, José Medeiros (PSD-MT). Mas Medeiros tem poucas chances de “azedar” a candidatura do peemedebista.

Eunício foi escolhido pela bancada do PMDB e é apontado desde 2016 como sucessor de Renan Calheiros, que presidiu a Casa por 4 anos.

Deixe o seu comentário