31 de maio de 2016 • 12:28 am

Política

Agentes de trânsito protestam contra insegurança na profissão

Categoria realiza sirenaço na frente da SMTT, para denunciar violência a que estão sujeitos

Por: Fátima Almeida
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Agente de TrânsitoAgentes de trânsito de todo o país vão encerrar o ‘maio amarelo’ com uma mobilização nacional para conclamar mais segurança para a categoria. Em Maceió, o ato promovido pela Associação dos Agentes de Trânsito do Brasil (AGT) – um ‘sirenaço’, como está sendo chamado – está marcado para as 11h desta terça-feira (31), em frente à sede da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT), na Avenida Durval de Goes Monteiro.

Os agentes estarão com um tarja preta no braço, simbolizando luto pelos colegas assassinados no exercício de suas funções e protesto contra a falta de segurança. De acordo com André Bier, agente da SMTT de Maceió e diretor nacional da AGT, tem aumentado o número de profissionais mortos no cumprimento de suas atividades profissionais de fiscalizar e fazer cumprir as regras do trânsito.

Ele destaca que a situação de vulnerabilidade a que a categoria está exposta, lidando com situações de conflito no trânsito, diuturnamente, sem nenhuma medida protetiva que lhes garanta o enfrentamento das adversidades, e cita como exemplo o caso mais recente, do agente Agenison Pereira Jorge (28), assassinado em Araguaína, estado do Tocantins, na última sexta-feira (27), enquanto desempenhava suas funções. Segundo foi noticiado, ele teria sido alvejado durante a abordagem a um suposto taxista clandestino.

Segundo André Bier, outros casos têm acontecido pelo país afora, com frequência cada vez maior. Destacou, por exemplo, o caso de um agente morto em Abaetuba (PA) durante uma operação de fiscalização contra mototáxis calandestinos.    

Entre as medidas protetivas que os agentes de trânsito têm defendido, estão a disponibilização de coletes à prova de balas e a aprovação do Projeto de Lei complementar que possibilita o porte de arma para esses profissionais, quando em serviço – precedido do devido treinamento e da preparação psicológica para o uso de tal instrumento

Deixe o seu comentário