26 de novembro de 2016 • 6:54 am

Mundo

Aos 90 anos, morre em Havana o ex-presidente de Cuba, Fidel Castro

O corpo do ex-presidente de Cuba será cremado, segundo a TV estatal cubana

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

A “Ilha” está de luto. Aos 90 anos morreu na madrugada deste sábado, 26, o ex-presidente de  Cuba, Fidel Castro. A morte foi confirmada em pronunciamento de Raúl Castro, irmão dele, e atual presidente cubano, na TV estatal, em Havana.

Fidel Castro: o mito cubano

Fidel Castro: o mito cubano

“Com profunda dor compareço para informar ao nosso povo, aos amigos da nossa América e do mundo que hoje, 25 de novembro do 2016, às 22h29, faleceu o comandante da Revolução Cubana, Fidel Castro Ruz”, disse Raúl Castro.

Raúl disse que o corpo de Fidel Castro será cremado.

Fidel foi visto em público pela última vez  em um ato público no dia 13 de agosto, na comemoração de seu 90º aniversário. A festa reuniu mais de 100 mil pessoas. Na época, Fidel apresentou um semblante frágil, vestido com um moletom branco e acompanhado pelo seu irmão Raúl e o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

Che Guevara e Fidel, no inicio do governo cubano

Che Guevara e Fidel, no inicio do governo cubano

Fidel é um mito na política internacional. Odiado pela direita por ter sido um ditador comunista e amado por legiões de seguidores que acreditavam em suas ideologias, desde o início da guerrilha em Sierra Maestra, quando fez a Revolução Cubana, nos anos 60.

ENTRADA TRIUNFAL

O homem virou mito desde que entrou em Havana, em 1959, e proclamou o triunfo da revolução que comandou ao lado de Ernesto The Guevara. Tinha apenas 32 anos de idade, usava uniforme verde e trazia consigo a história do enfrentamento de um exército de 80 mil homens, com uma pequena tropa de guerrilheiros que em alguns momentos não somava mais que uma dúzia de homens, 7 fuzis, e a força da inteligência estratégica, do carisma e do poder de liderança de Fidel.

Os mesmos requisitos que lhe deram suporte para expulsar do poder do general Fulgêncio Batista e se estabelecer no comando de Cuba, onde ficou por quase 50 anos, governando com mãos de ferro, até 2006, quando problemas de saúde o obrigaram a afastar-se da presidência e entregar, ainda provisoriamente, o comando do país ao irmão Raúl Castro.

Após dois anos de rumores e especulações sobre a saúde de Fidel, Raúl foi nomeado formalmente presidente do Conselho de Estado em fevereiro de 2008.

Contando com o período provisório, em julho deste ano Fidel Castro completou 10 anos ‘afastado’ do poder, mas sempre mantendo a posição de grande comandante de Cuba.

Contagiante pela força e engajamento com que defendia suas ideias e famoso por seus longos e sustentáveis discursos, ele era respeitado tanto quanto temido; amado e odiado; considerado quase imortal. Ao longo de 40 anos, entre 1958 e 2000, Fidel escapou de mais de 600 tentativas de assassinato e desafiou dez presidentes americanos, antes que seu irmão Raúl decidisse restabelecer relações diplomáticas com os Estados Unidos no fim de 2014 – não sem antes obter o aval de Fidel.

 

Deixe o seu comentário