28 de junho de 2017 • 5:25 pm

Meio Ambiente

Após fama, Papa Capim é obrigado a devolver aves ao IMA

Entrega voluntária deve estimular pessoas que têm em casa animais silvestres adquiridos de modo ilegal a adotarem a mesma ação.

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Conhecido como Dinho Kapp, servente de pedreiro entregou aves que lhe deram fama

O servente de pedreiro Cláudio Santos, o agora famoso Papa Capim , foi obrigado a devolver ao Instituto do Meio Ambiente do Estado de Alagoas (IMA/AL), as aves que o fizeram famoso nas redes sociais. Nessa quarta-feira, 28, ele esteve no no Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS), localizado no Ibama. Conhecido como Dinho Kapp, Papa Capim fez a entrega voluntária das aves que estavam em sua residência, dois tizius (Volatinia jacarina) e o famoso papa capim (Sporophila nigricollis).

O consultor Marcelo Normande, do IMA/AL, recebeu as aves no CETAS, e orientou Cláudio no preenchimento do Formulário de Entrada de Animais Silvestres, que certifica que ele levou esses animais voluntariamente. “Esses animais que chegam aqui são examinados, anilhados, e, posteriormente, são soltos em suas áreas de ocorrência”, explica Marcelo.

É importante ressaltar que as aves trazidas por Dinho não poderão ser legalizadas e devolvidas para o servente de pedreiro, pois se tratam de animais sem origem legal comprovada. Ele deverá, agora, adquirir outras aves, que possuam certificação e que sejam originárias de criadouos autorizados.

O gerente do setor de Fauna Flora e Unidades de Conservação do IMA, Epitácio Correia, frisa a importância desse tipo de atitude. A entrega voluntária desses animais, adquiridos de maneira ilegal, isenta a pessoa de qualquer penalidade que poderia sofrer, caso esses animais fossem apreendidos. Ou seja, a pessoa que tem um animal não regulamentado e deseja fazer a entrega voluntária pode ir sem medo.

É importante que as pessoas, cada vez mais, se conscientizem da importância de não comprar animais em feiras livres, não alimentar o tráfico de animais silvestres, e também não capturar animal de vida livre”, diz Epitácio Correia.

O IMA reforça a informação de que é possível comprar animais silvestres de forma legal em criadouros comerciais devidamente licenciados e legalizados por órgão ambiental competente.

Todo animais silvestre proveniente de estabelecimento comercial legalizado deve vir com marcação individual (pode ser anilha e/ou microchip), certificado de sexagem (para aves) e Nota Fiscal de venda do animal contendo as seguintes informações: Nome popular e científico do animal adquirido, data de nascimento, sexo do indivíduo, tipo de marcação e o número da mesma (conferir se a marcação informada na Nota Fiscal coincide com a marcação real do animal).

Deixe o seu comentário