18 de agosto de 2015 • 7:11 pm

Política

Artigo: Eleições limpas na Ordem dos Advogados

Bomfim: “Vamos lutar com as armas da democracia, debatendo, criticando, elogiando ou sugerindo”.

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Por Thiago Bomfim

Thiago Bomfim

Thiago Bomfim

Novembro se aproxima e, com ele, mais uma eleição para a OAB. Numa democracia tão jovem como a nossa, fato esse aliado a uma utilização massificada das possibilidades ofertadas pelas tão populares redes sociais, nosso sangue latino acaba sendo, por vezes, combustível para debates acalorados, defesas intransigentes e, por vezes, relativização da verdade. Uma das mais famosas obras de Schopenhauer, sempre atual, é intitulada Como vencer um debate sem precisar ter razão. E esse é o grande mote da campanha institucional que a Seccional Alagoana passa a encampar.

Ao longo das mais de oito décadas de existência, nossa instituição, não obstante sua inafastável e gloriosa missão de zelar pela classe dos advogados, sempre esteve associada à preservação da democracia, proteção aos direitos fundamentais e manutenção do Estado Democrático de Direito. Em nossa história recente, onde quer que houvesse arbitrariedade, violação à Ordem Jurídica ou qualquer tentativa de enfraquecimento da democracia, ali estava a OAB, combatendo na trincheira democrática, por vezes, sozinha na luta. A OAB de Sobral Pinto e Raymundo Faoro, a OAB de D. Lyda Monteiro. Por vezes numa democracia, em outras numa ditadura, advogados tombaram no exercício de sua profissão, entregando suas vidas em nome de um ideal.

Pesquisa recente, divulgada nacionalmente, constatou que a OAB é uma das instituições de maior credibilidade do país. Nesse contexto, é fundamental demonstrar à sociedade que a instituição que sempre lutou pela preservação da democracia no seio da sociedade, também o faz internamente, não apenas durante a gestão dos órgãos que a compõem, mas, principalmente, durante seu processo eleitoral interno.

A OAB que durante as eleições gerais institui comissões de combate a corrupção eleitoral e pugna por eleições limpas, deve ser a primeira a adotar o que prega, a fim de que possamos mostrar, de uma vez por todas, que é possível um pleito propositivo e respeitoso, em que, apesar de combativo e por vezes acalorado, amizades sejam preservadas, reputações não sejam atingidas, inverdades não sejam assacadas, mas, sobretudo, em que a credibilidade e a imagem da instituição sejam preservadas por seus próprios integrantes.

Vamos lutar com as armas da democracia, debatendo, criticando, elogiando ou sugerindo, mas buscando o engrandecimento de nossa instituição, não sua fragilização. Todos merecemos ELEIÇÕES LIMPAS!

 

*Thiago Bomfim – é presidente da OAB/AL.

 

 

Deixe o seu comentário