2 de novembro de 2016 • 12:54 pm

Bleine Oliveira » Blogs

As hienas e a ocupação de escolas públicas

A escola pública não pode ser ainda mais vilipendiada, com ocupações inadequadas.

Por: Bleine Oliveira
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

A Educação pública é mal tratada pelos gestores públicos e por parlamentares.

A eles não interessa que a população saia da ignorância imposta pelo analfabetismo. Essa é uma compreensão comum a todos nós.

Só que parte dessa ignorância a que o povão é submetido, é alimentada por aqueles que se dizem defensores da educação pública de qualidade.

A escola pública perdeu valor e importância, quando a classe média saiu dela para fazer a escola particular. Para o crescimento do ensino privado, um negócio destinado a gerar lucro e, portanto, a riqueza de seus empreendedores, a rede pública foi desconstruída.

Na últimas três décadas, lamentavelmente, com a ajuda de quem deveria defendê-la. Basta considerar as sucessivas greves que detonaram o ensino público, levando-o ao descrédito e gerando a desilusão dos alunos e dos pais.

Ano a ano essa crise se aprofunda, mesmo com o esforço de abnegados professores que dedicam a vida a resgatar o ensino público.

A ocupação de escolas públicas, por quem protesta contra a PEC 241, é mais um ataque ao ensino. A causa desse protesto é justíssima. A PEC 241 é uma violência contra o povo, obrigado a pagar a conta da corrupção praticada por governantes e parlamentares.

Porém, não é afastando estudantes das salas de aula, afundando crianças, adolescentes e jovens na lama da ignorância, que a PEC 241 será revogada.

Até porque, duvido que haja um filho, neto ou sobrinho do presidente Michel Temer, dos senadores ou deputados, estudando em escola pública!

Assim, há que se concordar com a fala do secretário de Educação, Luciano Barbosa, ao se manifestar sobre a ocupação de escolas públicas.

“Há muitas formas de se posicionar que não seja invasão da escola. Nada impede que o tema [a PEC 241 e o corte de verbas para a educação] seja abordado em sala de aula, dentro de um contexto, por professores de sociologia, filosofia e história, por exemplo. Isso é muito mais produtivo e esclarecedor do que a pura simples invasão que só prejudica o aluno da escola pública”, disse o secretário.

Em Alagoas a ocupação ocorre nos municípios de Água Branca, Arapiraca, Delmiro Gouveia e Girau do Ponciano.

Diante dessa inadequada ocupação, os políticos riem, feito hienas, vendo prosperar a ignorância que os alimenta.

Manifestantes, punossassinhora, melhorem!

1 Comentário

  1. Pedro Paulo disse:

    Punossasinhora… Que texto bosta

Deixe o seu comentário