6 de setembro de 2017 • 8:38 am

Blogs » Marcelo Firmino

Assim falou Geddel em manifestação: ‘Chega de corrupção, de assalto…”

Geddel liderou manifestação contra corrupção em Salvador em 16 de agosto de 2015

Por: Marcelo Firmino
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

O destino prega peças irônicas, além da conta nas pessoas. Imagine hoje a situação de algumas figuras da República que bradaram nas ruas que eram contra a corrupção.

Há casos emblemáticos, como o de Aécio Neves – e outros tantos tucanos – e Geddel Vieira Lima que também participou de várias manifestações para derrubar a Presidente Dilma Rousseff do governo, dizendo-se ser avesso à corrupção.

Pois bem. Em 16 de agosto de 2015, Geddel foi um dos líderes da manifestação contra a corrupção que reuniu 5 mil pessoas no Farol da Barra, em Salvador.

Nesse evento, Geddel era a cara da ética, da moralidade, da austeridade e, um olhar mais atento, chegaria ver uma áurea santa sobre ele.

Tanto assim que foi entrevistado por uma emissora de televisão e fez a seguinte declaração: “Chega, ninguém aguenta mais tanto roubo. Isso já deixou de ser corrupção. É roubo, assalto aos cofres públicos para enriquecer os petistas”.

Assim falou Geddel.

Enfim, todos que foram às manifestações imaginavam que estavam combatendo a corrupção e que ela só existia de um lado, como bem disse Geddel, o líder.

Os R$ 51 milhões, em diversas malas, encontrados em um “bunker” de propriedade de Geddel, falam por si só.

Agora fique a pensar em outros tantos esconderijos de malas endinheiradas espalhados pelo País, “à gauche” e “à droite”, de muitos e muitos que foram às ruas gritar contra a corrupção. Gente se apresentando como salvadores da pátria mãe gentil tão distraída…

As malas estão em toda parte. Ora passam correndo em ruas das calçadas paulistas. Ora seguem em aviões pelo triângulo mineiro, desfilam nas calçadas de Nossa Senhora de Copacabana, sobem a ladeira do Farol, cá entre nós… Enfim, elas existem há muito e muito tempo. Os porões dos poderes da República que o digam.

Lamentavelmente, pela conveniência e compadrio dos “movimentos” com tudo isso, o som das ruas é de entristecer.

Enquanto isso “os malas” continuam a jurar que são contra a corrupção.

Deixe o seu comentário