25 de Janeiro de 2016 • 8:30 am

Justiça

Auxílio moradia é para juiz não ter depressão, diz secretário tucano em SP

Levantamento diz que média salarial de juiz brasileiro é de R$ 41,8 mil entre salários e benefícios.

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

justiçaO novo secretário da Educação de São Paulo, José Renato Nalini, defendeu um “aumento disfarçado” de R$ 4,3 mil, como auxílio-moradia, para o juiz brasileiro poder comprar um terno para cada dia da semana e não entrar em depressão nem ter síndrome do pânico.

A declaração foi dada por Nalini em entrevista no Jornal da TV Cultura. Mas viralizou nas redes sociais neste fim de semana. Nalini é secretário do governo tucano de Geraldo Alckmin, no Estado de São Paulo.

Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo à época, ele defendeu a regulamentação do benefício pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) para juízes e procuradores, inclusive para aqueles que têm casa própria na cidade onde trabalham.

A medida, segundo o governo, tinha impacto de R$ 1 bilhão nos cofres públicos.

Na entrevista, Nalini afirmou que a remuneração do juiz no Brasil estava defasada e que “não dá para ir toda hora a Miami comprar terno”.

Levantamento divulgado em junho do ano passado pela revista Época revelou que os magistrados recebem, em média, R$ 41,8 mil, entre salários e outros benefícios.

Defesa – “Esse auxílio-moradia, na verdade, ele disfarça um aumento do subsídio que está defasado há muito tempo. Hoje, aparentemente o juiz brasileiro ganha bem, mas ele tem 27% de desconto de Imposto de Renda, ele tem de pagar plano de saúde, ele tem de comprar terno, não dá para ir toda hora a Miami comprar terno, que cada dia da semana ele tem que usar um terno diferente, uma camisa razoável, um sapato decente, ele tem que ter um carro”, defendeu.

Segundo ele, o benefício “disfarçado” também contribuiria para os magistrados adoecerem menos. “Espera-se que a Justiça, que personifica uma expressão da soberania, esteja apresentável. E há muito tempo não há o reajuste do subsídio. Então, o auxílio-moradia foi um disfarce para aumentar um pouquinho. E até para fazer com que o juiz fique um pouquinho mais animado, não tenha tanta depressão, tanta síndrome de pânico, tanto AVC etc.”

“A população precisa entender isso. No momento em que eles perceberem o que um juiz trabalha, eles verão que não é a remuneração do juiz que vai fazer falta. Se a Justiça funcionar, vale a pena pagar bem um juiz”, declarou.

 

Deixe o seu comentário