7 de Maio de 2015 • 1:57 pm

Política

Bancada alagoana se divide ao meio na hora da votação do ajuste fiscal

Votaram contra o ajuste os deputados federais Cícero Almeida (PRTB), JHC (SDD), Pedro Vilela (PSDB) e coordenador da bancada, Ronaldo Lessa (PDT).

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

camara dos deputadosBrasil – Na primeira votação relativa ao ajuste fiscal proposto pelo governo federal ao Congresso Nacional, a bancada federal alagoana esteve praticamente divida ao meio em relação a matéria. Votaram contra o ajuste os deputados federais Cícero Almeida (PRTB), JHC (SDD), Pedro Vilela (PSDB) e coordenador da bancada, Ronaldo Lessa (PDT).

Com o governo estiveram os deputados federais Paulão (PT), Marx Beltrão (PMDB), Arthur Lira (PP), Givaldo Carimbão (PROS) e Maurício Quintella (PR), todos integrantes da base aliada. A votação foi apertada 252 votos a favor e 227 contra, mas o governo pode comemorar a vitória inicial nesse processo que deverá apresentar novos rounds proximamente.

Ao aprovar o texto base da Medida Provisória 665/14 a Câmara dos Deputados tornou mais difícil o acesso dos trabalhadores aos direitos trabalhistas, segundo disse o deputado Cícero Almeida, ao justificar sua votação contra o governo. “Sempre fui trabalhador, fui prefeito e valorizei os servidores públicos de Maceió e, portanto, não iria ficar contra os trabalhadores agora”, disse Almeida.

Na mesma linha se posicionou o deputado Ronaldo Lessa. Ele declarou que não pode compactuar com uma medida provisória que altera para pior as regras de concessão de benefícios como o seguro-desemprego no País. “Dessa maneira o ajuste fiscal não ajuda os que mais precisam”, reforçou Lessa.

Para o deputado Paulão, o governo está buscando formas de retomar o crescimento econômico e por isso ajuste fiscal se faz necessário, considerando que com a mudança do panorama e o crescimento da economia todos os setores da vida brasileira vão sair ganhando. Reconhece as dificuldades do momento, mas destaca que é preciso pensar no bem do País como um todo.

Deixe o seu comentário