10 de novembro de 2017 • 12:05 pm

Policia

Batalha: Coronel da PM diz que quem peitar a polícia “vai para o caixão”

Comandante do Policiamento de Área do Interior fala que não vai permitir que clima de insegurança se instale na cidade

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

O comandante do Policiamento de Área do Interior I, coronel Walter do Vale, afirmou em entrevista na manhã desta sexta-feira (10) à Rádio Gazeta que quem “quiser peitar as forças de segurança”, vai “para o caixão”.

De acordo com o militar, que tem como função coordenar a atuação do 7º e do 9º Batalhão nos municípios do Sertão após a onda de violência que atingiu a cidade nessa quinta-feira (9), as forças de segurança não vão permitir que se instale na região um clima de insegurança, alimentado sobretudo pela rivalidade entre as famílias Boiadeiro e Dantas.

“Se alguém acha que o passado vai voltar aqui na cidade, de se armar e vir aqui para a cidade para esculhambar, enquanto eu estiver aqui, vai se defrontar com a gente. A gente não vai permitir, o Estado de Alagoas não vai permitir, o governador Renan Filho não vai permitir, o secretário coronel Lima Júnior não permite isso, com o coronel Sampaio. E eu aqui não vou permitir”, disse.

E acrescentou: “Se se armar e vier na cidade aprontar, vai levar tromba de lá. O Bope está aqui com as nossas tropas. Estou aqui para garantir a ordem, a paz da população. Agora se armar, querer jogar isso para o público. O que eu disse a eles foi o seguinte: vocês jogaram para o público. Isso não vai acontecer”, completou.

A Polícia Militar reforçou rondas na região após informações do Serviço de Inteligência de que a sede da Prefeitura, a Câmara de Vereadores e até o Fórum da Justiça de Alagoas poderiam ser atacados.

Boiadeiro

Depois que dois pistoleiros assassinaram na porta de Câmara Municipal de Batalha o vereador Neguinho Boiadeira (PSD), a cidade sertaneja logo se transformou em uma praça de guerra.

O clima é tenso e as pessoas estão aterrorizadas por que após a morte do vereador mais duas pessoas foram baleadas. Entre elas duas pessoas da família Dantas: José Emílio e Paulo José, que foram socorridos e encaminhados á Unidade de Emergência do Agreste.

Deixe o seu comentário