19 de setembro de 2015 • 5:38 pm

Brasil

Bergamo: hipótese de renúncia de Dilma já é admitida por petistas

Em conversa com Cunha Lula prevê riscos de convulsão social.

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

No olho do furacão, Dilma Rousseff descartou enfaticamente qualquer possibilidade de renúncia em função da crise que vive o governo. Mas,  segundo a Mônica Bergamo, colunista da Folha de S. Paulo, a renúncia já é admitida entre petistas.

Disse a colunista que dirigentes históricos e ligados ao ex-presidente Lula acreditam que ela possa ser levada a uma atitude extrema em caso de “total ingovernabilidade” do país, o que pode ocorrer com a eventual derrubada do pacote fiscal a ser enviado pelo governo ao Congresso nos próximos dias.

A quase totalidade das medidas de corte de despesas e aumento de receitas anunciadas pela equipe econômica esta semana depende de aprovação do Parlamento, onde Dilma tem enfrentado forte resistência de oposicionistas e até de partidos aliados.

A oposição lançou um movimento contra o aumento de impostos e tributos. O principal objetivo é barrar a recriação da extinta Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).

A avaliação de dirigentes petistas, segundo Mônica Bergamo, é de que Dilma tem três semanas para virar o jogo e se estabelecer como única alternativa de poder no país até 2018. O entendimento entre eles é de que, mesmo que o Supremo Tribunal Federal (STF) barre um eventual processo de impeachment, o desgaste da situação poderia causar uma conflagração no Brasil.

O risco de uma convulsão social foi levantado pelo ex-presidente Lula em conversa com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), segundo o jornal O Estado de S.Paulo. No encontro, de acordo com o jornal, o petista pediu ao peemedebista para barrar pedidos de impeachment contra a presidente e apoiar medidas do ajuste fiscal.

O Planalto aguarda os desdobramentos da delação premiada do lobista Fernando Baiano, apontado pelos investigadores da Operação Lava Jato como operador do PMDB. A expectativa é de que suas revelações possam “arrastar” os principais líderes do partido do vice-presidente Michel Temer para o “precipício”, afirma Mônica Bergamo. Temer é quem assume o lugar de Dilma caso a presidente se afaste do cargo.

Deixe o seu comentário