Blogs

Assomal condena proposta de retorno à ativa dos coronéis da reserva da PM

22 de junho de 2017 • 12:39 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

A Associação dos Oficiais da Polícia Militar de Alagoas (Assomal)  considerou um retrocesso  sem precedentes a emenda Constitucional do deputado estadual Francisco Tenório (PTN), aprovada em segunda votação pela Assembleia Legislativa, que garante o retorno à ativa de todos os coronéis da reserva até os 65 anos de idade.

Para o presidente da Assomal, tenente-coronel José Cláudio, trata-se de uma proposta absurda que deve ser vetada pelo governador Renan Filho, na visão do líder da entidade representativa da corporação.

Segundo ele, o absurdo é tamanho que além de alterar o Estatuto da Polícia Militar, ainda vai na contramão das regras do plano de aposentadoria dos militares, instruído dentro da reforma da Previdência.

O líder da Assomal disse que a entidade é radicalmente contra a proposta do parlamentar, que também é delegado de polícia, “por representar  um prejuízo ao fluxo da carreira do policial militar e a operacionalidade do serviço”.

Trata-se, segundo disse em nota,  um retrocesso e um desserviço a corporação e à sociedade.


E eis que o inverno chegou. Percebeu?

21 de junho de 2017 • 11:22 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Chuva de maio inundou a cidade de Marechal Deodoro

Eis que o inverno chegou. Tá estranhando? Sim, na divisão das chamadas estações do tempo, o inverno começou hoje (21 de junho). E se já teve chuva até agora, nada anormal que elas continuem, com aquele friozinho ameno, até entrar setembro trazendo o sol de primavera.

Tranquilo. Segundo os meteorologistas de plantão, a estação chega com chuvas dentro da normalidade (o que vem a ser?). E o monitoramento da previsão climática e do nível dos rios, feito pela Sala de Alerta da Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), indica que está tudo sob controle. “O inverno muitas vezes nem é percebido pelos alagoanos”. Será???.

Desta vez deu pra perceber, sim. Antes mesmo de o calendário anunciar a entrada da estação da chuva. E essa tal normalidade não foi tão normal assim. Maio fechou, junho chegou, com registros de deslizamentos que deixaram um rastro triste de mortes; alagamentos e transbordamentos de rios e lagoas, que desabrigaram e desalojaram famílias em áreas rurais e urbanas de vários municípios alagoanos. Cidades em situação de calamidade. Famílias sofrendo perdas graves.

Na soma da defesa Civil, em Maceió, 89 barreiras deslizaram, 55 casas caíram e 16 casos de inundações aconteceram em uma “noite de caos”, no final de maio. Os municípios vizinhos de Pilar e Marechal Deodoro praticamente submergiram no volume da água corrente no leito do Rio Paraíba, rebatida pela força da maré alta, na chegada ao oceano.

Assim como no vale do Paraíba, nos vales do Mundaú, do Jacuípe e de outras bacias que cortam o Estado, famílias ainda marcadas pelo trauma das lembranças da cheia de 2010, viveram novamente o pavor de assistir à água subir e ameaçar levar bens, sonhos, projetos de vida. E sofreram perdas.

Felizmente, desta vez a tragédia teve menor dimensão.

Mas o inverno chegou. Dá pra perceber… E com ele ainda vem muita chuva por aí.


O promotor, as promoções e o possível cartel dos combustíveis

21 de junho de 2017 • 1:11 am
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

A Promotoria de Defesa do Consumidor, na portaria nº 0030/2017 publicada no Diário Oficial desta terça-feira (20), resolve apurar eventual abusividade no aumento do combustível na cidade de Maceió, sem embargo de futuras e eventuais providências na defesa dos interesses difusos e coletivos.

O inquérito foi aberto a partir de denúncias de cartel discutidas na Comissão Especial de Inquéritos da Câmara de Vereadores de Maceió, que investigou 115 postos de venda.

Tudo indica, de acordo com o levantamento, que os donos de postos ‘tabelam’ o valor de venda dos combustíveis com uma variação de menos de 5% nas diferenças de preços, até mesmo nas ‘promoções’. Em alguns lugares – entre os bairros do Poço e Pajuçara, por exemplo – é de menos de 3%; na Ponta Verde, ela não passa de 1 mísero centavo de Real.

No relatório publicado no Diário Oficial, o Promotor de Justiça Max Martins de Oliveira e Silva considerou, para avaliar os preços, dados fornecidos pela Agencia Nacional de Petróleo (ANP).

E para robustecer o inquérito, foi requisitada a coleta de documentos, certidões, pericias e inspeções para apurar se existe um possível cartel dos donos de postos em Maceió. A resposta ainda não veio.

Em nota, o Sindcombustíveis-Al informou que vai se pronunciar quando for oficialmente convocado. Mas de antemão, avisou que preza pela livre concorrência e que repudia qualquer prática contrária.

 


Rejeitada: Juiz recusa queixa-crime de Temer contra Joesley Batista

20 de junho de 2017 • 10:26 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

A terça-feira não foi muito boa para o presidente Temer. Depois de assistir à derrota da sua reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado, que rejeitou o relatório de Ricardo Ferraço (PSDB-ES), por 10 votos a 9, recebeu, hoje à noite a notícia de que a queixa-crime apresentada por ele em ação por calúnia, injúria e difamação, movida contra o empresário Joesley Batista, foi rejeitada pelo juiz federal Marcus Vinicius Reis Bastos, da 12ª Vara do Distrito Federal.

A representação feita à Justiça foi motivada pela declaração dada por Joesley, em entrevista à revista Época, onde ele acusa Temer de chefiar uma “organização criminosa”centrada na Câmara Federal, que teria entre os seus o integrantes Eduardo Cunha, Geddel Vieira Lima, Henrique Eduardo Alves, Eliseu Padilha e Moreira Franco.

Em sua decisão, o magistrado afirmou que não viu na atitude de Joesley “vontade específica de macular a imagem de alguém”, mas sim de corroborar as declarações prestadas em seu acordo de delação celebrado com o  Ministério Público Federal e homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), e que o delator, assim procedeu, com a finalidade de narrar fatos. Para o juiz, Joesley apenas exerceu o seu direito constitucional de liberdade de expressão ao “fornecer o entendimento” que tinha sobre os fatos narrados.

A casa tá caindo! E o telhado de vidro estilhaçando…


Temer grava vídeo na cara de pau e tucanos estão a clamar ‘inocência’

19 de junho de 2017 • 9:01 am
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O Palácio da Alvorada foi palco de mais uma ação “cara de pau” do presidente Michel Temer, neste domingo, 18, véspera da viagem dele para a Rússia e a Noruega.

Temer: cara de pau.

À espera de uma denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ainda nesta semana, Temer gravou  um vídeo para ser postado em redes sociais, nesta segunda-feira, 19, no qual afirma que “criminosos não ficarão impunes no País”. Não sei se é pra rir ou pra chorar.

A questão é o presidente está sendo ivestigado pela Procuradoria Geral da República pelos crimes de corrupção passiva,  obstrução de justiça e organização criminosa. Aliás, a revista Época traz esta semana uma longa entrevista que, na capa, diz que “Temer é o chefe da quadrilha mais perigosa do Brasil”.

No vídeo que gravou, Temer fala que fará seu passeio fora do País, a partir desta segunda até a sexta-feira. Segundo ele, tratará de questões comerciais, embora para o mundo não tenha mais nenhuma credibilidade para negociar em nome do País.

Ele se ausenta, em meio a um clima político efervescente, principalmente quando nesta terça-feira, deverá chegar ao Senado Federal o pedido do Supremo Tribunal Federal (STF) para processar o senador Aécio Neves (PSDB) pelos mesmos crimes de que o próprio Temer é acusado.

Em enquanto isso, a base aliada e, sobretudo, os tucanos agora vivem a clamar “inocência”.

Tiste Brasil.

 


Humilhação e tristeza no Rei Pelé: o CRB decepciona mais uma vez

17 de junho de 2017 • 6:36 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O CRB é só tristeza. O campeonato da série B está na sua oitava rodada e o galo desanda, manco, torto, de canto rouco de tanto perder. Neste sábado, 17, mais uma derrota dentro de casa. Era tudo que não podia acontecer neste momento.

CRB: agora é vice lanterna do campeonato

O time vem de três derrotas seguidas e se mantiver esse ritmo não haverá outro caminho senão a série C no próximo ano.

Mas, há tempo para reação e cabe a diretoria resolver esse problema o quanto antes. As apresentações bizarras mostram uma equipe sem comando e despreparada.

É bom que se diga que a diretoria tem toda responsabilidade nisso. Principalmente por ter falhado no planejamento da equipe para a série B. Planejamento falho que se viu já no campeonato alagoano, quando parte da equipe e o técnico Léo Condé (já afastado) foram questionados severamente por torcedores regatianos.

O time venceu o alagoano sem convencer. E praticamente manteve o mesmo grupo para série B, adicionando algumas peças que deveriam ser importantes, mas que nada ou quase nada têm produzido nesta competição.

A derrota para o Londrina por 3 a 0 em pleno Rei Pelé foi humilhante. O torcedor regatiano não merecia tamanho revés.

O galo agora despenca na tabela para a zona de rebaixamento. É o vice lanterna do campeonato. Que horror!

E vai ser difícil sair de lá da forma como está se comportando em campo. Um time sem alma, sem ritmo e sem qualquer tipo de sentimento pelas cores alvirrubras.

Simplesmente lamentável. O CRB é só tristeza. Pura tristeza!

 


Gilmar Mendes: Um homem acima de qualquer suspeita (?)

17 de junho de 2017 • 11:45 am
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Tem um provérbio português que diz: “Onde se come, ficam as migalhas”. Migalhas que de tanto se esparramarem nos rios de benesses que banham alguns privilegiados, por esse país afora, caíram, também, sobre a mesa do ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral.

Todo mundo viu, esta semana, a partir de reportagem da Folha de São Paulo, que na farta distribuição de ‘benefícios’ financeiros da J&F, controladora da famigerada JBS, entrou também o Instituto Brasiliense de Direito Público (IDB), no a J&F teria investido R$ 2,1 milhões em patrocínio de ações. Instituto que tem, entre seus sócios, ele – o próprio ministro Gilmar Mendes.

Tá…  O Instituto diz que devolveu R$ 650 mil desse dinheiro, há mais ou menos 20 dias. E daí? O ‘troco’ só foi devolvido depois que vieram à tona os conteúdos escabrosos da delação premiada dos executivos da JBS. Teria sido devolvido se não tivesse sido citado na delação? E o fato de ter devolvido uma parte do dinheiro o torna diferente de outros delatados igualmente beneficiados?

O Instituto informou que os recursos foram destinados à realização de eventos, congressos, programas sociais como a concessão de bolsas de estudos e cursos gratuitos para comunidades carentes. E disse que o contrato com o grupo JBS, firmado em 2015, foi rescindido em razão de cláusulas contratuais relacionada à ética e à moral. Huuuum!

A JBS diz que gastou R$ 1,45 milhão desde que o contrato foi assinado, citando três congressos realizados, inclusive um em Portugal, no valor de R$ 650 mil.

Pode ser legal o patrocínio; o recurso pode ter tido, realmente, uma destinação social. Mas há de se questionar, mais uma vez, a isenção do polêmico ministro, em atuar no julgamento de assuntos relacionados à JBS, com a qual parece ter uma relação, digamos, tão estreita.

E mais uma vez, como já declarou em relação ao fato de um irmão seu ser fornecedor de gado de corte para o grupo J&F, o ministro tende a insistir que não há motivo para se declarar impedido em julgamento de questões em que a JBS esteja envolvida.

E mais uma vez o Supremo tende a se omitir de qualquer ação no sentido de impedir a participação do ministro em determinados julgamentos.

E assim, neste nosso Brasil, os fatos seguem seu curso com peso de fardo. Até quando? Sabe Deus!

Assim sendo, assim será…


E segue Renan Filho ‘pulando fogueira’ na frente do prefeito

13 de junho de 2017 • 7:29 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Essa alma quer reza, em 2018! – afirmou um colega, em grupo no whatsaap, logo depois que o governador Renan Filho (PMDB) anunciou o aumento de 6,29% para os salários dos servidores públicos.

Claro que não. Imagine!

E RF é político de querer reza??

Queridos leitores, nas terras alagoanas, o jovem governador, que tem uma solução para todo problema, é o próprio bispo.

Salvo uma catástrofe, em 2018 RF vai rezar a missa inteira.

Né isso, prefeito Rui Soares Palmeira?

Sim, por que é uma ação atrás da outra.

Essa do reajuste salarial, então… misericórdia.

Servidor público pode ver o mundo se acabando, mas se for garantido aumento de seu salário, o governante de plantão é considerado o máximo. Leva tudo!

Concordem ou não, funcionário público satisfeito faz a diferença em qualquer eleição.

O prefeito Rui Soares Palmeira reuniu sindicatos e entidades de classe para anunciar que não tem condições de reajustar os salários dos servidores municipais, que também reivindicam os 6,29% da inflação oficial.

E apontou a crise financeira como causa do reajuste ZERO.

Aí vem RF e… pa!

Esfrega’ (mera figura de linguagem, por favor!) duas parcelas no nariz de seu provável principal concorrente em 2018.

Os servidores do Estado terão 3,15% no mês de junho e o 3,14% em dezembro.

Não é nada, não é nada… é a inflação oficial!


Arapongagem no Supremo: Ministra considera o assunto esgotado. Será?

13 de junho de 2017 • 3:16 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Ilustração / Internet

Em que pé se encontram as loucuras desse país. Já nos deparamos com tudo e agora nos encontramos com o mais terrível dos inimigos, o terrorismo dos boatos (ou não). Como deve proceder a ministra presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, diante da informação de que um dos membros da corte maior estaria sendo grampeado pelo próprio Governo? Sim, ao que parece, o Governo estaria investigando, à margem da lei, os investigadores que lhe causam dores. E para isso estaria usando os serviços da Agência Brasileira de Inteligência (Abin)

Tudo bem. O Presidente nega (confira nota, abaixo). E a própria ministra, que no sábado publicou nota (confira abaixo) dizendo ser “inadmissível a prática de gravíssimo crime contra o Supremo, contra a democracia e contra as liberdades, se confirmada informação de devassa ilegal da vida de um de seus integrantes”, amenizou o tom e, depois de uma conversa com o Presidente Temer, afirmou que o assunto “por ora está esgotado”.

Mas, como se esgota uma notícia dessa? Como dar fim a um sentimento de invasão que fere a todos como cidadãos? Não, não se pode esgotar o tema quando há suspeita – segundo a Revista Veja – de uma ordem expressa do próprio Presidente Temer para monitorar o ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato e que tem em suas mãos o inquérito do qual ele, o Presidente é alvo de investigação.

E não convence esse discurso de que “o Governo não usa a máquina pública contra o cidadão brasileiro”. Faria rir, se não fosse trágico. O que mais se tem feito nos últimos anos é uso da máquina pública contra o cidadão brasileiro. Ademais, como acreditar na palavra de um Presidente que ‘esqueceu’ temporariamente até que havia voado em avião emprestado pelo empresário Joesley Batista, seu ex-amigo que virou carrasco no calvário da delação premiada?

Bom, mas se a ministra resolveu acreditar nas palavras sinceras (???) do Presidente, que sou eu para desacreditar? Resta a esperança de que cumpra-se o dito por ela à nação brasileira: “Se comprovada a investigação da Abin, em qualquer tempo, as consequências jurídicas, políticas e institucionais terão intensidade do gravame cometido, como determinado pelo direito”.

Esperamos que sim, Excelência!

 

Nota Presidência da República (emitida dia 9)

“O presidente Michel Temer jamais “acionou” a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) para investigar a vida do Ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin, como publicado hoje pelo site da revista Veja. O governo não usa a máquina pública contra os cidadãos brasileiros, muito menos fará qualquer tipo de ação que não respeite aos estritos ditames da lei.

A Abin é órgão que cumpre suas funções seguindo os princípios do Estado de Direito, sem instrumentalização e nos limites da lei que regem seus serviços.

Reitera-se que não há, nem houve, em momento algum a intenção do governo de combater a operação Lava Jato.

Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República”

Nota de Cármen Lúcia (emitida dia 10):

“É inadmissível a prática de gravíssimo crime contra o Supremo Tribunal Federal, contra a Democracia e contra as liberdades, se confirmada informação de devassa ilegal da vida de um de seus integrantes.

Própria de ditaduras, como é esta prática, contrária à vida livre de toda pessoa, mais gravosa é ela se voltada contra a responsável atuação de um juiz, sendo absolutamente inaceitável numa República Democrática, pelo que tem de ser civicamente repelida, penalmente apurada e os responsáveis exemplarmente processados e condenados na forma da legislação vigente.

O Supremo Tribunal Federal repudia, com veemência, espreita espúria, inconstitucional e imoral contra qualquer cidadão e, mais ainda, contra um de seus integrantes, mais ainda se voltada para constranger a Justiça.

Se comprovada a sua ocorrência, em qualquer tempo, as consequências jurídicas, políticas e institucionais terão a intensidade do gravame cometido, como determinado pelo direito.

A Constituição do Brasil será cumprida e prevalecerá para que todos os direitos e liberdades sejam assegurados, o cidadão respeitado e a Justiça efetivada.

O Supremo Tribunal Federal tem o inafastável compromisso de guardar a Constituição Democrática do Brasil e honra esse dever, que será por ele garantido, como de sua responsabilidade e compromisso, porque é sua atribuição, o Brasil precisa e o cidadão merece.

E, principalmente, porque não há outra forma de se preservar e assegurar a Democracia.”


Temer: um pato manco à frente de uma comédia nada divina no País

10 de junho de 2017 • 11:09 am
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Há uma certa indignação no ar das pessoas que esperavam uma justiça séria, correta, ética e honesta no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no processo de julgamento da chapa Dilma-Temer. Assim era pra ser, nunca foi e nem será. Há que se dizer. Isso não é ceticismo puro e besta. É história.

O Poder Judiciário, em todas as suas cortes e instâncias, é formado por homens. E os homens, na essência, quando o assunto é o poder jogam e atuam de acordo com seus interesses. Principalmente nos escalões mais altos.

A história do “julgo de acordo com o que está nos autos” é pura embromação. É muito semelhante  à declaração de políticos que dizem estar cuidando dos “interesses Republicanos”. Uma ova!

Portanto, o comportamento dos ministros do TSE, assim como o resultado do julgamento já havia ficado claro há bastante tempo. Tanto que o Presidente  Michel Temer chegou a desafiar à própria sociedade, ao dizer que “daqui não saio e daqui ninguém me tira”. Ele sabia quem tinha e o que havia colocado lá.

Aliás, com o hábito que tem de  reunir-se na calada da noite nos porões do Planalto, sabe-se que não foram apenas duas ou três vezes que esteve com Gilmar Mendes pelos subterrâneos do poder central, tramando situações para  manter o poder para ele e os seus. E Mendes nunca escondeu que é um deles.

Mas, sejamos sinceros. Fossem outros os atores dessa comédia, nada divina, a situação no caso das articulações de poder teriam corrido da mesma forma. Agora, especificamente, se fosse para cassar o mandato de Dilma Rousseff o resultado do julgamento teria sido contra ela.

Ora, quando uma parcela considerável da população foi às ruas contra Rousseff, batendo panelas, gritando impropérios, atacando políticos nos aeroportos e restaurantes, etc., o fez sob o comando de lideranças políticas que haviam saído derrotadas do processo eleitoral. E essas lideranças investiram na frustração fresca de um povo que tinha o resultado das eleições  entalado na garganta. Era preciso um terceiro turno.

Só faltava um mote. E alguém no âmbito do Judiciário trouxe para o meio das ruas o tema da corrupção. Foi à mão na luva. Investiu-se na onda odiosa: Fora corruptos! Os incautos achavam que a corrupção era um ponto único, exclusivo de um poder e de um partido. Não é, não foi e nunca será. Os fatos e os famosos “autos” estão aí para demonstrar.

Rousseff então foi defenestrada. Fez-se a festa. Temer no Poder depois do espetáculo do Congresso com os corruptos mais podres dizendo que estavam votando pela cassação em nome da honra, de Deus e de outras pérolas mais, quando na verdade estavam atuando pelos seus próprios interesses, recheados do vil metal. Puro e simples.

Assim, se as instituições são reflexos da sociedade, hoje, não há o que reclamar. Apenas constatar que os podres poderes são conduzidos pelos homens, que usam e abusam da boa fé alheia para a manutenção de seus status quo.

Portanto, Temer, enquanto o novo chefe da quadrilha não caiu e, certamente não cairá mesmo sendo ele um ‘lame duck’.

Ou, como dizem os filhos de Trump, um pato manco que preside, mas não governa.