Bleine Oliveira

Jornalista profissional, graduada em Direito. Em 2008 conquistou o Prêmio Banco do Brasil e Petrobras de Jornalismo.

E segue Renan Filho ‘pulando fogueira’ na frente do prefeito

13 de junho de 2017 • 7:29 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Essa alma quer reza, em 2018! – afirmou um colega, em grupo no whatsaap, logo depois que o governador Renan Filho (PMDB) anunciou o aumento de 6,29% para os salários dos servidores públicos.

Claro que não. Imagine!

E RF é político de querer reza??

Queridos leitores, nas terras alagoanas, o jovem governador, que tem uma solução para todo problema, é o próprio bispo.

Salvo uma catástrofe, em 2018 RF vai rezar a missa inteira.

Né isso, prefeito Rui Soares Palmeira?

Sim, por que é uma ação atrás da outra.

Essa do reajuste salarial, então… misericórdia.

Servidor público pode ver o mundo se acabando, mas se for garantido aumento de seu salário, o governante de plantão é considerado o máximo. Leva tudo!

Concordem ou não, funcionário público satisfeito faz a diferença em qualquer eleição.

O prefeito Rui Soares Palmeira reuniu sindicatos e entidades de classe para anunciar que não tem condições de reajustar os salários dos servidores municipais, que também reivindicam os 6,29% da inflação oficial.

E apontou a crise financeira como causa do reajuste ZERO.

Aí vem RF e… pa!

Esfrega’ (mera figura de linguagem, por favor!) duas parcelas no nariz de seu provável principal concorrente em 2018.

Os servidores do Estado terão 3,15% no mês de junho e o 3,14% em dezembro.

Não é nada, não é nada… é a inflação oficial!


No São João de Maceió, Rui sai tosqueado e Renan Filho solta o rojão

9 de junho de 2017 • 5:35 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Foto: Agência Alagoas

O prefeito de Maceió, Rui Soares Palmeira (PSDB), aproveitou o clima de tragédia provocado pelas chuvas que detonaram vários bairros da cidade, para anunciar uma medida, digamos, difícil.

Com anúncio feito pelo presidente da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC), Vinícius Palmeira, o prefeito mandou dizer que não há condições de promover os festejos, diante da situação de emergência na cidade.

A prioridade, nesse momento, é a reconstrução dos danos causados pelas chuvas. Além disso, o clima nos bairros está impraticável para comemorações, já que a cidade está danificada, precisando de reparos”, justificou o sempre alegre secretário.

Tudo bem? Tranquilo? Podemos seguir em frente, deixando o cara trabalhar?

Não, querido leitor!

Eis que o mais forte adversário político de Rui Soares Palmeira, vem a público anunciar que… vai ter forró em Maceió.

Nesta sexta-feira, 9, o governador Renan Filho, que tem sempre uma solução para qualquer problema, reuniu, no Palácio República dos Palmares, representantes de 32 trios de forró para dizer que vai realizar o “São João da Solidariedade”.

Com a decisão, RF faz um golaço, alegrando esses profissionais que, junto com as 16 bandas de forró da capital, ficariam à toa no período em que mais têm oportunidades de trabalho.

Aí não deu outra, a alegria irradiou pelos quatro cantos do Palácio, ao som do hino de Alagoas, cantado por Eliezer Setton, acompanhado por mais de dez sanfoneiros.

Melhor do que isso, só o discurso do governador:

Em nosso bicentenário, estamos fazendo uma caixa que será lacrada e só será aberta no tricentenário de Alagoas, daqui a cem anos. O cidadão vai perguntar: ‘O que fizeram os governantes no centenário e no bicentenário?’ E ali estará registrado algo muito importante: foi feito um movimento em defesa da cultura, do forró e das tradições de alagoas”, disparou Renan Filho.

Prefeito, punossasinhora, melhore!

Não se tira alegria do povo. Nem na tragédia!


O Legislativo alagoano e a segurança pública

7 de junho de 2017 • 5:13 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

 

O Poder Legislativo quer “colaborar com medidas na execução da política estadual de segurança pública, que, em Alagoas vive hoje uma grave crise, interferindo diretamente na vida dos alagoanos com altos índices de criminalidade que assola o Estado” – diz o autor do requerimento para uma audiência pública sobre o tema, deputado Francisco Tenório (PMN).

Serão convidadas todas as autoridades da área.

Quando? No próximo dia 20.

Onde? No plenário da Assembleia, na Praça Pedro II.

Discutir as questões de segurança pública é normal em qualquer ambiente, da família à mesa de bar, da escola à universidade. Afinal, esse é um tema do interesse de todos e de qualquer um.

Mas, o que a sociedade alagoana pode esperar de um debate sobre segurança pública, realizado pela Assembleia Legislativa estadual?

– Oxe, eu que num ia! – reage Lucilene, a faxineira aqui de casa.


Quem fiscaliza o uso das verbas para o povo enfrentar enchentes?

1 de junho de 2017 • 7:59 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Chega a R$ 13 milhões a ajuda financeira emergencial que o governo federal destinou a Alagoas, para assistência às famílias afetadas pelas chuvas na capital e no interior do Estado.

Curioso é que tem meio mundo de autoridades querendo fiscalizar a utilização do dinheiro.

Na Assembleia Legislativa, por exemplo, o deputado Bruno Toledo (Pros), usou a tribuna para dizer que visitou os municípios atingidos pelas chuvas e, na mesma tacada, solicitar à Mesa Diretora a criação de uma comissão parlamentar “com objetivo de acompanhar a utilização dos recursos estaduais e federais destinados a reconstrução das cidades”.

De olho na lisura das ações e em propostas como a apresentada no Legislativo, o Ministério Público estadual criou um grupo de trabalho, unificando a atuação das promotorias de Justiça, para propor uma forma de fiscalização do uso desses recursos pelos gestores públicos nos municípios atingidos.

Imagine, queridos leitores, se a União destinar maior volume de recursos para obras estruturais nas 27 cidades que estão em situação de emergência ou calamidade pública!

Que festa para os prefeitos!


O que Temer veio fazer em Maceió?

29 de maio de 2017 • 2:09 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Nada de efetivo, em termos de recursos ou de obras, foi assegurado na visita de Temer.
Foto: Ricardo Lêdo/GA

O presidente Michel Temer (PMDB) veio a Maceió, na noite do domingo, lamentar as mortes de quatro pessoas, causadas por deslizamentos de terra em Maceió. No encontro com o governador Renan Filho (PSDB) e o prefeito Rui Palmeira (PSDB),prometeu ajudar os municípios mais atingidos pelas chuvas.

Depois de uma reunião à portas fechadas com as autoridades locais, na sede do 59º Batalhão de Infantaria, no bairro do Farol, falou com a imprensa para dizer:

“Precisamos cumprir a emergência, ou seja, recuperar os danos causados pelas chuvas, e mais adiante, fazer as obras indispensáveis, que sejam preventivas. Temos que proteger as encostas para que não haja deslizamentos”.

Olha aí, gente da periferia, como é genial o presidente Temer!

Porém, e ao contrário do que se esperava, não revelou quanto deve ser liberado, e nem quando esses recursos chegarão ao Estado.

Mais do que isso, Temer não visitou áreas de risco, não foi a ginásios onde estão desabrigados – são mais de 3 mil famílias. Enfim, abalou-se de Brasília a Maceió somente para ouvir relatos dos danos provocados pelas chuvas.

Podia ter ouvido pelo telefone, áudio em e-mail, messenger, whatsaap, fita cassete, etc


Chove, e Maceió chora!

24 de maio de 2017 • 3:21 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Basta meia hora de chuva e Maceió para. Embora se saiba com antecedência quando vai chover – tai o prefeito falando o tempo todo em quadra chuvosa, a gestão municipal pouco faz para evitar a bagaceira que a cidade está vivendo nesta quarta-feira, 24.

Choveu, as ruas ficam alagadas, o trânsito que é lento se torna caótico. O tempo para se ir de um bairro ao Centro, ou da parte baixa à alta, duplica.

Falta energia, os semáforos apagam e a situação piora, deixando o trânsito estressante.

As áreas tradicionalmente problemáticas, como no bairro da Levada, via de trânsito entre o Farol e o Trapiche, se tornam intransitáveis.

A Rua Miguel Palmeira, no Farol, é outro exemplo da ineficiência da gestão pública. Vale ressaltar que o problema ali tem mais de três décadas, e a Prefeitura não resolve.

Assim, a população volta a enfrentar os transtornos do inverno, que ainda nem chegou de fato. A estação chuvosa terá início à 1h24, do dia 21 próximo!

Bem que os órgão municipais de infraestrutura e limpeza urbana poderiam se antecipar e cuidar da cidade com mais eficiência.

A limpeza de galerias deve ser rotina, minha gente!

A Prefeitura precisa manter equipes em permanente trabalho de limpeza de bocas de lobo pela cidade. Afinal, com ou sem as águas das chuvas, lixo e entulhos jogados nas ruas e locais públicos vão para as galerias. O resultado é entupimento e alagamento.

É fato que, nesse problema, a população tem papel fundamental. O povo deve colaborar, parando de jogar lixo nas ruas. Mas a Prefeitura precisa tornar o sistema de coleta mais eficiente.

Assim, diante dos transtornos que todos enfrentamos na quadra chuvosa, resta torcer que um dia Maceió seja de fato uma cidade que sorri!


Aquele 3×4 ‘matador’

18 de maio de 2017 • 6:20 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

 

Olha ela!

A irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG), Andrea Neves, foi presa na tarde desta quinta-feira (18). A simpática foi levada por agentes da Polícia Federal e do Ministério Público Federal do condomínio onde mora para o Complexo Penitenciário Feminino Estevão Pinto, em Belo Horizonte (MG).

Principal assessora do senador, flagrado em esquema de corrupção, Andrea ficará em uma ala separada do pavilhão principal.

Mas não escapou da tradicional foto de preso. Aquele 3×4 ‘matador’!

Então, não precisa de alvoroço porque a foto do ex-deputado Celso Luiz caiu na rede, né?


‘Tubarões’ pegos e a defesa da democracia

18 de maio de 2017 • 11:19 am
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Se a crise política nacional vinha caminhando em direção a uma solução, com o contínuo trabalho da Lava Jato e a ‘chapa esquentando’ para o ex-presidente Lula, com as declarações dos donos da JBS (aqueles da Friboi), o “tumor” estourou de vez!

A podridão do mundo político nacional foi exposta. Alguns dos grandes ‘tubarões’ foram pegos.

Agora é a hora de o Brasil, de fato, passar por uma limpeza geral e profunda.

Porém, o medo que faz é a ordem constitucional ser ignorada, e o povo entrar numa de quebra-quebra, de bagaceira!

Sim, meus queridos leitores. Ninguém pense que os comandantes das Forças Armadas estão somente aguardando ordens!

Por isso, com a efervescência em todo País, e a podridão se derramando em Brasília, é preciso defender a Constituição e a democracia.

 


A Polícia Civil “no olho do furacão”

12 de maio de 2017 • 6:25 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

A mudança na SSP já era esperada no meio policial. O zum zum zum nesse sentido tem cerca de um mês, e inclui ainda mudança no comando da Polícia Civil. Depois de tirar a delegada Luci Mônica do cargo de Adjunta da SSP, ela foi substituída pelo delegado Acácio Júnior, o governador Renan Filho pode substituir o delegado geral, Paulo Cerqueira.

A decisão de mudar está ligada à insatisfação de RF com a piora dos índices de violência, situação que foi creditada à PC, que, por isso, estaria precisando de alterações.

Mas há quem diga que desde o início da gestão o secretário de Segurança, Paulo Domingos Lima Júnior, teria manifestado preferência pelo delegado Acácio. Além de destacar o bom trabalho que ele vem fazendo na PC, especialmente na Deic, Gecoc e nos municípios de Rio Largo e Barra de São Miguel, agrada a Lima Júnior o fato do delegado ter sido capitão da PM.

O governador ressaltou o bom trabalho que a delegada Luci Mônica realizou desde que assumiu o cargo, em abril do ano passado, apontando sua atuação na unificação das polícias alagoanas. Ela foi escolha do ex-secretário Alfredo Gaspar, após indicação do delegado Paulo Cerqueira.

O secretário Lima Júnior também elogiou a ex-adjunta, afirmando que “ela fez um excelente trabalho ao longo dos 12 meses em que esteve na secretaria”. Ele explicou a mudança como uma necessidade comum à gestão de segurança pública. “Temos que oxigenar as equipes. É tanto que recentemente fizemos mudanças nos comandos de batalhões da Polícia Militar” – afirma o secretário.

Há ainda quem avalie que RF quer prestigiar todos os grupos da Polícia Civil. A delegada Luci ganhou força na estrutura da instituição por sua ligação com o ex-delegado Marcílio Barenco, que teve passagem polêmica pela PC alagoana.

A ela, garantiu o governador, serão dadas outras tarefas, especialmente na área de promoção da paz.

Já o secretário Lima Júnior negou mudanças na delegacia geral da Polícia Civil. Segundo ele, o delegado Paulo Cerqueira está correspondendo à confiança do governador e dele próprio, além de ter uma atuação eficiente no cargo.

Ao anunciar a substituição na SSP, o governador Renan Filho revelou que vai intensificar as ações da polícia judiciária, investindo principalmente nas delegacias de combate ao Narcotráfico e na Homicídios.


Somos todos papalvos!

9 de maio de 2017 • 4:12 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Imagem: internet

Já tem acampamento de sem terra, e um número crescente de militantes chegando a Curitiba (PR) para a mobilização que o Partido dos Trabalhadores denominou Jornada de Lutas pela Democracia. Daqui seguiram dois ônibus!

Sinceramente, me perdoem os pró-Lula e os pró-Moro, esse embate é a prova de que nós, os brasileiros, somos uns papalvos.

Antes que você, querido leitor, me xingue, vou ao dicionário e coloco aqui o que isso significa: trata-se de adjetivo masculino para definir um indivíduo simplório, pateta, tolo.

Sim, somos todos uns tolos!

Poucos enxergam que o país foi saqueado por todos os ex-presidentes, desde sempre; que a classe política tomou para si privilégios e beneficios que nos custam suor e sangue; que endeusar o juiz Sérgio Moro não garante o fim da corrupção; que os partidos e organizações políticas não servem ao interesse público.

Passou da hora de acordarmos!

Nesse momento da vida nacional, o que temos a fazer é cobrar que todos que roubaram o dinheiro público paguem conforme os ditames da lei, sejam de direita ou esquerda.

Seja do PT, do PMDB, do PSDB e das demais legendas, corrupto deve ser preso. E devolver tudo o que surrupiou da Nação!

Enquanto a Justiça cumpre seu papel, nós, o povo brasileiro, devemos exigir o fim da impunidade, única solução para estancar a corrupção crônica que tem marcado a vida política nacional nas últimos décadas!