Bleine Oliveira

Jornalista profissional, graduada em Direito. Em 2008 conquistou o Prêmio Banco do Brasil e Petrobras de Jornalismo.

Disque-denúncia: é o povo na luta contra o crime

3 de agosto de 2017 • 5:25 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

As denúncias que chegam à polícia, sobre a ação de criminosos, estão mais qualificadas. É tanto que o telefone 181, o disque-denúncia, se consolidou como um instrumento que tem ajudado no combate aos homicidas, ao tráfico de drogas e às organizações criminosas.

A população tem sido fundamental nessa luta, inclusive melhorando a qualidade das informações que encaminha ao disque-denúncia” – revela o secretário de Segurança Pública, Paulo Domingos Lima Júnior, referindo-se à importância do que chama “sociedade alagoana do Bem”, nas ações para reduzir a violência em Alagoas.

Neste sentido, ele destacou a redução no número de homicídios em julho último, uma queda de 35,9% na comparação com o mesmo período do ano passado. O secretário citou ainda estatística que mostra redução no número de assaltos a coletivos como mais uma comprovação da redução dos índices de violência em Alagoas.

Essa modalidade criminosa vem diminuindo desde fevereiro (29,6%), chegando a julho com queda de 78,5% nas ocorrências. Em janeiro foram registrados 68 casos, e agora em julho a estatística do Neac apontou 23 ocorrências.

Para o secretário, resultados como esses confirmam que a política de governo adotada para a segurança é exitosa. Além da integração das polícias, que aponta como exemplo para todo o País, Lima Júnior faz um agradecimento a todos os policiais (civis, militares, bombeiros, peritos), ao Ministério Público e ao Poder Judiciário.


Carimbão, Temer e o ‘misturador de voz’

2 de agosto de 2017 • 12:44 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Depois de ser grampeado por Joesley Batista, empresário corrupto, dono da Friboi, o presidente Michel Temer (PMDB) mandou instalar em seu gabinete no Palácio do Planalto, um “misturador de voz”, equipamento que embaralha o conteúdo de uma conversa gravada por celular ou outro tipo de aparelho eletrônico.

Conhecido como “scrambler”, o aparelho inverte sinais e substitui o áudio de uma conversa por um chiado. Aí fica impossível entender o que foi dito.

Isso todo mundo já sabe!

A novidade é que, contrário a essa, digamos, providência adotada pelo presidente, o deputado federal Givaldo Carimbão (PHS/AL) apresentou projeto de lei proibindo o uso do equipamento em qualquer órgão público.

Tem razão, o parlamentar!

Flagrado, Temer deveria rechaçar encontros para tratar de corrupção na sede do governo. Mas, bem ao contrário, armou um esquema para evitar que elas venham a público.

Punossasinhora, presidente, melhore!


O que há por trás da greve dos rodoviários

1 de agosto de 2017 • 10:06 am
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Momento da audiência de conciliação, no TRT.
Foto: Bleine Oliveira

O que está acontecendo com os rodoviários em Maceió, é mais uma prova de que o movimento sindical precisa se reoxigenar, criar novas formas de atuação. É necessário surgir um modelo de ação reivindicatória que não tenha a população, e os demais trabalhadores, como ‘bueiro’ dos prejuízos.

Depois de intensa negociação, o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Alagoas (Sinttro/AL) chega a um índice de reajuste razoável, especialmente se comparado ao que foi conquistado por outras categorias. Os jornalistas, inclusive!

Eles insistiam em 5%, as empresas ofereciam 4%. O impasse permaneceu até que o desembargador Pedro Inácio, do TRT/AL, intermediando a negociação, sugeriu 4,5%. Ou seja, nem tanto ao mar, nem tanto à terra.

Argumento patronal pra lá, argumento trabalhista pra cá, tudo se afina e a reunião termina com o Sinttro aceitando levar a proposta para discussão em sua base.

Tudo certo?

Não, claro que não.

Os rodoviários permanecem em assembleia, atrasando a vida de milhares de pessoas. E ao fim, decidem manter a greve, por tempo indeterminado.

O acordo, com os 4,5%, poderia ser fechado?

Sim, claro que poderia. Mas há um porém!

A categoria está em campanha para eleger a nova diretoria do sindicato!

E há uma oposição atuante.

Aí, já viu, né?

Tem que manter a mobilização, mesmo que isso represente prejuízos aos trabalhadores, à economia!

Falta responsabilidade aos dirigentes do Sinttro. Ao manter essa situação por mero interesse eleitoreiro, o sindicato dá prova de absoluto desrespeito ao povo, classe à qual motoristas e cobradores integram.


A “crise” do governo Rogério Téofilo, em Arapiraca

27 de julho de 2017 • 6:43 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Vale leitura, atenta e imparcial, essa postagem do jurista Adriano Soares, no Facebook, que republico por acreditar no chamado bom debate!

“Tenho guardado silêncio sobre questões políticas locais. Sobre Arapiraca, não fiz uma única postagem este ano, mesmo fazendo uma assessoria técnica ao Rogério Teófilo, porque a minha função tem sido e será… técnica. Mas como tem sido criada uma narrativa constante sobre uma suposta “crise” do Governo Rogério Teófilo, convém dizer algumas palavras aos que são de Alagoas. Não existe “crise do Governo Rogério Teófilo”; existe “CRISE FISCAL E ADMINISTRATIVA EM ARAPIRACA”. São coisas muito distintas.

Rogério assumiu a Prefeitura com duas folhas salariais sem pagamento feito pela gestão anterior. Seria esse um problema sério em uma época de crise na economia nacional. Mas nem de longe era o mais grave. A rigor, o Município de Arapiraca chegou em abril de 2016 absolutamente comprometido em sua capacidade de pagamento, com nível elevado de endividamento.

O que fez com que o serviço público continuasse sendo precariamente prestado foi o aporte de praticamente R$ 100 milhões de reais de precatório do Fundef, que gerou uma corrida para pagamentos de prestadores de serviços, alocando-se os recursos próprios para pagamento da folha. Ainda assim, deixando dois meses em aberto. Não fosse isso, a Prefeitura teria ficado paralisada inteiramente.

Para completar o quadro gravíssimo das finanças municipais, houve renúncia de receitas, sem autorização legislativa, tendo a gestão anterior deixado de aplicar a Lei do IPTU que ela própria havia aprovado em 2012, gerando sucessivas perdas. Some-se a isso a ausência de uma política de cobrança dos impostos, como o ISSQN, que sequer é recolhido por parcela significativa de empresas.

E o sucateamento da Secretária Municipal da Fazenda gera ainda hoje problemas sérios, que estão sendo contornados. Dou um exemplo simples: o Conselho de Contribuintes não funciona, de modo que há elevadas somas de recursos a serem executados, pendentes de recursos fiscais administrativos propostos por instituições bancárias. Esta matéria está sendo tratada com responsabilidade, para corrigir os gravíssimos problemas herdados.

A tecnologia da informação (TI) de Arapiraca, centro nervoso de qualquer gestão pública responsável, era uma ficção. Para completar, irresponsavelmente colocaram em Arapiraca programas de “código aberto” (open source) que só rodavam em três prefeituras do Brasil. E, na gestão contábil-financeira, tiraram o programa pago existente, já em 2016, e colocaram outro com código aberto sem nunca ter sido testado e funcionar adequadamente.

Resultado: o Município não entregou um único relatório fiscal obrigatório, fato que gera graves consequências jurídicas e fiscais. O Ministério Público estará sendo informado de todos os problemas e de todas as soluções, para que atue na medida da sua competência.

A ficção da propaganda da Educação, com escolas em tempo integral, era apenas isso… ficção. Os prédios das escolas estavam em petição de miséria, com problemas na estrutura física municipal. O mesmo se diga dos postos de saúde e do desabastecimento de remédios.

Rogério Teófilo fez o percurso mais difícil para quem deseja atuar seriamente e corrigir as estruturas para colher os frutos de uma gestão responsável: auditou contratos, reduziu custos, moralizou as compras, está reestruturando a TI, corrigindo o informalismo que existia e o descontrole de serem as secretarias mini-prefeituras autônomas.

Mas tem sido atacado constantemente, de modo coordenado, pelas viúvas políticas do grupo derrotado no processo eleitoral.

A greve da Educação, por exemplo, é um ato meramente político: Rogério negociou pessoalmente, com as contas abertas, fazendo um esforço fiscal absurdo para fazer a proposta de 2,33% de aumento, mesmo tendo pagado folhas atrasadas e mesmo com a crise fiscal.

O Sinteal seguiu o caminho que lhe convinha politicamente: nada de diálogo, impondo a sua agenda, chegando ao ponto de fechar as portas do Centro Administrativo e por dois dias impedir o funcionamento de quase todas as secretarias municipais.

Qual o resultado prático? Unicamente desgastar o governo, porque todos sabem que não haverá aumento além do que é permitido pelas condições do Município e das normas da Lei de Responsabilidade Fiscal. Mas nunca deram uma única palavra sobre o uso do dinheiro do precatório do Fundef, os tais R$ 100 milhões, feito pelo governo anterior…

As ruas esburacadas. Por quê? Porque a gestão anterior celebrou um contrato para o saneamento do Município, com destinação de resíduos de modo adequado, e simplesmente permitiu que fossem quebrados os logradouros sem que houvesse o imediato conserto, cujo serviço era previsto contratualmente.

Para completar, fez-se o pagamento de uma medição elevada, cujas obras não foram reconhecidas pela Caixa Econômica Federal, gestora dos recursos federais, causando a paralisação do contrato e das obras. A empresa executora não apresentou as comprovações dos serviços e obras objeto da medição, embora tenha recebido o pagamento.

Não se está discutindo, ainda, eventuais práticas ilícitas, mas há uma sério problema que precisa ser superado. Esta matéria está sendo objeto de análise jurídica e imediata solução em conjunto com a Caixa.

Poderia aqui descrever vários problemas graves em todas as áreas, que estão sendo enfrentados porque estouraram neste governo, gerados pela gestão anterior, como o aterro sanitário, por exemplo.

Rogério Teófilo optou, corretamente, por enfrentar os problemas. Arrumar a casa. Estruturar a gestão. Os frutos já começam a aparecer, mas serão vistos com muita clareza ainda este ano e sobretudo a partir do próximo. Poderia ele fazer circo e não ter saído do palanque. Poderia ele estar fazendo o velho e surrado populismo.

Mas tem a consciência de que a verdadeira política, hoje, exige responsabilidade, transparência e honestidade. Vai apanhar muito, vai ser muito criticado, mas fez a opção única possível: trabalhar duro pelo seu povo de Arapiraca, para corrigir a bagunça que herdou e preparar o futuro que já começa.

“Crise” do Governo Rogério Teófilo é crise herdada. O governo não está em crise: está trabalhando e sem a covardia que não poucos gostariam de apostar…”

Adriano Soares


Médicos desafiam governador Renan Filho

24 de julho de 2017 • 12:18 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Área Vermelha do HGE/Maceió. Foto: Sinmed/AL.

O Sindicato dos Médicos de Alagoas (Sinmed/AL) propõe que o governador Renan Filho (PMDB) vá ao Hospital Geral do Estado (HGE), e deite numa maca, na ala vermelha, por ao menos cinco minutos. Somente assim, diz o Sinmed, em nota publicada na mídia inpressa, S. Excia poderá entender a aflição de esperar atendimento num espaço  construído para acomodar nove pessoas, mas onde os profissionais de saúde lidam, em média, com 40 pacientes.

É um desafio e tanto!

Mas, RF certamente não vai gostar das condições de insalubridade.

No chamamento ao governador, para que visite o HGE, como fez recentemente indo à Maternidade Santa Mônica, a entidade de classe dos médicos acredita que talvez vivenciando a realidade adversa que enfrentam diariamente, Renan Filho possa agilizar as providências necessárias para que o hospital supere tais obstáculos.

Só pra lembrar, na área vermelha ficam os casos mais graves, as verdadeiras urgências, aqueles em que os riscos de morte são significativos.

Topa, governador?


Christiano Matheus,  Astaroth e a vaidade

20 de julho de 2017 • 1:13 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Documentos apreendidos pela Polícia Federal indicam que todo patrimônio do ex-prefeito de Marechal Deodoro, Christiano Matheus foi adquirido com dinheiro público. Com base em auditoria feita pela Controladoria Geral da CGU, a temida CGU, a PF investiga o desvio de cerca de R$ 6 milhões de programas destinados ao desenvolvimento da Educação no município.

Como sempre, a área da Educação é o alvo dos corruptos!

A investigação mostrou que, além de adquirir bens com recursos da prefeitura, Christiano Matheus registrou tudo em nome de terceiros.

Os desvios aconteceram entre os anos de 2010 a 2014, e envolveu cerca de 14 pessoas, entre ex-assessores e funcionários pessoais do ex-prefeito.

Segundo a PF, o nome Astaroth faz referência ao demônio que influi sobre os pecados da preguiça e da vaidade.

Considerando a constante preocupação com o topete, é certo que Astaroth levou, sim, o ex-prefeito a pelo menos um desses pecados!


SSP avisa: quem matar vai pra cadeia

19 de julho de 2017 • 7:04 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O combate à violência em Alagoas tem foco no combate ao tráfico de drogas, mas também na prisão de suspeitos de homicídios.

Os assassinatos estão na mira da SSP que, segundo o secretário Paulo Domingos Lima Júnior, trabalha na investigação dos casos recentes (homicídios cometidos de três anos pra cá), e no passivo, ou seja, nos inquéritos com 10 anos ou mais.

Nesse sentido, o secretário afirma que estão sendo efetuadas prisões num volume “nunca visto antes”. A solução dos crimes é a prioridade da SSP, ressalta ele. Os lotes de prisões chegam a 30 mandados cumpridos, em média, a cada mês.

O trabalho está criando a ideia de que a impunidade chega ao fim.

Não sei se a ideia de impunidade está acabando. O que posso afirmar é que, com persistência, estamos chegando à solução dos crimes do passado e dos atuais. Quem comete crime tem que ser responsabilizado, independente da data” – declara Lima Júnior.

Disposto, o secretário, que é coronel fechado da Polícia Militar, tirou a farda para ocupar um cargo civil. Entretanto, garante que segue pronto para o enfrentamento com a bandidagem, sejam homicidas ou traficantes.

Assim seja!

Em tempo: é hora de familiares das vítimas, que aguardam puniçaõ para os algozes há muitos anos, se mobilizarem.


Barrados nos States

18 de julho de 2017 • 2:51 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Imagem: internet

O Brasil é o terceiro país que mais tem cidadãos visitando os Estados Unidos. Perde apenas para o Canadá (1º) e o Reino Unido (2º).

Mas é também do Brasil a terceira colocação em permanência irregular, na terra do Tio Sam. Ou seja, muitos brasileiros rompem as regras e ficam tempo maior que o permitido na concessão do visto.

Segundo o advogado especializado em direito de imigração, Daniel Toledo, diretor da Consultoria paulsta Loyalty, muitos brasileiros estão sendo presos nos aeroportos americanos, e impedidos de entrar nos States, por conta de informações falsas no formulário de solicitação de visto, o tal DS-160.

“Essa conduta é denominada de delito imigratório. Infelizmente, há muitos se colocando nessa armadilha e não fazem ideia do tamanho do problema ou da dor de cabeça que esse deslize possa causar”, alerta Toledo.

Pego na mentira, e consequentemente barrado, o melhor a fazer, alerta o advogado, é correr para o primeiro telefone e avisar o Consulado do Brasil. Somente com a ajuda do Consulado será possível ter um tratamento digno, como alimentação, água e direito a usar banheiro.

É pouco? Claro que é. Mas é o que os americanos do Norte têm para oferecer!

Diante do crescente número de flagrantes, Daniel Toledo prevê que, em breve, teremos uma novidade negativa para os brasileiros.

Olha o Trump aí, geeeente!


Eles reivindicam, o povo se…!

6 de julho de 2017 • 1:01 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O Sindicato dos Rodoviários de Alagoas iniciou a discussão do reajuste salarial para este ano. A categoria pede aumento de 15% nos salários e 15% no valor do ticket-alimentação. As negociações já foram iniciadas, com previsão de mais três reuniões, a última no dia 21.

Nada demais. Uma categoria lutando por dignidade salarial.

Mas eis que o presidente do sindicato, Écio Ângelo, vai a público (programa Ministério do Povo, da Rádio Gazeta) dizer que enquanto negocia, os motoristas farão paradas nas garagens das empresas para avaliar o resultado das reuniões. Será de 25 a 28 deste mês.

Ou seja, a população vai ficar sem transporte durante essas avaliações.

“Vamos paralisar as atividades em cada empresa, em suas garagens, até o início da manhã. Na oportunidade, os rodoviários analisam a proposta e votam. Pode haver paralisação geral das atividades caso a categoria não venha a aderir à proposta empresarial”, disse o dirigente sindical.

Mais interessante ainda é o argumento dele para a reivindicação:

“Estamos pedindo a inflação mais o ganho real, porque sempre conseguimos e, agora, não será diferente”.

É só isso, e nada mais!


A cobrança de Rui ao impopular Michel Temer

3 de julho de 2017 • 11:35 am
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Rui acompanhou Temer em Maceió, junto com o governador Renan Filho

Está certíssimo o prefeito de Maceió, Rui Soares Palmeira, ao criticar o presidente Michel Temer, cobrando a ajuda que prometeu para as cidades nordestinas atingidas pelas chuvas. “O presidente veio a Maceió, fez promessa e até agora nada aconteceu!” – reclama ele, revelando que apenas com recursos próprios a Prefeitura não tem condições de reparar os estragos. Rui inclusive decidiu ir cobrar essa ajuda humanitária, que é devida aos alagoanos, em Brasília.

Mais uma pra conta do impopular Michel Temer, denunciado por corrupção.

“Vão ser liberados recursos. Para isso estamos aqui e, com o decreto de emergência já estabelecido (pelo Estado), podemos fazer isso. Os valores não temos ainda. Precisamos verificar quais os danos e o que é preciso fazer”, afirmou o impopular presidente, no final da tarde do dia 28 de maio, em reunião com autoridades alagoanos, no quartel do 59º Batalhão de Infantaria Motorizada (59º BIMtz).

Passados mais de 30 dias, nada…

Nenhum centavo chegou ao Estado!

Tudo bem que a contabilidade foi manipulada, quando se falou em 37 mil desabrigados!

Porém, independentemente da ‘traquinagem’ de alguns, cerca de 2 mil alagoanos, em cidades como Atalaia, Jacuípe, União dos Palmares, Marechal Deodoro e Murici, foram afetados pelas chuvas.

Aqui houve inundações e mortes: pessoas morreram soterradas e milhares precisaram deixar suas casas.

Assim, vale ressaltar a cobrança do prefeito Rui Soares Palmeira que, aliás, deveria ser mais dura!

“Eu chamava logo de cabra mintiroso” – reage Dilma, a faxineira aqui de casa.

Mulher, tenha calma!