Blogs

Segura o ritmo e espera lá embaixo: Lá vem ‘a’ Brasil descendo a ladeira…

5 de Fevereiro de 2018 • 8:58 am

Ocorrida há um mês, a conturbada nomeação da deputada Cristiane Brasil (PTB) para o Ministério do Trabalho, cuja posse foi suspensa pela Justiça, ainda vai render muito trabalho, nesta semana que já começou em ritmo de carnaval. E segura aí, porque, com as notícias do final de semana, a corda da balança desequilibrada que ainda tenta sustentar a pretensão da deputada de se tornar ministra, está por um triz e pode arrebentar a qualquer momento e embolar ladeira abaixo. Acusada de problemas com a Justiça do Trabalho, agora enfrenta também acusações de associação com o tráfico e prática de crime eleitoral.

Trabalho para o Governo, para os aliados, para a polícia e para a Justiça.

Por enquanto, o governo Temer persiste (não se sabe até quando) e espera o desenrolar dos fatos com a nomeação em aberto, em nome do apoio da bancada do PTB na Câmara. Afinal, são 15 votos importantíssimos nas novas provações que vai enfrentar em dias vindouros, entre elas a reforma da Previdência;

O PTB tenta se mantendo coeso no apoio ao nome da deputada para o cargo – em respeito (ou seria obediência?) à decisão do presidente nacional do partido, ex-deputado Roberto Jefferson, mas já são evidentes os sinais de divergência interna. Mesmo assim, Jefferson, embora reconheça alguns erros praticados pela filhota, na sequência de denúncias de irregularidades que pesam sobre ela, anunciou ontem, no Fantástico, sua decisão em manter a indicação e seu empenho para que a filha ‘não saia como bandida’.

Defesa difícil, mesmo para um pai, que vê, na Justiça, o trabalho se avolumar a cada dia, com novas denúncias contra a deputada, que já foi acusada de tentar burlar direitos trabalhistas e agora poderá ter que enfrentar a Justiça Comum e a Eleitoral.

As notícias divulgadas no final de semana apontam possível ligação de Cristiane Brasil com o tráfico de drogas para se dar bem em suas campanhas eleitorais. Há investigações abertas (que já teriam sido remetidas ao Supremo Tribunal Federal – STF), com base em denúncias de que ela teria se associado a líderes do tráfico, em determinadas áreas do Rio de Janeiro, num esquema que envolvia o pagamento de dinheiro pelo ‘direito’ exclusivo de fazer campanha nesses redutos. Pode ter sido mera coincidência, mas os mapas eleitorais mostram Cristiane como campeã de votos nessas regiões.

Consta, nas denúncias que o esquema envolvia a coação de líderes comunitários, que eram pressionados pelos chefões do tráfico para atuar na campanha de Cristiane Brasil – sem direito a recusa. O esquema teria vigorado na campanha de 2010, quando se elegeu vereadora do Rio de Janeiro, e teria se repetido em 2014, na campanha para a Câmara Federal.

E quem disse que isso é tudo? Tem novidade no ar. Revelado ontem, pelo Fantástico, um novo áudio onde ouve-se a voz de Cristiane Brasil (autenticidade confirmada por um perito entrevistado pela reportagem da TV Globo), fazendo pressão sobre os servidores públicos da Secretaria Especial do Envelhecimento Saudável e da Qualidade de Vida da Prefeitura municipal do Rio de Janeiro, da qual era titular em 2014, para conseguirem votos pra ela se eleger deputada federal, em troca de manterem seus empregos.

A fala da deputada dava até dicas de como pressionar familiares a votarem nela, e como usar o poder de persuasão para pressionar também as pessoas idosas assistidas pela Secretaria, a também votarem nela.

Menina trelosa… Será que ainda se sustenta? Eu não apostaria nisso…

Com o peso desse currículo, melhor sair de baixo, que a corda vai quebrar!

E possivelmente a fantasia de ministra de Cristina Brasil dificilmente resista até de carnaval.


Jaraguá Folia perdeu o charme com a mudança do percurso

3 de Fevereiro de 2018 • 9:09 am

Apesar do entusiasmo dos blocos e dos foliões que foram à praia da avenida nesta sexta-feira, 03, o Jaraguá Folia, praticamente o carnaval de Maceió, perdeu o seu charme com a mudança do percurso.

Alguém com ideia “brilhante” achou de tirar o desfile dos blocos das ruas estreitas do bairro, para colocar na via principal, da orla da praia da Avenida. Resultado a dispersão era constante.

O cenário das rua estreitas do bairro sempre deram “as prévias carnavalescas”, mais calor humano, alegria, interatividade, emoção e muito eco nos frevos tocados por diversas bandas.

Ainda assim, valem destacar algumas imagens do carnaval maceioense de ontem à noite. Confira aí:

O vazio de Jaraguá

Concentração: Filhinhos da Mamãe

Baianas no ritmo

Pauteiros pedem passagem

Tem boi na linha: tradição

Maracatu na avenida


Moro, o paladino, tem salário de R$ 34 mil

2 de Fevereiro de 2018 • 2:36 pm

O auxílio-moradia é pago indistintamente a todos os magistrados e, embora discutível, compensa a falta de reajuste dos vencimentos desde 1º de janeiro de 2015 e que, pela lei, deveriam ser anualmente reajustados” – justificativa do ‘todo digno’ juiz Sérgio Moro, ao jornal OGlobo.

Segundo o jornal, com salário-base de R$ 28.948, a remuneração bruta de Moro chega a R$ 34.210. Em dezembro de 2017, o magistrado ganhou gratificações no total de R$ 6.838, elevando o salário para R$ 41.047.

O que podem dizer, então, os servidores públicos federais, estaduais e municipais, que também não tiveram reajuste?

E os trabalhadores da iniciativa privada que, em muitas categorias, sequer tiveram a reposição da inflação?

Choquei!

O douto magistrado bem poderia pensar mais sobre a realidade dos trabalhadores brasileiros e, se não pode evitar manifestações como essa, ao menos não se pretender paladino da moralidade.

Punossasinhora, dr. Moro! Melhore!


Gasolina formulada: Fique de olho; você pode estar usando sem saber

31 de Janeiro de 2018 • 8:33 pm

Imagem ilustrativa

Você sabe o que é gasolina formulada? Não?! Tudo bem, eu também não sabia. Mas todos nós, consumidores, temos o direito de saber. O combustível, considerado um subproduto dos derivados do petróleo – e do qual se fala ser de qualidade inferior à gasolina comum – tem autorização da Agência Nacional de Petróleo (ANP) para ser comercializado nos postos de abastecimento, e talvez seu carro até já tenha sido ‘contemplado’, sem que a você tenha sido dado o direito de escolher.

Calma. O produto não é sinônimo de combustível adulterado ou ‘batizado’, como se usa para falar de misturas ilícitas para lesar o consumidor. O combustível, feito a partir de resíduos da refinaria da gasolina comum, misturados a cerca de 200 componentes químicos mais leves – para aumentar seu rendimento – até se aproxima da gasolina tradicional, e é legal, porque tem autorização da ANP para ser produzida e consumida. Mas seu uso tem que ser uma opção clara do consumidor.

Mesmo permitida a venda, e mesmo que se cobre um preço inferior à gasolina comum (nem sei se é o caso), tem que ficar claro para o consumidor que ele está comprando um combustível de qualidade inferior; ele tem o direito de ser consultado, da mesma forma que lhe é assegurada a escolha entre a gasolina comum ou aditivada. Se ele está abastecendo, sem saber que está levando um produto de qualidade inferior, mesmo que revestido de preço ‘promocional’, essa situação é lesiva. Como se diz no jargão popular, está levando gato por lebre.

O que se diz da tal gasolina formulada é que tem menor rentabilidade (cerca de 15%, comparada à gasolina comum) e que não é assim tão inofensiva como parece. Há suspeitas levantadas por alguns mecânicos que esse tipo de combustível entope os bicos injetores e com o uso prolongado pode causar danos maiores aos veículos.

Em alguns estados já foram aprovadas leis obrigando os postos a informarem se estão usando a gasolina formulada, e a oferecerem como opção (e não como imposição) ao consumidor. Sob pena de multas. E o Procon, em algumas regiões, tem agido nessa questão, para garantir a quem está pagando, o direito de saber o produto que está levando.

Portanto, é hora de jogar limpo com o consumidor, também, por essas bandas de cá.

Uma boa pauta para o Legislativo alagoano e para o nosso Procon. Né não?

Enquanto isso, vale a dica: observe o comportamento e o consumo do seu carro e pergunte, na hora de abastecer, o que você está levando: comum, aditivada ou formulada?


Desconfiado, Rui Palmeira vive dilema da candidatura ao governo

30 de Janeiro de 2018 • 9:00 am

O prefeito de Maceió, Rui Palmeira (PSDB) vive o dilema “shakeaspeariano” do seu atual momento político. Ser ou não ser candidato a governador de Alagoas é a questão.

Um amigo do bloco político do prefeito disse esta semana em uma conversa de bar que Rui anda desencantado com o trabalho na Prefeitura, mas justamente por que não pode fazer tudo o que imaginou e prometeu a população.

Por isso mesmo estaria até com vontade de largar o mandato e se candidatar a governador, para enfrentar nas urnas o ex amigo Renan Filho (PMDB), este candidato a reeleição.

Rui Palmeira: ser ou não ser?

Só que entre  a vontade e a decisão há um  caminho pedregoso e de arestas afiadas, as quais ainda não aliviaram para a manifestação entusiasmada de uma candidatura. E ele é pressionado por todos do seu grupo que têm mandato e querem manter seus postos políticos pós 2018.

Um dos que mais lhe atiça é o senador Benedito de Lira, que sonha com mais 8 anos de mandato no bem bom do Planalto.

Pela cabeça de Rui, segundo o amigo fraterno do prefeito, passa a história de que todos querem um palanque e um compromisso firmado para serem eleitos. No entanto, não há garantia de que uma vez saindo da Prefeitura para disputar as eleições esse compromisso em torno do seu próprio nome se sustente.

Ou seja, se Rui se desincompatibiliza para ser candidato a governador quem assume o comando da capital até 2020 é justamente o enteado do senador Benedito de Lira, Marcelo Palmeira, que é o vice-prefeito.

Eis, portanto, uma imensa pedra no meio do caminho. A questão que se coloca é o nível de prioridade que o vice no exercício do cargo de prefeito passará a ter no processo eleitoral. A prioridade será eleger Rui ou padrasto Biu de Lira?

Essa resposta o atual prefeito ainda não obteve. E assim, meio desconfiado e com razão, Rui Palmeira chegou a propor ao senador Benedito que forme à chapa como candidato a vice-governador, por que aí a prioridade de Marcelo Palmeira seria única.

Mas, matreiramente, Lira fugiu da conversa como o diabo fugiu da cruz.


Renan condena ‘fascismo judicial’ e quer votar abuso de autoridade

29 de Janeiro de 2018 • 8:14 am

 

Em recente discurso no Agreste alagoano, o senador Renan Calheiros (PMDB) disse que  o Brasil vive atualmente uma situação de excepcionalidade institucional, com o aviltamento do processo democrático. Segundo ele é preciso “pegar a democracia todos os dias para o bem da sociedade”.

Ele parte do princípio de que o que aconteceu com o julgamento do ex-Presidente Lula no TRF-4 representou um precedente “que não pode continuar no País. O fascismo judicial foi instituído no julgamento”.

O senador questionou o fato de um juiz de primeira instância “usurpar a competência do Supremo Tribunal Federal (STF). Por isso mesmo defende a volta imediata do projeto que pune o abuso de autoridade para todos os poderes, incluindo o judiciário.

“O Brasil só estará seguro e democrático quando essas regras estiveram prevalecendo”, destacou

Renan: situação de excepcionalidade

RF vai zerar precatórios em 2018

Na cidade de Arapiraca, o senador Renan Calheiros(PMDB) anunciou que até o final de 2018 o governador Renan Filho estará zerando todos os precatórios do governo do Estado.

Segundo ele, esta é uma meta real que está sendo possível graças ao ajuste fiscal feito pelo Estado. “O governador fez o dever de casa e hoje Alagoas é reconhecido nacionalmente pela situação estável do ponto de vista das contas públicas e pela sua organização”, declarou.

O senador destacou a construção do Gasoduto Penedo-Arapiraca que vai possibilitar a captação de novos investimentos para o município, colocando toda a região do agreste definitivamente na rota do desenvolvimento.


A reação de Rui ante a esperteza de Biu

26 de Janeiro de 2018 • 11:40 am

Benedito de Lira quer Rui candidato ao governo.
Foto: internet

O jogo político, queridos eleitores, é para “profissionais”.  Ou seja, é preciso ter estômago de avestruz para se manter vivo e ativo. O suco gástrico do avestruz é capaz de dissolver até metais!

Pois bem, ao que parece sem vontade de entrar na disputa com Renan Filho (PMDB) pelo comando político-administrativo de nosso Estado, o prefeito Rui Palmeira (PSDB) “dá uma de doido” e passa com a caravana em direção a um projeto que só ele sabe.

Usa o silêncio como arma para se esquivar dos petardos que os adversários, e os aliados, disparam em sua direção. Vejam que estratégia eficiente usou para escapar da flecha disparada pelo senador Benedito de Lira (PP), que o pressiona a se apresentar como pré-candidato.

No início deste mês, o senador afirmou que as lideranças dos partidos que dão sustentação ao prefeito (PSDB, PT, PR, DEM, PROS) vão se reunir para lançá-lo candidato ao governo de Alagoas. Segundo Lira, o lançamento da candidatura ocorrerá “independente” do prefeito estar ou não presente no encontro.

Lira disse que Rui não tem direito de dizer não.

“A candidatura do prefeito é irrecusável, inadiável… Ele não tem autoridade para dizer que não vai ser candidato”, declarou Benedito de Lira, no último dia 12, acompanhando  visita do prefeito e secretários à orla lagunar da capital.

Rui calou-se por alguns dias. Matutou pra lá, matutou pra cá e, pah… respondeu a provocação fazendo um desafio ao senador aliado.

Sugeriu que Lira seja seu candidato a vice. Como a proposta contraria os interesses do senador, que trabalha para reeleger-se a um mandato de 8 anos, Benedito mergulhou e tem evitado tratar publicamente do assunto.

Bom, seja ou não candidato ao governo, disputa que enseja um duelo com os Calheiros (Renan senador e Renan governador), o prefeito Rui Palmeira e seu grupo precisam considerar que na política é preciso saber a hora exata de tomar decisões.

Isso faz lembrar o senador Fernando Collor (PTC), que poucas vezes em sua trajetória política errou o bote! Mas isso é tema para outro comentário, né?

Por enquanto, como diria Ibrahin Sued, o pai do colunismo social brasileiro, “ademã, que eu vou em frente”!

 

 

 


Paulão diz que condenação de Lula foi golpe dos mais abastados do Brasil

25 de Janeiro de 2018 • 7:40 am

Quinta-feira, 25, o dia seguinte à condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por unanimidade no TRF-4, em Porto Alegre, chamou a atenção do deputado federal Paulão, principal líder do PT em Alagoas, pela repercussão do caso na mídia internacional, que destaca o ex-presidente como ícone da vida pública nacional.

Para o deputado a mídia internacional deixou transparecer que a votação dos desembargadores foi influenciada pelos segmentos mais abastados da sociedade brasileira, que obedecem às ordens do mercado financeiro internacional. “Isso foi retratado inclusive por Brian Winter, que é  vice presidente de Política da Americas Society/Council of the Americas e Editor Chefe da Americas Quarterly. Está nas páginas do UOL tudo que ele disse”, destacou o deputado.

Paulão: Lula é vítima do golpe.

O certo, segundo Paulão, é que os segmentos mais abastados do País fomentaram o golpe para colocar no lugar de Dilma Rousseff um presidente ilegítimo que atendesse aos interesses deles. “Para o golpe ser completo precisaria tirar Lula das eleições deste ano, por que ele é o maior  líder popular do País e está à frente de todas as pesquisas de intenções de votos, até então realizadas”. Disse.

Na opinião do deputado, independentemente da combinada condenação dos desembargadores no TRF-4, Lula vai estar nas ruas fazendo campanha e pedindo voto para Presidente da República. “A população que não concorda com a farsa montada neste caso vai apoiá-lo nas ruas sem dúvida nenhuma”, declarou.

O deputado disse ainda que não tem dúvidas de que o resultado do julgamento aprofundará ainda mais as divisões políticas na sociedade brasileira, “o que será natural em consequência do golpe


Lula no Tribunal: tudo pode acontecer, inclusive nada, mas sem prisão

24 de Janeiro de 2018 • 7:37 am

O País acordou na expectativa. De um lado os torcedores pela prisão imediata de Lula e, se possível, sem julgamento. Do outro, os que querem Lula livre, solto e apto para se candidatar às eleições deste ano, com ou sem julgamento.

O certo é que no julgamento marcado para hoje tudo pode acontecer, inclusive nada. Mas, é muito pouco provável que o ex-Presidente Luis Inácio Lula da Silva, petista maior do País, tenha sua prisão decretada. É quase certo que esse risco ele não corre, como muita gente nas redes sociais pensa.

Lula: amado e odiado

A realidade nua e crua é que qualquer que seja a decisão dos magistrados na corte do Rio Grande do Sul, os caciques petistas estão convencidos de que Lula será candidato a Presidente do Brasil com chances de vitória.

E no que se sustentam as teses do Partido dos Trabalhadores?

Primeiro: se em meio ao julgamento um juiz pedir vistas do processo esse passa a ser o melhor cenário para o ex-presidente que chegará ao dia das eleições sem uma definição do caso, graças ao ritos processuais que deverão se alongar a partir daí.

Segundo: se Lula for condenado por 2 a 1 o cenário será ruim, mas com o recurso dos chamados embargos infringentes o processo se arrastará e ainda assim ele disputará as eleições, apesar da condenação com todos os prejuízos midiáticos que lhe acompanharão.

Terceiro: se Lula for condenado por 3 a 0, a pior das decisões,  ainda assim vai disputar as eleições até que o Tribunal Superior Eleitoral decida se ele pode ou não ser candidato a Presidente da República, após todos os recursos cabíveis no caso.

Em suma. É hoje, mas não é. Na visão de juristas e especialistas

Perdendo no julgamento de hoje, ele pode recorrer ao próprio tribunal, ao STJ, ao Supremo.  Com direito de registrar candidatura entre 20 de julho a 15 de agosto.

Ou seja, por tudo que fez de certo e errado em sua história de vida e política, Lula já é um mito no País. Portanto, estará sempre entre os que o odeiam e os que o amam.

Uma coisa certa. O julgamento deste caso, em meio a um País dividido, jamais será baseado nos autos. Será, sim, puramente político.


Nova lista da Uncisal nesta terça não apaga lambança na instituição

22 de Janeiro de 2018 • 6:41 pm

A confusão estabelecida no resultado do vestibular da Uncisal depõe completamente contra a organização do concurso. A anulação do resultado proclamada nesta segunda-feira, 22, deixou perplexa a direção da instituição de ensino e colocou em cheque o nível de competência do instituto gaúcho AOCP que aplicou as provas e fez a lambança na hora de anunciar os alunos aprovados.

Em coletiva, o reitor da Uncisal, professor Henrique Costa disse que foi surpreendido com o cancelamento do resultado e anunciou que uma nova lista de aprovados será divulgada nesta terça-feira, 23.

O problema é que a emenda pode ser pior que o soneto mal escrito, por que agora está em questão a credibilidade do processo, diante da patacoada de realizadores e gestores nessa história.

Direção promete nova lista nesta terça-feira.

Eis uma questão para uma apuração mais rigorosa por parte das instituições fiscalizadoras como o Ministério Público Estadual (MPE), considerando que está em jogo o interesse público.

Não basta o reitor anunciar uma nova lista. E se os nomes anunciados na primeira resolverem questionar a segunda? É um direito.

Portanto, aí está uma história que transcende à vontade e a decisão do reitor. A sociedade vai cobrar organização, transparência e respeito nesse caso, uma vez que está em jogo a formação profissional de centenas de jovens que buscam um histórico educacional decente na academia.

Não basta uma nota pedindo desculpas a estudantes e familiares. É fundamental uma apuração rigorosa dos fatos em nome da honorabilidade da instituição alagoana.