27 de abril de 2016 • 12:50 pm

Maceió » Policia » Política

Fechamento do porto pode causar desabastecimento nos postos de combustíveis em Maceió

Aguardando diálogo com o governo, policiais civis estão no local a mais de 24 horas

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Policiais civis estão acampados em frente ao Porto de Maceió, localizado no bairro de Jaraguá, a cerca de 24 horas, o que tem impedido a entrada e saída de caminhões tanque e outras cargas e descargas. Se o bloqueio durar mais um dia, a previsão é de que possa resultar em desabastecimento dos postos de combustíveis em Maceió. Em busca de suas reivindicações, a categoria afirma que permanecerá no local até que o governador Renan Filho convoque uma reunião e apresente contrapropostas.

Após negociações, os policiais liberaram um dos portões do porto, no início da manhã de hoje para cargas que estragam com facilidade, como fertilizantes. Porém, voltaram a fechar todos os acessos – entrada e saída – ao constatarem que o bloqueio estava sendo ‘furado’ por um portão secundário na parte traseira do porto, e montaram guarda no local. Caminhões estão enfileirados nos arredores do porto, aguardando a liberação.

Policiais civis bloqueiam a entrada do porto

Policiais civis bloqueiam a entrada do porto | Foto: Fátima Almeida

Os policiais foram para o local depois de uma assembleia geral que aconteceu ontem, no Centro da capital alagoana, onde optaram por manter a greve, mesmo depois da decisão preliminar, da multa diária de R$ 5 mil, tomada pela presidência do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), na última sexta-feira, caso os policiais civis de Alagoas não retornassem às suas atividades.

A paralisação já dura 10 dias e, segundo o Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol), se alongará até que o governo apresente uma contraproposta satisfatória para a categoria.

Entre os principais tópicos da pauta de reivindicações estão o aumento do piso salarial, a revisão do Plano de Cargos, Carreiras e Subsídios (PCCS), o pagamento retroativo das progressões e o pagamento de risco de vida e insalubridade, além da melhoria das condições estruturais das delegacias e a retirada dos presos. No total, a pauta contém 23 tópicos.

Deixe o seu comentário