22 de setembro de 2016 • 12:29 pm

Saúde

HGE revela grande número de tentativas de suicídio no Estado

As mulheres são a maioria dos casos de violências autoprovocadas

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
lightstock_112369_small_seth_

Ilustração

As tentativas de suicídio representaram a segunda causa mais frequente de violência atendida pelo Hospital Geral do Estado (HGE) – 171 casos em 2014, 175 em 2015 e 85 até junho deste ano. No período de 2014 a junho de 2016, o hospital atendeu 2.496 casos de violência de notificação compulsória, sendo a primeira causa agressão física. Entre as violências autoprovocadas, a utilização de drogas e venenos são as mais incidentes.

Os dados são do Sistema de Informação de Agravo de Notificação (Sinan), disponibilizados em boletim informativo do Núcleo Hospitalar de Epidemiologia (NHE) do HGE, que ainda revelam uma maior proporção de casos no sexo feminino, tendo sido o ano de 2014 a maior diferença entre os sexos. Foram 124 mulheres e 47 homens em 2014, 105 mulheres e 70 homens em 2015 e 55 mulheres e 30 homens até junho deste ano.

Quanto às faixas etárias, em 2014, a de 30 a 39 anos, entre as mulheres, apresentou maior número de casos, seguida da faixa entre 20 e 29 anos. “Isso indica um crescimento no número de casos de suicídio na população mais adulta”, alertou a coordenadora do NHE, Alessandra Viana.

Entre os homens, a maior ocorrência tem sido no adolescente e adulto jovem, sendo 2014 o período com maior quantidade de registros na faixa etária de 20 a 29 anos; e em 2015, o crescimento foi entre os jovens de 15 a 19 anos.

“No entanto, nos dados parciais de 2016 tem-se observado que a faixa etária de 40 a 49 anos passou a ocupar o primeiro lugar, juntamente com a de 20 a 29 anos. Também percebemos o crescimento no número de casos na faixa etária superior 60 anos ao longo dos três anos”, ressaltou a coordenadora.

As drogas e os venenos estão entre os métodos para o suicídio predominantes, tendo participação em mais de 80% dos casos do sexo feminino em todos os anos. O segundo meio mais adotado pelos pacientes atendidos no HGE que atentaram contra a própria vida foram os objetos perfurocortantes.

“No caso dos perfurocortantes, as mulheres tiveram a segunda maior preferência durante os três anos, mas os homens somente em 2014, pois a partir de 2015 eles passaram a buscar o enforcamento com maior frequência, após o envenenamento”, detalhou Alessandra Viana.

A maior procedência dos casos assistidos no HGE teve origem em Maceió (284), seguido de Marechal Deodoro (15) e Paripueira (11) – no mesmo período. Outros 136 casos estão distribuídos em 42 municípios.

“Observamos ainda que à medida que a coleta de dados tem sido aprimorada, observa-se um aumento na proporção de pessoas que já tentou mais de uma vez o suicídio”, preocupou-se a coordenadora do NHE. “As informações demonstram a relevância da tentativa de suicídio enquanto problema de saúde pública e apontam para uma necessidade da construção e/ou implementação de uma rede que forneça um suporte as vítimas dessa autoagressão dentro e fora do âmbito hospitalar”, concluiu Alessandra Viana.

Deixe o seu comentário