11 de dezembro de 2015 • 9:37 am

Entretenimento

Cantotempo, o espetáculo do Coretfal, volta ao palco do Deodoro

Em cena, os 40 cantores do Coretfal querem expressar o profundo sentimento de gratidão ao público alagoano.

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone
Um show de alagoanidade.

Um show de alagoanidade.

O espetáculo  Cantotempo”, que celebra os 40 anos do Coretfal (Coral do Instituto Federal de Alagoas) e está inserido na comemoração do bicentenário de Maceió, volta ao palco do Teatro Dedoro nos dias 15 e 16 de dezwembro, a partir das 20 horas.

Cantotempo tem direção musical e regência de Fátima Menezes e direção geral e roteiro de René Guerra. A preparação vocal e os arranjos instrumentais estão sob responsabilidade de Felipe Oliveira e Bruno David, respectivamente. Isabelle Rocha cuida da preparação corporal e coreografia e Flávio Rabelo do projeto de iluminação. Mari Jatobá assina o figurino e Alex Cerqueira a maquiagem. Gal Monteiro responde pela assessoria de comunicação, enquanto os créditos de design gráfico e produção audiovisual vão para o Estúdio Atroá.SHOW 03

 e comunhão com o sagrado, com as pessoas, com a música que permeia a alma da trupe feito DNA, feito condição para existir e ser feliz. Querem falar de seus sentimentos em relação ao grupo e do tempo que passou – construindo tantas histórias, imprimindo tantas marcas nos personagens dessas narrativas.

O espetáculo reúne, no repertório, grandes nomes da MPB – Milton Nascimento e Fernando Brant (Louva-a-Deus), Gilberto Gil (Domingo no Parque), Caetano Veloso (Alguém cantando), Chico Buarque (Cio da terra), entre outros – e da música mundial como Naomi Shemer (Yerushalayim Shel Zahav) e Leonard Cohen (Hallelujah), na perspectiva de viajar no tempo, nas memórias edificadas nessas quatro décadas de atuação – não apenas no imaginário dos que passaram pelo grupo e dos que permanecem, mas no âmago do público que acompanha essa trajetória de total dedicação à música e suas derivações.

Na “mais completa tradução” dessa nova produção do Coretal, René Guerra afirma queCantotempo fala sobre “o poder da música em relação ao destino das pessoas; sobre o tempo de cantar; sobre a capacidade que o cantar em coro tem de transformar vidas; sobre o sonho de ser artista. Eu diria que é um espetáculo de celebração à vida e aos encontros proporcionados pela arte”

 

Deixe o seu comentário