28 de junho de 2017 • 10:54 am

Interior » Serviços Públicos

Caos na gestão de Arapiraca pode gerar perda do ano letivo municipal

Em 2012, o governo do PSDB também provocou a perda do ano letivo no Estado

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O ano letivo nas escolas municipais de Arapiraca deverá ser perdido neste 2017, na gestão do prefeito Rogério Teófilo (PSDB), tal como aconteceu com o Estado de Alagoas em 2012, também no governo tucano de Teotônio Vilela Filho (PSDB).

Rogério: mergulho na crise sem precedentes.

Os professores municipais estão partindo para 60 dias de greve nas escolas públicas sem que a prefeitura de Arapiraca dê respostas reais quanto à revindicação salarial da categoria.

Os servidores da educação pedem um reajuste salarial de 7,64% e o retorno do município até então tem zero por cento. Os diálogos cessaram a o prefeito Rogério Teófilo agora ameaça endurecer contra os professores municipais.

Teóofilo pediu um parecer à Procuradoria Geral do Município (PGM) sobre o corte dos salários dos grevistas e recebeu a afirmativa de que o corte deve obedecer o percentual de 70% dos dias parados.

A PGM alega que há respaldo jurídico para a medida e destaca que há jurisprudência do Supremo Tribunal Federal sobre a matéria.

Crise – Desde que asumiu, o prefeito Rogério Teófilo enfrenta uma crise sem precedentes no município, não conseguindo dar as respostas à população, sobretudo com o modo diferente de governar proposto aos eleitores durante a campanha eleitoral.

O quadro desolador da gestão de Arapiraca tem se refletido nas ruas, quando a cobrança à gestão municipal aumenta a cada dia. O prefeito, diga-se, herdou um quadro administrativo e financeiro caótico dos seus antecessores, mas foi eleito para superar as crises e fazer o município avançar. No entanto, a paralisia administrativa hoje é real.

 

Deixe o seu comentário