12 de Janeiro de 2016 • 2:49 pm

Brasil

Cerveró fez delação envolvendo Lula, Collor, Renan e FHC. Todos negam as acusações

A surpresa esta vez fica pelo envolvimento dos dois ex-presidentes da República

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone
Nestor Cerveró: delator.

Nestor Cerveró: delator.

O ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró afirmou, em delação premiada realizada em 07 de dezembro do ano passado, que o ex-presidente Lula lhe deu o cargo de diretor financeiro e de serviço da BR Distribuidora, no ano de 2008, por “reconhecimento” na quitação de um empréstimo de R$ 12 milhões. A movimentação financeira é objeto de investigação da Operação Lava Jato. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Cerveró comandou a área internacional da Petrobras entre os anos de 2003 e 2008. Na sua gestão, a Schahin Engenharia foi contratada por R$ 1,6 bilhão para operar o navio-sonda Vitória 10.000.

O “reconhecimento” de Lula a Cerveró por este “ter viabilizado a contratação da Schahin como operadora da sonda” é, segundo a reportagem, “uma forma de o PT retribuir” o empréstimo de R$ 12 milhões, tomado alguns anos antes pelo fazendeiro José Carlos Bumlai no Banco Schahin.

Por meio de nota, o Instituto Lula afirmou ao jornal que não comentará “vazamentos ilegais, seletivos e parciais que alimentam a um mercado de supostas alegações sem provas em troca de benefícios penais”.

Collor – Nestor Cerveró também afirmou que Lula e, posteriormente, a presidente Dilma Rousseff concederam “influência na BR Distribuidora” ao senador Fernando Collor (PTB-AL).

Em 2013, o ex-diretor da Petrobras destaca que foi à Casa da Dinda, residência do parlamentar alagoano em Brasília, onde Collor afirmou, após conversa com Dilma, que “a presidência e todas as diretorias da BR Distribuidora”estavam à sua disposição. A Folha não localizou os advogados e a assessoria de Collor para comentar as declarações de Cerveró.

Renan – Cerveró também afirmou que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), reclamou da “falta de repasse de propina” em 2012. Na ocasião, o delator era diretor da BR Distribuidora e alega ter dito ao peemedebista que não estava arrecadando propina. Ao saber disso, Renan afirmou, segundo Cerveró, que “a partir de então deixava de prestar apoio político”.

Em 2009, num encontro no hotel Copacabana Palace, no Rio de Janeiro, Nestor Cerveró destaca que se reuniu com o então presidente da BR Distribuidora, José Lima de Andrade Neto, disse quais os melhores caminhos para conseguir propina a Renan, ao senador Delcídio do Amaral (PT-MS) – preso há dois meses em Brasília – e a um representante do senador Fernando Collor, o ex-ministro Pedro Paulo Leoni Ramos.

De acordo com o ex-diretor da estatal, as melhores formas de se obter propina na BR Distribuidora, relatadas no encontro, são: compra de álcool, aluguel de caminhão para transportar combustível e construção de base de distribuição de combustível.

Por meio de sua assessoria, Renan negou as acusações e destacou que “já prestou as informações requeridas”.

Governo FHC – O pagamento de propina na Petrobras também atingiu o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Em depoimento, Cerveró afirma que a compra da empresa argentina PeCom, durante a gestão tucana, rendeu pagamento de propina de US$ 100 milhões ao governo brasileiro.

Essa informação está presente em documentos apreendidos com o senador Delcídio do Amaral, que já pertenceu ao PSDB e fez parte do governo tucano. No entanto, ainda não se sabe que membros do governo FHC se beneficiaram desse pagamento.

Por meio de nota, FHC destacou que “afirmações vagas” e “sem especificar pessoas envolvidas, servem apenas para confundir e não trazem elementos que permitam verificação”.

Deixe o seu comentário