24 de agosto de 2015 • 6:31 pm

Política

Collor chama Rodrigo Janot de ‘sujeitinho à toa, sem eira nem beira’

O senador diz, ainda, que o Procurador da República é uma figura ‘tosca’ e ‘fascista’.

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

O senador Fernando Collor de Melo voltou a atacar, nesta segunda-feira, 24, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, durante discurso na tribuna do Senado.

Collor chamou Janot de “figura tosca” e o acusou de “arbitrariedade” na denúncia apresentada no âmbito da Operação Lava Jato contra ele e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, por corrupção e lavagem de dinheiro.

O senador voltou a reclamar por não ter sido ouvido pelos investigadores antes de a denúncia ser entregue ao Supremo Tribunal Federal (STF). Collor também chamou Janot de “sujeitinho à toa, sem eira nem beira” e disse que o procurador-geral é um “fascista da pior extração”. “Ele está esterilizando, e ele conhece bem isso, os poderes da República que garantem a nossa democracia”, completou.

“Há meses venho denunciando o perfil dessa figura tosca de Janot. A começar pelos sucessivos vazamentos de informação que correm em segredo de Justiça. […] Até hoje sequer fui ouvido para esclarecer mentiras e embustes politicamente arquitetados pelo senhor Janot. Meu depoimento foi marcado e por duas vezes desmarcado, na véspera dos mesmos”, disse Collor

Collor e Eduardo Cunha foram denunciados na última quinta-feira, 20, por Janot por suposto envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras investigado na operação. O procurador-geral pediu a condenação dos dois sob a acusação de terem cometidos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

De acordo com as investigações, Collor teria recebido, entre 2010 e 2014, R$ 26 milhões como pagamento de propina por contratos firmados pela BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras. Mas, o senador nega ter recebido qualquer tipo de propina.

Deixe o seu comentário