17 de junho de 2015 • 6:05 pm

Economia

Com R$ 2 milhões, governo RF quer atender jovens empreendedores

Programa vai selecionar projetos de 5 mil jovens de 16 a 29 anos, que pretendam ser donos de seus negócios.

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Na propaganda, todo mundo feliz.

Na propaganda, todo mundo feliz.

O Fundo de Combate  e Erradicação da Pobreza – Fecoep – tem sido a válvula de escape atualmente para o governo Renan Filho (PMDB) atender a parte das demandas sociais. O fundo aprovou agora a liberação de R$ 2,2 milhões para implantação do programa Juventude Empreendedora de Alagoas.

O programa visa dá oportunidade ao jovem de se tornar dono do próprio negócio, ampliando as condições de crescimento da renda e realização pessoal. Na primeira etapa serão selecionados 5 mil jovens de 16 a 29 anos de todo o Estado.

Como executora do programa, a Secretaria de Estado do Trabalho e Emprego vai convidar a Secretaria de Educação e as prefeituras para envolver jovens da rede estadual de ensino e abranger pelo menos 70% dos municípios alagoanos.

“Para participar, o ensino médio tem que estar concluído, por isso, queremos estender ao estudante da rede estadual, porém o programa é aberto a qualquer jovem que se interessar. E nossa intenção é correr com o processo burocrático para que ainda este ano seja lançado o programa”, afirmou o secretário do Trabalho Rafael Brito.

Após a fase de seleção, os jovens vão participar de uma capacitação e qualificação em empreendedorismo. Em seguida, eles irão apresentar um plano de negócio de acordo com a realidade de cada um. Dez por cento desses planos de negócios serão escolhidos por uma comissão nomeada pela Secretaria do Trabalho.

“Ou seja, 500 projetos mais viáveis estarão recebendo assistência técnica através do Sebrae Empreendedor Individual – SEI  e vão receber  por parte da Desenvolve – Agência de Fomento do Estado – um aporte financeiro a partir de R$ 800 até R$ 15 mil, que seja necessário para o negócio”, explicou Rafael Brito.

Ele lembrou ainda que em outros Estados há exemplos de empreendimentos que geram de um até dez empregos diretos, como salão de cabeleireiro, barraca de feira, mercadinho, pequeno comércio de roupas, entre outros.

“Alagoas apresenta uma taxa de desemprego na faixa de 11% e por meio do programa queremos diminuir esse índice despertando nas pessoas o espírito criativo para se tornarem micros empreendedores individuais aumentando a perspectivas econômicas e sociais delas e das comunidades onde vivem”, concluiu.

Deixe o seu comentário