3 de novembro de 2015 • 7:56 am

Blogs » Pequeno Polegar

Considerado de olho na garrafa de marafo da macumba de Brasília

– Calma Mizifio, suncê tá c’uma cara de quem tomou uma garrafa de marafo.

Por: Pequeno Polegar
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

É impressionante a capacidade que tem um sujeito de entrar abruptamente em uma sala pequena já fazendo algazarra. O pior é que, por mais que se queira, ninguém consegue ficar com raiva dele. No fundo, todos se divertem com a presepada do cara.macumba

E quase sempre chega naquele momento em que todos estão na maior concentração. Cada um focado em sua tarefa de preparar a informação para o amigo internauta. Aparece estiloso, gorro preto na cabeça e, o pior, fumando um charuto peba capaz de colocar qualquer um pra correr. Assim não há alma na terra que aguente.

– Que palhaçada é essa Considerado? – Apague essa ‘mer…’ horrorosa ou desapareça daqui.

– Calma Mizifio, suncê tá c’uma cara de quem tomou uma garrafa de marafo, Mizifio…

– Tenha jeito de gente, cara… Você acha que está num terreiro de macumba pra aparecer assim?

– Eu não, mas ele sim.

– Ele quem?

Considerado não deu mais conversa e jogou uma edição do jornal o Globo sobre o bureau. Fiquei sem entender e me mandou abrir a página da coluna do jornalista Lauro Jardim.  Foi aí que caiu a ficha diante de todo o ‘misencene’ da entrada do rapaz. Ato contínuo, após a leitura da nota, veio à descontração e logo estávamos todos em gargalhadas incontidas.

– Minha nossa, será verdade isso?

-Se o jornalista do Globo está dizendo que ele fez uma macumba lá na casa de Brasília pra prejudicar o procurador Janot, ele ia mentir é?

– Não sei Considerado, mas logo agora que ele fez uma homenagem no Senado aos proprietários do O Globo?  Não sei…

– Será que baixou o espírito de Mãe Diná?

– Deixa de brincadeira cara…

– Antigamente era ela quem fazia e agora?

– Com essa coisa não se brinca…

– Mizifio eu fico imaginando a qualidade do marafo desse despacho. Deve ser dos bons.

– Eu hein, quero nem saber.

– Será mesmo que o pessoal da Policia Federal que encontrou o despacho bebeu o marafo?

Deixa de história Considerado…

– Eu ouvi dizer que teve um deles que bebeu e saiu doidinho, cantando uma musiquinha…

– Que musiquinha rapaz?

– Aquela que diz assim: – Ô meu fio do jeito que suncê tá, só o homem é quem pode te ajudar.

macumba lelê

Deixe o seu comentário