13 de Fevereiro de 2018 • 1:20 pm

Blogs » Carnaval » Pequeno Polegar

Considerado descobre que Batoré foi expulso de casa pelo Padrasto Rola Cansada

Enteado denunciou em casa que o Padrasto desfilou no bloco “Rola Cansada”

Por: Pequeno Polegar
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Considerado decidiu não cair na folia neste carnaval. Para não perder o costume foi para a casa da avó Nildinha, por que lá tem tudo à mão. Desde a cerveja gelada ao caldinho de mocotó, que ele insiste em dizer que é “diet”.

Surpreendeu-se, no entanto, na segunda-feira, 12, com umas insistentes batidas na porta da casa. Foi atender e deu de cara com Batoré, o amigo de todas as horas.

O cara estava desolado. Era a depressão personalizada. Considerado assustou-se ao ver o amigo naquele estado. Que teria acontecido? Mandou-o entrar, sentar-se e lhe ofereceu um copo da cerveja que estava bebendo. Estranhou ainda mais quando o viu a recusa inusitada do parceiro.

-O que houve amigo “Ba”? Fez-se silêncio. Batoré não estava afim de conversar. Queria apenas um lugar para ficar e espantar a tristeza.

Considerado voltou a perguntar o que estava pegando. Precisava saber por que o parceiro estava naquele estado de fossa? O amigo admitiu que estava com um problema, mas não estava para falação.

Foi aí que dona Nildinha apareceu para saber o que passava em sua casa. Batoré não teve alternativa e, com os olhos marejados, falou de uma briga que teve com o Padrasto, Dr. Duarte.

-Briga em família é natural meu filho.

-Eu sei que é dona Nildinha, mas eu não esperava por essa.

-E o que aconteceu de fato?

-Não, é que “Papi” me botou para fora de casa.

Dona Nildinha olhou para o sobrinho, abriu os braços e determinou: -Olhe resolva isso que esse seu amigo está muito sensível.

Considerado logo se arretou:

-Que porra de Papi é essa Batoré?

-Ele é meu padrasto, mas eu o trato carinhosamente.

-Pare com essa frescura e desembuche logo!

Ele contou que a razão da briga estava em um negócio de família que tomava conta e um funcionário estava querendo mandar em seu lugar. Por isso criou uma confusão de tal ordem que a família se dividiu.

Eu gerenciava tudo e agora esse cara convenceu minha irmã, sócia majoritária, que ele era melhor no comando.

-E daí se o negócio também é seu?

-Mas meu padrasto também ficou do lado do cara.

-Então você anda fazendo alguma coisa errada com aquele dinheiro do Pronatec.

-Uma porra!

-O cara não ia lhe expulsar sem razão.

– Foi quando eu disse a mamãe que ele estava com uma galega no bloco “Rola Cansada” na Barra de São Miguel, enquanto ela ficava em casa.

-E não tinha um bloquinho melhor para seu Duarte não?

-Não. Por que aquilo é um rola cansada mesmo.

-Mas sua mãe não acha…

-Pelo visto, nem minha mãe, nem minha irmã…

-Ele pega ela também?

-Ele pega a sua avó, Filho da puta!

Deixe o seu comentário