17 de setembro de 2015 • 3:28 pm

Cotidiano

Contrato da Coopeal com educação foi denunciado ao MPF

Dirigente da CUT diz que o negócio feito é semelhante a troca da Tocqueville pela BRA, na Prefeitura de Maceió

Por: Marcelo Firmino
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Izaac: denúncia no MPF.

Izaac: denúncia no MPF.

O Ministério Público Federal foi alertado pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) sobre as artimanhas da conta do transporte escolar em Alagoas, segundo nesta quinta-feita, 17, o dirigente Izaac Jackson. Ele disse que as irregularidades praticadas pelo secretário de Educação e vice-governador, Luciano Barbosa, foram informadas ao MPF, com o objetivo de uma investigação robusta.

Izaac declarou que a história da contratação da Coopeal Bus por R$ 18 milhões, sem licitação, é semelhante a história da Oscip Tocqueville, na Prefeitura de Maceió. A empresa, disse ele, pagava em dia aos seus funcionários e a pretexto da redução não comprovada de recursos, o prefeito Rui Palmeira (PSDB) desfez o contrato da Tcqueville e contratou de imediato a BRA, empresa de aliados tucanos, “que além de pagar muito mal ao pessoal ainda paga atrasado”.

O dirigente da CUT reforça que o vice-governador de Alagoas fez a mesma coisa com o contrato da cooperativa de Arapiraca, “para atender aos seus próprios interesses”. O problema, para Izaac, será o fechamento da conta que só deverá acontecer com a emissão de duplicidade de notas fiscais no encontro de contas entre Estado e municípios. Isso por que, observou, há município que transporta alunos do Estado e recebe de outras fontes.

Declarou que não tem dúvidas de Luciano Barbosa direcionou o processo de contratação da Coopeal Bus, mas que isso não garantir a melhoria da qualidade do transporte, uma vez que a cooperativa vai continuar contratando carros velhos e irregulares para atender as demandas de interesses políticos acordados com Luciano Barbosa.

Por se tratar de uma história escandalosa, o mesmo caso foi denunciado também à Policia Federal, Ministério Público Estadual, CGU e o próprio MPF pelo coordenador de um movimento intitulado “Caras Pintadas”, Raudrin de Lima.

 

Deixe o seu comentário