16 de maio de 2016 • 11:51 am

Brasil » Cultura

Corpo do cantor Cauby Peixoto será sepultado na tarde desta segunda-feira

O cantor de 85 anos morreu na noite deste domingo (15), vítima de uma pneumonia, no hospital Sancta Maggiore, onde estava internado.

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Com EGO

Será sepultado ás 16h30 desta segunda-feira (16), no cemitério de Conginhas (SP), o cantor Cauby Peixoto. Ele morreu ontem à noite, por conta de complicações em um quadro de pneumonia, na noite de ontem (15), em São Paulo. O artista tinha 85 anos e estava internado no hospital Sancta Maggiore, no Itaim Bibi, desde o último dia 9.
O velório de Cauby está sendo realizado no salão nobre da Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo.
Na página oficial de Cauby, no Facebook, foi colocado um comunicado sobre a morte do músico: “Com muita dor e pesar informamos aos amigos e fãs que nosso ídolo Cauby Peixoto acaba de falecer às 23:50 do dia 15 de maio. Foi em paz e nos deixa com eterna saudades. Pra sempre Cauby!”.

Última entrevista
Na sexta-feira, 13, foi ao ar uma entrevista que Cauby concedeu ao “Vídeo Show”, na Globo. Durante a conversa, ele aparentava estar bem de saúde e relembrou a época em que as fãs rasgavam suas roupas.

Shows cancelados

Há algum a saúde do cantor vinha dando sinais de que não estava bem. Em março de 2015, ele passou um período internado no hospital Santa Isabel, na Santa Casa de Misericórdia, na capital paulista, mas sua empresária garantiu que ele estava apenas fazendo exames de rotina.

Em setembro de 2015, Cauby chegou a cancelar um show por conta de uma gripe. Sua assessoria, na ocasião, garantiu que não era nada grave. “A gripe que anda derrubando muita gente por aí é a grande culpada pelo cancelamento do show que Cauby Peixoto faria no Teatro Rival Petrobras, neste sábado, dia 12. O cantor de 85 anos, que mora em São Paulo, não foi autorizado pelo médico a viajar com a saúde debilitada”, avisava o comunicado.

Carreira

O intérprete do clássico “Conceição” tinha 65 anos de carreira e nunca se casou ou teve filhos. Cauby Peixoto iniciou sua carreira na década de 1950. Gravou seu primeiro disco em 1951, mas começou mesmo a chamar a atenção quando conheceu Edson Collaço Veras, o Di Veras, em 1954. O empresário foi responsável pelo marketing da carreira do cantor e inventou noivados e histórias que fizessem com que ele não saísse das páginas dos jornais, além de bolar os trajes, o repertório e maneira de Cauby agir perante o público.

De acordo com o site oficial do cantor, foram 49 álbuns lançados e dezenas de sucessos, entre originais e reinterpretações, como “Conceição”, “Blue Gardênia”, “A pérola e o rubi”, “Tarde fria”, “Lábios que eu beijei”, “Solidão”, “A noiva”, “Molambo”, “É tão sublime o amor”, “Bastidores”, de Chico Buarque, e “New York, New York”, famosa na voz de Frank Sinatra.

Cauby também conquistou fama internacional. Em 1959 chegou a ser chamado de ‘Elvis Presley brasileiro’ pela revista “Time” e gravou um álbum em inglês, com nome artístico de Ron Coby. Sua música “Blue gardênia” foi tema do filme de Hollywood de igual título, que lhe abriu as portas para o estrelato. Ele também ficou conhecido na Itália, onde venceu, em 1970, o Festival de San Remo com a canção “Zíngara”.

Em 1964, abriu a famosa boate Drink, no Leme, em Copacabana, ao lado dos irmãos Moacyr, pianista; Arakén, trompetista; e Andyara, cantora; apresentando-se em seu palco por quatro anos.

Sua grande parceira de palco foi sua amiga Ângela Maria, com quem gravou três discos, “Ângela e Cauby”, “Ângela e Cauby ao vivo”, e “Reencontro”

Em 1995, Cauby  gravou pela Som Livre o CD “Cauby canta Sinatra” ao lado de grandes nomes da MPB como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Zizi Possi, e de uma estrela internacional, Dionne Warwick, interpretando clássicos da carreira do cantor norte americano.

Em 1980, Cauby grava o LP “Cauby! Cauby!”, em comemoração aos seus 25 anos de carreira. No disco, destaque para a gravação de “Bastidores”, de Chico Buarque e “Loucura”, de Joanna e Sarah Benchimol. A música título do disco foi composta especialmente para ele por Caetano Veloso e a partir de então, voltou a receber convites para se apresentar em palcos de maior prestígio.

Cauby, o mito

Ao completar 80 anos de vida e 60 de carreira, Cauby lançou seu último trabalho: um box comemorativo intitulado “Cauby, o Mito” com 3 CD’s, sendo um com músicas dos Beatles (“Caubeatles”) o segundo em conjunto com o violonista Ronaldo Rayol (“A Voz do Violão”” e o terceiro, “Cauby ao Vivo – 60 anos de música”, com registros de show captado nos dias 9 e 10 de abril/2011 ao lado de convidados como Ângela Maria, Fafá de Belém, Agnaldo Rayol, Emílio Santiago, Agnaldo Timoteo e Vânia Bastos.

Deixe o seu comentário