Cotidiano

31 de agosto de 2017

Transporte público: um martírio para a população, diz pesquisa

Segundo a pesquisa, o serviço representa o quarto maior problema da população.

18 de agosto de 2017

Carlos Moura e Jofre Soares: agora selos em homenagem a Palmeira

Selo dos Correios é comemorativo a emancipação política

16 de agosto de 2017

Liberação de recursos restabelece funcionamento da PRF em Alagoas

Por falta de verba, as rondas estavam suspensas há um mês e o funcionamento das delegacias tinha sido reduzido

8 de agosto de 2017

Cerveja x futebol. A dobradinha dos estádios está novamente liberada

PL restringe vendas a copos descartáveis com até R$ 500ml. Latas e garrafas continuam proibidas

8 de agosto de 2017

Papa Francisco parabeniza casal gay que batizou filhos na Igreja Católica

Francisco tratou a todos na carta como uma família.

5 de agosto de 2017

Novo preço: Gás de cozinha fica mais caro 6,9% a partir deste sábado

Reajuste foi anunciado ontem, às distribuidoras, pela Petrobras, e já está valendo

2 de agosto de 2017

Arsal autoriza a vistoria dos transportadores em Arapiraca

Veículos do Agreste agora não precisam vir a Maceió para as vistorias

31 de julho de 2017

Rodoviários e empresários próximos a um acordo. TRT propõe indice de 4,5%

Trabalhadores realizam assembleia nesta terça-feira, a partir das 7h30. Serviço de transporte público por meio de ônibus deve atrasar na capital alagoana

28 de julho de 2017

Coopeagre realiza ação social na comunidade São Francisco

Evento da cooperativa está marcado para este sábado, 29

De quem é esse lixo? Enquanto isso, o sujo fala do mal lavado

24 de julho de 2017 • 9:57 pm
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O tempo mudou e todos sabiam que iria mudar. Prefeitura e população realmente tem que andar de mãos dadas quando se trata de limpeza urbana, e cada um assumir a sua responsabilidade pra manter a cidade limpa. Certo que não é mais tempo de tolerância com a falta de consciência de quem sai por aí jogando lixo na rua. Mas daí a atribuir apenas à população a culpa pela sujeira que tem se acumulado em vários pontos da cidade, potencializando os danos causados pela chuva, é querer afastar do poder público a responsabilidade sobre a parte que lhe cabe – garantir a limpeza urbana, de maneira eficiente, vigilante e persistente.

Lixo por traz do Mercado – situação permanente (Foto: Fátima Almeida

Será que só a população é realmente a única culpada pelos lixões que se formam e se mantém anos a fio em terrenos baldios, sem muros, abertos em convites para despejo de resíduos? Não! Geralmente é a deficiência na coleta que leva alguém a transformar terrenos abandonados em lixões. E cabe à prefeitura, além de assegurar o serviço regular de coleta, também cobrar responsabilidade do dono do terreno abandonado; fazer cumprir a lei que o obriga a cercar a área; aplicar as sanções previstas em lei ou criar mecanismos que coíbam essa prática – quem sabe, até, a desapropriação da área abandonada para transformá-la numa praça, numa área de convivência.

Vale citar, mais uma vez, um terreno que tem por trás do Mercado da Produção (na rua Comendador Luiz Calheiros, bairro da Levada), o maior lixão na parte central de Maceió. Já denunciamos isso em inúmeras postagens, ao longo dos mais de dois anos de existência do Eassim.net, e a situação por lá continua a mesma – acredite: nenhuma providência eficaz foi tomada.

Se formos relatar, tem várias facetas que ilustram a enorme quantidade de lixo nas ruas da cidade. Os contêineres abarrotados, até funcionariam bem se houvesse assiduidade no recolhimento. Mas o próprio transbordamento desses equipamentos são exemplos de que não é bem assim.

Árvore caída no começo do mês, ainda jaz no passeio público do Conjunto Castelo Branco

E o que dizer dos entulhos e restos de árvores que obstruem calçadas, praças, e ruas durante semanas, prejudicando a circulação de carros e pedestres? Ah, tem não? Que o digam os moradores da quadra 13, do Conjunto Castelo Branco, na Jatiúca, em frente a delegacia do 2º Distrito Policial, onde uma árvore foi derrubada pelas rajadas de vento, há quase um mês – na madrugada do dia 04 de julho.

Equipes mobilizadas, árvore serrada, mas o transtorno do entulho ficaram lá, e continuam: tronco, galhos, folhas, lixo, ocupando um grande espaço do passeio público, na frente de um prédio.

Na Rua B, galhos e conteiner são o cenário do descuido

Não muito longe, paralela à Avenida Brasil, entre o Poço e a Pajuçara, a Rua B também sofre o mesmo problema, com a calçada e parte da rua obstruídas há semanas, por galhos de uma árvore e um contêiner abarrotado. Isso também é culpa da população?

Convenhamos: Admitir os próprios erros; reconhecer as próprias dificuldades é meio caminho na busca de soluções. Ficar apontando culpados só protela um problema que é de todos, sobretudo da administração pública que gerencia os recursos que pagamos para, entre outras coisas, ter uma cidade limpa.

Culpar apenas população é desviar do problema – que é real – de deficiência no recolhimento do lixo e emperrar na máxima do sujo que fala do mal lavado.