28 de abril de 2015 • 2:46 pm

Política

CPI vem a Maceió ouvir policiais envolvidos no desaparecimento de Davi

A CPI da violência contra jovens negros e pobres chega dia 18 para investigar casos alagoanos.

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
A violência contra negros e pobres é alta no país

A violência contra negros e pobres é alta no país

 

A praça da Juventude; um equipamento de inclusão

A praça da Juventude; um equipamento de inclusão

A CPI Câmara dos Deputados que apura  Violência Contra Jovens Negros e Pobres estará em Maceió no próximo dia 18 de maio e já tem dois focos de atuação. Primeiro pretende discutir o caso Davi, jovem maceioense da periferia que está desaparecido, após ter sido preso e levado em um camburão da Rádio Patrulha. Os membros da comissão parlamentar pretende inclusive tomar depoimentos dos militares que conduziram o adolescente.

Davi um menor de 12 anos desapareceu em dezembro de 2012 e até hoje o sistema de investigação policial de Alagoas não conseguiu resolver o caso. Segundo a família, Davi tinha problemas psicológicos.

O segundo foco da CPI será uma visita ao bairro do Benedito de Bentes para conhecer as áreas de tensão mapeadas pela Defesa Social e, sobretudo, a área destinada para a construção da Praça da Juventude. Isso por que o governo federal liberou mais de R$ 1,8 milhão para a Prefeitura de Maceió construir o equipamento, mas até hoje o projeto não saiu do papel por que o município não valorizou a importância da praça no processo de inclusão social e da cultura da paz. Os recursos para praça foram alocados junto ao Ministério dos Esportes pelo deputado federal Paulão (PT).

A CPI foi proposta na Câmara pelo deputado Reginaldo Lopes (PT-MG). Isso por que, segundo ele, de 60 mil homicídios anuais no Brasil, 80% têm como vítimas jovens negros. “Precisamos dar visibilidade a esse problema no País. O que está acontecendo no Brasil é um genocídio em relação aos jovens negros”, disse o parlamentar mineiro. Em função dos alarmantes índices de violência em Alagoas, a comissão decidiu realizar uma sessão em Maceió.

 

 

Deixe o seu comentário