25 de setembro de 2016 • 1:36 pm

Política

CSA e Volta Redonda disputam hoje primeiros 90 minutos da final da Série D

Sem levar gols desde a segunda fase, Azulão faz último jogo do ano no Estádio Rei Pelé; Baixas: Jerfeson e Denílson não jogam

Por: Vinicius Firmino
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Os azulinos no clima da emoção

Os azulinos no clima da emoção

Chegou o dia da última partida do ano do CSA no Estádio Rei Pelé. O que antes era motivo de tristeza, hoje não falta sensação de dever cumprido. Com o sonhado calendário conquistado até o ano de 2018, o Azulão se despede do seu torcedor, na noite deste domingo (25), às 19h, no primeiro confronto da final da Série D, contra o Volta Redonda.

O time Marujo, até o momento imbatível no Rei Pelé, sabe da importância que é não levar gol dentro de casa. Foi dessa forma que o clube garantiu a eliminação nos confrontos diretos com Parnayba, Altos, Ituano e São Bento.

“Sabemos que a equipe que tem uma defesa consistente ajuda muito. Nosso pensamento é não levar gols e fazer bom jogo lá atrás”, disse o zagueiro Leandro Cardoso.

Para o confronto de logo mais, o CSA não conta com o goleiro Jeferson, lesionado, o meia Washington, que ainda está aprimorando o condicionamento físico,  e o lateral-direito Denílson, suspenso. Seus substitutos devem ser, respectivamente, Pantera, Panda (que volta após cumprir suspensã) e Kelvin. O time alagoano deve ir a campo com Pantera; Kelvin, Leandro Souza, Leandro Cardoso e Rayro; Panda, Marcos Antônio, Didira, Bismarck e Jeferson Maranhense; Jônatas Obina.

Invicto na competição, a equipe carioca tem a vantagem do segundo jogo em casa, não poderá contar com o zagueiro Márcio Paraíba, no departamento médico por causa de uma lesão na panturrilha. Assim, o equipe titular do Voltaço é formada com Mota; Osmar, Daniel, Gilberto e Cristiano; João Cleriston, Marcelo e Marcos; Rafael Pernão, Dija Baiano e David.

Em mais uma decisão na carreira, o treinador azulino, Oliveira Canindé, não esconde a ansiedade para este primeiro jogo. “Com certeza estou ansioso e acredito que o grupo também, e esperançoso também. A união é muito grande, prevalece dentro do grupo e a dedicação para que a gente consiga realizar esse sonho. Espero que resultado venha e que tenhamos a felicidade de comemorar um título depois de tantos anos”, desejou o comandante.

O duelo será apitado pelo baiano Jaílson Macedo Freitas, que terá como assistentes Jucimar dos Santos Dias e Carlos Vidal Pereira, também da Bahia. O jogo de volta, a grande final, está marcado para acontecer próximo sábado (1º) no Estádio Raulino de Oliveira, às 21h.

Deixe o seu comentário