8 de Abril de 2016 • 11:02 am

Brasil

Datafolha diz que 60% dos deputados federais são a favor do impeachment

Governo precisa de 172 votos para vetar o impedimento de Dilma

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

O Datafolha publicou nesta sexta-feira, 08, no jornal Folha de S. Paulo mostra que 60% dos deputados federais entrevistados dizem que vão votar pelo afastamento da presidente Dilma Rousseff. A votação está prevista para o próximo dia 17 de abril. Numericamente, considerando o percentual e o 513 deputados da Câmara, o impeachment teria 308 votos favoráveis – 34 a menos dos 342 necessários para que a ação seja submetida ao Senado.

A pesquisa mostra ainda que os parlamentares que 21% dos entrevistados se declaram contra o impeachment. Este percentual representa 108 deputados, porém, a presidente precisa de 172 votos contrários ao impeachment para garantir sua permanência no poder. No Senado, 55% dos parlamentares são a favor, 24% contra e 21% não se posicionaram.

O Datafolha revelou também que, em um recorte por bancadas na Câmara, o PP tem 57% dos votos pró-impeachment e 30% indecisos. Já no PMDB, que saiu da base do governo recentemente, 59% dos deputados querem o impeachment e outros 38% não se posicionaram.

O levantamento foi realizado entre os dias 21 de março e 7 de abril. Foram entrevistados 291 deputados e 68 senadores – todos eles foram ouvidos por telefone e sem se identificar. Com relação ao último levantamento, de dezembro de 2015, houve um recuo entre os contrários ao impeachment, o percentual passou de 31% para 21%. Já o índice de indecisos caiu de 27% para 18%.

2 Comentários

  1. O PODER PELO PODER
    Joilson Gouveia*
    Além de sequazes séquitos fanáticos de Paul Joseph Goebbels, aquele “ministro das comunicações” de Adolf Hitler (que, também, fora eleito democraticamente, para chegar ao “puder”) e do seu nazifacismo de cruéis verdugos, frios carrascos e assassinos sanguinários tanto quanto daquele outro regime comunista-socialista de dissimulados, escamoteados e ludibriadores facistas e adoradores de Lênin e de Antonio Gramsci, que sempre falaram e falam em “democracia e em estado de direito ou direitos humanos” – mas, “assuma o poder sem nenhum escrúpulo” -, mas adoram, cultuam, veneram e enaltecem à evoluída, profícua e proficiente “progressista democracia cubana”, onde a “alternância de poder” se restringe aos Los Hermanos Castrista, nessas seis últimas décadas. Amam-na, mas não moram lá!
    É, pois, ela (alternância de poder) que caracteriza, identifica, marca e registra o regime democrático de uma Democracia, na qual o PODER emana do povo, pelo povo, para o povo e, sobretudo, com o povo, que é exercido por seus representantes eleitos para esse fim, conforme a vontade da esmagadora maioria do povo. Fora disso, não há se falar em Democracia. In caso, a esmagadora amioria quer seu IMPEDIMENTO.
    Ademais, não basta que sejam alternados sujeitos, indivíduos ou pessoas distintas, diferentes e diversas, mas de um único partido ou de uma única ideologia, haja vista que sua hegemonia se torna, transmuda, transmuta e se transforma numa tirania de déspotas pouco ou nada esclarecidos, que “farão o diabo para não perder eleições” e, sobretudo, para não largar o osso poderoso que roem: PODER!
    Notem bem: há desemprego de mais de dez milhões de pessoas, de trabalhadores que perderam seus empregos, aditados de outros milhões que esperam pelo seu primeiro emprego e trabalho; os juros exorbitantes, escorchantes e estratosféricos (bancários e do crediário); odiosas injustificadas majorações de impostos, tributos e taxas de contribuições e de serviços de luz, água, gás de cozinha e dos combustíveis; uma inflação acima dos dois dígitos, numa economia sem rumo, sem controle e deficitária ou negativa e decrescente com seguidos PIB’s abaixo de zero e de -3,8%; os índices sociais e IDH mais baixos que a inflação, num caos nunca visto antes e de uma inescrupulosa crise ética, política, econômica e social sem precedentes e, ainda assim, os sórdidos comunapetralhistas, “petinhas” ou “petralhinhas” escarlates todos preocupados, voltados e dedicados com o anelado retorno do célere ex-ministro “mais onesto dessepaiz”, o “asceta de prístinas virtudes”, o “virtuoso” Luís LI – The Sir LILS – “o breve”, o que foi sem nunca ter sido, ou o mais brilhante e mais bem remunerado palestrante da história mundial, cujos feitos não se acham registrados em nenhum lugar do mundo virtual ou real.
    Enfim, chegaram e estão (e não querem sair) no “puder” há mais de três lustros sem nenhuma reforma – os SEM tudo continuam SEM NADA, nesses últimos treze anos – nada criaram, nem inovaram nem reformaram ou construíram, salvo nos países de ideologias semelhantes – os “milhões que tiraram da pobreza” nunca devolveram um centavo sequer – “avalia-se um programa social pelo número de pessoas que saem dele e deixam de precisar dele” – RR – aqui são mantidas legiões de miseráveis e pobres numa escravatura famélica de verdadeiros currais eleitoreiros estomacais, via BF’s.
    Mais: Os tais PAC’s todos empacados, apenas duas obras 100% concluídas. Já são treze anos sem a decantada “Transposição do São Francisco” e as tais reformas agrárias foram suspensas pelo próprio TCU, pelas escandalosas e criminosas fraudes e desvio de finalidade e de verbas.
    A despeito disso tudo, tentam a todo custo comprar aos “indecisos e contrários” ou os favoráveis ao que chamam de GOLPE e GOLPISMO – aquilo que mais usaram de 1990 a 2002 – quando isso era “um exercício pleno de cidadania e arma do povo numa Democracia”, mas, hoje, o IMPEACHMENT passou a ser GOLPE! De onde está saindo essa dinheirama toda? Há hipocrisia, cretinice, canalhice ou patifaria igual ou maior?
    “Pior que um governo corruPTo é ver um cidadão que o defende”. Não é lícito, legítimo, decente, honrado ou honesto defender a esse “governo”. Tenho dito!
    Abr
    *JG

  2. O CHAPÉU DO POVO, OS INDECISOS E CONTRÁRIOS
    Joilson Gouveia*
    É mais que induvidoso, claro, evidente e manifesto senão patentes, flagrantes e estarrecedores todos os seus crimes de responsabilidade e, sobretudo, de lesa-pátria!
    Apenas os alienados, alienantes e alienistas escarlates retardados, indecentes e desonestos tanto quanto eLLe, eLLa e demais “cumpanhêros” renitentes, que dizem o contrário e, o que é pior, muito mais grave, acintoso quando não frontalmente ofensivo, injurioso, calunioso, difamante, inescrupuloso e criminoso, ainda pecham de GOLPE ou Golpismo, aquilo que mais fizeram de 1990 a 2002! Calhordas! Pulhas! Hipócritas!
    “Fizeram o diabo, para ganhar as eleições”, notada, notória e desbragadamente viciada, comprada, fraudulenta e “financiada” por escusos, obtusos, escabrosos e oprobriosos propinodutos e caixas-2, dinheiro espúrio, sujo e criminoso, no mais deslavado ESTELIONATO ELEITORAL, “da istória dessepaiz”, como bem admitiu o “asceta de prístinas virtudes”, ávido por foro privilegiado, que permanece cometendo crimes semelhantes ao tentarem comprar os vendilhões despudorados, desavergonhados, ignóbeis e ignominiosos feito hienas, que se refastelam e se comprazem com os restos mortais e carniças infectocontagiosas de insepultos cadáveres doutros animais.
    São canibais comensais de defuntos putrefatos, nunca representantes do povo brasileiro, mormente da população honesta, honrada, decente e de bem “dessepaiz”, onde mais de 93% do povo que pugna, apela, quer e exige que seja defenestrada do cargo, afastada do “puder”, cassada e presa, além de confiscados todos os seus bens, se amealhados por meio, modo e forma espúrias, anômalas ilícitas e ilegais. Claro!
    Urge, pois, que cada cidadão e cidadã cobre de seus respectivos “representantes” parlamentares ainda “indecisos ou contrários”, para que honrem, respeitem e cumpram com seus Deveres-Poderes de ouvirem, atentarem, atenderem e seguirem aos nossos pleitos e reclamos jurídico-político-ético-legais-constitucionais do Processo de Impedimento, afastamento e cassação de quem não o aprouve zelar, cuidar e honrar com esmerada probidade, enquanto ocupante do mais importante servidor-público na nação: Presidente da República.
    Enfim, os indecisos ainda não acordaram o quantum debeatur por seu caráter- se é que sabem seu significado, que se encerra no preço dado, aceito e recebido; os contrários já anuíram com o “valor” seus quinhões. E, ainda assim, usam do chapéu do povo, para agradar, agraciar e comprar ao inimigo do povo!
    Onde os fiscais da lei, polícias federal e estadual, promotores e procuradores que não prendem em flagrante delito ou cobram a origem dessa derrama criminosa? Cadeia neLLes, e já!
    Abr
    *JG

Deixe o seu comentário