23 de março de 2017 • 7:38 am

Blogs » Fátima Almeida » Maceió

De quem é esse lixo? Moradores do Bariloche reclamam da Prefeitura

Terreno abandonado vira criatório e berçário para o Aedes aegypti e ambiente de proliferação de ratos e baratas

Por: Fátima Almeida
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

No terreno se acumula todo tipo de lixo (Foto: cortesia)

Acho que a Prefeitura de Maceió esqueceu algo muito desagradável no Loteamento Bariloche, no bairro do Feitosa, colocando em risco a saúde da população. Eis que nos chega um recado dos moradores para a Superintendência de Limpeza Urbana do Município (Slum): para que compareça ao local a fim de   recolher o lixo esquecido em um terreno baldio, ao lado da Creche Pró Amor, próximo ao Shopping Miramar e às Lojas Americanas.

Segundo os moradores do loteamento, o terreno foi alugado pela própria Prefeitura para ser utilizado como uma central de entulhos – que até pouco tempo atrás eram recolhidos regularmente. Mas, relegada ao esquecimento, a área transformou-se num lixão, onde pessoas de várias localidades estão descartando todo tipo de resíduos, e ninguém recolhe.

Ninguém suporta mais o mau cheiro e a proliferação de insetos e roedores que começam a invadir os imóveis ao redor, inclusive a creche, cujos alimentos, segundo moradores, já foram atacados por ratos e baratas. E, em tempos de doenças mortais ou de seqüelas irreversíveis, provocadas pelo mosquito Aedes aegypt, não se concebe que o poder público feche os olhos a uma situação dessas, que se projeta aos olhos de todos, bem às margens da pista.

Ali tem pneu, catracas de móveis e eletrodomésticos, sacos de lixo comum, resto de material de construção, e não precisa dizer ao pessoal da Slum e da Prefeitura, que tudo isso é ambiente de criatório e berçário do mosquito, né?

O apelo da vizinhança é simples: Que a Prefeitura, que alugou o terreno, volte para recolher o lixo acumulado ou, se não existe mais o contrato de locação, que notifique o proprietário para murar a área e evitar a proliferação do lixão e das doenças provenientes dele. Existe lei para isso. Ou não?

O que eles pedem não é favor. É dever do poder público. A Prefeitura tem obrigação de recolher o lixo acumulado; adotar as providências para evitar o descarte indevido no local e eliminar os riscos à saúde pública.

Recado dado! Aguardando o ‘cumpra-se’.

Deixe o seu comentário