13 de abril de 2017 • 9:50 am

Brasil

Delator da Odebrecht denuncia liberação de US$ 40 milhões para Temer

A reunião para liberar a propina de Michel Temer foi no hotel Tívoli, em São Paulo.

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O ex-executivo da Odebrecht Márcio Faria afirmou em seu depoimento que o presidente Michel Temer participou, em 15 de julho de 2010, de uma reunião em que foi acertado o pagamento de US$ 40 milhões em propina relativo a um contrato da empreiteira com a Petrobras.

Michel Temer: US$ 40 milhões em propina.

Márcio Faria é 1 dos ex-dirigentes da empreiteira que fecharam acordo de delação premiada na operação Lava Jato. Leia a íntegra do relato do ex-executivo.

O encontro teria ocorrido em São Paulo, no escritório político de Michel Temer, em Alto Pinheiros, às 11h30. À época, o peemedebista era candidato a vice-presidente da República na chapa formada com Dilma Rousseff. Além de Temer, teriam participaram do encontro os ex-deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN).

e-mail-reuniao-temer

Segundo o delator, o valor de US$ 40 milhões de propina foi pedido antes da reunião pelo lobista João Augusto Henriques, em nome do PMDB. Os US$ 40 milhões correspondiam a 5% do contrato da empreiteira no âmbito do PAC SMS, programa de segurança ambiental da Petrobras em 10 países. A Odebrecht Engenharia Industrial, presidida à época por Faria, era responsável pelos contratos da área de negócios internacionais da empreiteira.

Os participantes da reunião teriam conhecimento do pedido de João Augusto Henriques. Na ocasião, os peemedebistas teriam solicitado o cumprimento de “importante contribuição para campanha política” e a “confirmação do compromisso mencionado”.

Segundo Márcio Faria, Michel Temer afirmou que qualquer problema com ela seria resolvido pelos “rapazes” (Eduardo Cunha e Henrique Alves). “Sinalizando para o colo dele, disse que os dois rapazes iam resolver os assuntos necessários de interesse do PMDB”, disse o delator.

COMPRA DO PMDB – Márcio Faria também relata que o e-mail em que recebeu com os detalhes da reunião para a formalizar o acordo dizia que o encontro serviria para a “compra do PMDB”.

OUTRO LADO -Em nota divulgada nesta 4ª feira (12.abr), a Secretaria de Comunicação Social da Presidência afirmou que Temer “jamais tratou de valores com o senhor Márcio Faria”. Também alegou que “a narrativa divulgada hoje não corresponde aos fatos e está baseada em uma mentira absoluta”.

Deixe o seu comentário