4 de fevereiro de 2016 • 12:51 pm

Bleine Oliveira » Blogs

Dengue: não é hora de comemorar!

Destacar redução no número de casos pode fazer população perder o interesse no combate ao Aedes aegypti

Por: Bleine Oliveira
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Casos de dengue em Alagoas caem mais de 31% em janeiro de 2016

Esse é o título de notícia divulgada há pouco pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesau).

Que bom, né?

Mas, será que a população vai entender que, nem por isso, ou seja, pela queda no número de casos de dengue, a situação mudou?

Meus camaradas, os problemas causados pelo Aedes aegypti, o famoso mosquito da dengue, são graves e exigem mobilização total.

O aedes que transmite a dengue é o mesmo que nos ameaça com a febre Chikungunya e com o Zika vírus, aquele da microcefalia, lembram?

São inúmeros os exemplos de como a população relaxa quando o perigo passa.

A contaminação pelo HIV é um deles. No auge da descoberta do vírus e dos casos de Aids, os cuidados chegavam às raias do preconceito.

Alguém próximo de nós que perdesse quatro quilos de peso já entrava na lista dos suspeitos.

– Será que fulano tá com AIDS? Tá tão magro!!

Uma campanha radical nos alertou para os riscos da contaminação. Diante dos cuidados, após algumas décadas o número de contaminados  se manteve estável.

Mas ao arrefecer, quando a Ciência encontrou caminhos para dar sobrevida aos infectados – o eficiente coquetel, o HIV volta a ser notícia. Os casos de AIDS estão aumentando!

O nascimento de quase 4 mil bebês com microcefalia é um alerta para todos os brasileiros. Algo assim como foi o HIV, e o ebola, que matou milhões de pessoas no continente africano.

Embora a relação entre o Zika vírus e a malformação neurológica ainda não esteja cientificamente comprovada, até mesmo a Organização Mundial de Saúde (OMS) está preocupada. Tanto que decretou situação de emergência internacional.

Para quem não sabe, principalmente mulheres em idade fértil, na microcefalia a cabeça não se desenvolve completamente, permanecendo anormalmente pequena em relação ao resto do corpo. E o mais grave, geralmente está relacionada com alguma deficiência mental.

Bom saber que os casos de dengue estão diminuindo em Alagoas.

Mas, vamos combinar, não é hora de comemorar!

 

 

Deixe o seu comentário