25 de junho de 2017 • 6:12 pm

Brasil » Política

Denúncia de Janot pode virar o quadro contra Temer, na Câmara Federal

Parlamentares de bancadas aliadas admitem que podem votar pela abertura de processo criminal contra o presidente conforme gravidade das denúncias do procurador geral da República

Por: Da Redação
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Deputado Luiz Carlos Hauly – Foto: Agência Câmara

A situação pode se complicar para o presidente Michel Temer nos próximos dias. De acordo com reportagem publicada pelo Congresso em foco, um grupo de deputados de partidos aliados já admite que pode mudar o voto e aprovar a abertura de ação contra o presidente, para apurar crimes de corrupção passiva, obstrução do trabalho da Justiça e formação de quadrilha, se for grave e contundente o conteúdo da denúncia que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deverá apresentar nos próximos dias.

Caso seja confirmado o oferecimento das denúncias contra o presidente, com base em conteúdos de gravações em delações premiadas, caberá à Câmara autorizar ou não a abertura da ação penal contra Temer.

Já se fala na possibilidade de reversão do voto nas bancadas do PSDB, PPS, DEM e PRB, que constituem a base aliada do Palácio Central. A reportagem traz vídeos com declarações de vários deputados, entre eles Luiz Carlos Hauly (PR), vice-líder do PSDB, em que ele diz que a bancada tucana vai analisar a consistência da peça do procurador-geral da República para decidir que posição tomar, e admite que a situação atual (de apoio) pode mudar.

“Vamos analisar o que ele está propondo e avaliar as provas, porque temos que ter muita segurança no que fazer. Estamos em um momento muito crítico da vida pública brasileira e temos que tomar muita cautela. Se for com provas contundentes, evidentemente muda tudo”, disse Hauly.

O PPS, que já saiu do governo, mas continua na base aliada, chegou a pedir a renúncia de Temer, mas também prefere esperar o conteúdo da denúncia do procurador para se posicionar em relação à abertura do processo de investigação. “A nossa tradição é de autorizar as investigações, desde que as denúncias tenham consistência e que permitam uma investigação séria para avaliar. Não temos como precipitar ou fazer pré-julgamentos. A situação do país é grave e a do presidente Michel Temer também. As denúncias que foram veiculadas são de uma gravidade que não se pode subestimar”, diz Jordy.

 

Deixe o seu comentário