11 de agosto de 2015 • 7:46 am

Brasil

Depois de fazer as pazes com Dilma, Renan propõe agenda para o Brasil

A agenda foi montada em três eixos: Melhoria do ambiente de negócios e infraestrutura, Equilibrio Fiscal e Proteção Social.

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Renan: de volta para aconchego palaciano.

Renan: de volta para aconchego palaciano.

Brasil – De volta as boas com a presidente d República, Dilma Rousseff, o presidente do Senado, Renan Calheiros, decidiu ajudar o governo propondo uma a elaboração de uma agenda “suprpartidária de interesse nacional “.

A discussão em torno dessa agenda foi feita com os ministros Joaquim Levy,  da Fazenda, e Nelson Barbosa, do Planejamento, Nelson Barbosa. A ideia é que o Congresso Nacional contribua com o governo na busca de soluções que apontem para a retomada do crescimento e o aumento da segurança jurídica.

A “Agenda Brasil” propõe 28 medidas para superação da crise.

“Foi uma conversa na procura de uma agenda harmônica, que aponte em direção ao futuro. É uma colaboração do Congresso Nacional, com base na isenção e independência do Congresso. Quanto mais independente, mais o Congresso vai poder colaborar com uma saída para o país”, disse Renan, na saída do encontro na residência oficial.

Renan Calheiros anunciou que vai reunir nesta semana os líderes partidários para definir as próximas votações no Senado. Entre os projetos na pauta do Plenário, está o último item do ajuste fiscal, o PLC 57/2015, que reonera a folha de pagamento de 56 setores da economia.

“Evidente que vamos apreciar todos os pontos do ajuste dentro dessa lógica da agenda. Combinamos uma reunião de líderes  nesta terça-feira, 11. A pauta da semana será consequência dessa conversa, e o ministro Levy vai dar um sinal com relação à colaboração que ele recebeu, de agenda para o país, harmônica e suprapartidária, com a isenção que sempre tivemos no Congresso”, destacou o presidente do Senado.

Renan Calheiros explicou que a agenda proposta à equipe econômica vai tratar da reforma do estado. Ele reafirmou que é imprescindível redefinir os termos da coalizão de apoio ao governo.

Renan defende a redução do número de ministérios. Para ele, a agenda tem que tratar de tudo, da reforma do Estado, da coalizão, da sustentação congressual.  Por isso incluiu no debate a sugestão de uma reforma administrativa.

Já o ministro Levy declarou que a  pauta sugerida pelo senador Renan Calheiros é a pauta do Brasil, indispensável para o País enfrentar a nova realidade econômica e superar a crise. Por ter sido a pauta proposta pelo Senado, o governo se mostra animado para retomar o bom diálogo com o Congresso.

Nesta quarta-feira, 12, Levy voltará a reunir-se com Renan Calheiros para dar as respostas sobre as prioridades do Palácio do Planalto, em torno da agenda que foi proposta. A agenda foi dividida em três setores:  1 – Melhoria do ambiente de negócios e infraestrutura. 2 – Equilíbrio Fiscal.  3 – Proteção Social.

 

Deixe o seu comentário