13 de outubro de 2017 • 6:38 am

Brasil

Depois do STF, Senado prepara votação secreta para salvar Aécio

Articulação interna está sendo feita para não expor os senadores

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Agora com o poder de decidir se afasta ou não o senador Aécio Neves (PSDB) do mandato, depois da decisão do Supremo Tribunal Federal, que transferiu ao Congresso o poder de decidir sobre medidas cautelares, como afastamento do mandato e recolhimento noturno, o Senado agora prepara uma votação secreta exatamente para o senador tucano.

Senado: articulação interna

A articulação interna está sendo feita para evitar que os senadores se exponham na v otação e sofram o desgaste na hora de votar a favor de um parlamentar flagrado num esquema de R$ 2 milhões em propinas da JBS.

“O regimento interno do Senado prevê votação secreta para deliberação sobre prisão de parlamentar. Na semana passada, a Coluna do Estadão já havia adiantado que senadores debatiam a possibilidade de tornar a votação sigilosa.

A Constituição, porém, não diz que modelo deve ser adotado. Até 2001, o artigo 53 estabelecia votação secreta – a expressão foi suprimida pela Emenda Constitucional 35.  Segundo um integrante da Mesa Diretora do Senado, a votação será como determina o regimento – ou seja, fechada”, diz o texto.

Aécio precisa de 41 votos para retomar o mandato e conta com a cumplicidade dos colegas.

No entanto, constitucionalistas defendem o voto aberto. O professor de Direito Constitucional Paulo de Tarso Neri, porém, afirmou que “a regra é a votação aberta”. “Só se permite voto secreto quando o texto expressamente diz que deve ser secreto”, disse. “Já houve votações abertas na Câmara. Por exemplo, a cassação de Eduardo Cunha. Se até a cassação, que é muito mais grave, é aberta, votação menos gravosa também tem de ser transparente.”

Deixe o seu comentário