23 de Maio de 2016 • 7:51 am

Política

Deputado cobra do governo eficácia no combate o Aedes aegypti no País

Cícero Almeida propõe plano de saneamento básico para os municípios

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

A preocupação da  Câmara dos Deputados em debater o avanço  da febre Chikungnya e do Zika Virus no País,  com as autoridades do Ministério da Saúde foi uma atitude relevante que coloca o Legislativo no verdadeiro caminho dos interesses da sociedade, segundo afirmou o deputado federal Cícero Almeida (PMDB-AL).

Cicero: plano de saneamento básico.

Cicero: plano de saneamento básico.

A Câmara, disse o parlamentar cobrou informações, em audiência pública, na quinta-feira, 19, bem como ações reais de governo para erradicar o Aedes aegypti, mosquito transmissor das doenças elencadas, bem como da Dengue.

-Nós estamos vivendo em um mundo avançado tecnologicamente e não é possível que não haja meios de controlar a reprodução desse mosquito nocivo à saúde da população – disse o deputado.

Uma das formas de controlar essa situação, segundo Cícero Almeida, é investir em saneamento básico, por que o próprio Ministério da Saúde revela que há uma correlação clara de deficiência de saneamento com a proliferação do mosquito. Diante disso, ele considera que está na hora de o governo federal lançar um Plano Nacional de Saneamento Básico para os municípios brasileiros.

Estatísticas –
Observou que o  representante do Ministério da Saúde, Rodrigo Frutuoso, informou que o órgão já notificou 1,1 milhão de casos prováveis de dengue, de janeiro a maio deste ano, com índice 1,5% superior ao mesmo período do ano passado.

“É aterrorizante você receber as estatísticas do Ministério da Saúde e perceber que de janeiro a maio deste ano houve 240 mortes por dengue confirmadas, enquanto 539 estão sob investigação. Somam-se a isso os números do Zika Virus:  foram confirmados 49.821 casos neste ano, dos quais 3,8 mil em gestantes. Houve três mortes confirmadas e 56 têm a causa em investigação. As autoridades de saúde precisam encontrar uma solução para esse mal e rapidamente”, disse o parlamentar.

Os números dos técnicos do Ministério revelaram ainda que os casos de microcefalia investigados e confirmados, desde o ano passado até agora, chegaram a 1.326 casos, com predominância no nordeste. Já em relação à febre chikungunya, o Ministério da Saúde tem mais de 15 mil casos confirmados.

 

 

Deixe o seu comentário