12 de Maio de 2015 • 8:59 pm

Cotidiano

Deputados debatem sobre fechamento de clínicas psiquiátricas

Discussão foi iniciada após o parlamentar Pastor João Luiz (DEM) denunciar o caso

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone

O deputado Pastor João Luiz (DEM) usou a tribuna da Assembleia Legislativa, nesta terça-feira, 12, para denunciar o fechamento das clínicas de tratamento de doenças mentais em Alagoas. Segundo ele, muitos pacientes estão recebendo alta sem a mínima condição de conviver com a sociedade.

Número de pacientes da Clinica de Repouso Dr. José Lopes diminuiu significamente. (Crédito: Internet)

Número de pacientes da Clinica de Repouso Dr. José Lopes diminuiu significamente. (Crédito: Internet)

O parlamentar foi informado que o problema é causado pela falta de recursos em unidades administradas pelo governo.“A Clinica Dr. José Lopes, por exemplo, que presta o serviço de tratamento há 55 anos, atendia 440 pacientes, reduziu a sua capacidade e hoje tem apenas apenas 127 pacientes”, disse.

O problema vai em direção contrária a Lei federal 10.216, que diz que é de responsabilidade do Estado o desenvolvimento da política da saúde mental, a assistência e a promoção de ação de saúde aos portadores de transtornos mentais, com a devida participação da sociedade e da família.

Em aparte, o líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Ronaldo Medeiros (PT) disse que, após contato com a secretária estadual de Saúde, Rozangela Wyszomirska, foi informado que a Organização Mundial da Saúde e o Ministério da Saúde estão orientando um novo procedimento. “Pelo que a secretária me disse, não existem mais hospitais exclusivamente psiquiátricos, nos moldes que nós temos em Alagoas. A ideia é que as pessoas não fiquem mais nestes hospitais”, declarou o líder governista.

Já o presidente da ALE, deputado Luiz Dantas (PMDB), criticou a maneira com a qual o governo estaria lidando com o problema. “Essa situação dos pacientes psiquiátricos não pode ser tratada de forma tão fria. São pessoas que têm problemas mentais e que não têm uma estrutura familiar. Precisamos mostrar mais atenção a esse problema. Vidas estão em jogo”, disse Dantas.

Na próxima terça-feira, dia 19, todas estas clínicas e familiares se reunirão com o Ministério Público para buscar uma solução.

Deixe o seu comentário