15 de agosto de 2015 • 2:16 pm

Maceió

Desembargador confere abandono do Pam Salgadinho

Desembargador ficou triste com o que viu e disse que os usuários e profissionais deveriam ter um ambiente acolhedor.

Por: Da Redação com Assessoria
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone
Desembargador se assusta com abandono do PAM.

Desembargador se assusta com abandono do PAM.

As péssimas condições de trabalho no PAM Salgadinho, principal posto de saúde da Prefeitura de Maceió, foram constatadas pelo desembargador Tutmés Airan. Ele esteve inspecionando as instalações e percebeu uma série de deficiências na estrutura do prédio.

Essa deficiências causaram uma greve dos médicos, iniciada no último dia 3. Eles denunciaram a inadequação do local para o trabalho. Disseram à Justiça que o posto foi completamente abandonado pelo prefeito Rui Palmeira (PSDB).

Na inspeção que fez, o desembargador constatou  deficiências estruturais sérias, como infiltração, eletricidade, setores médicos que poderiam prestar serviço relevante à população, mas que estão desativados, além de um ar de abandono. “Isso é muito triste porque as pessoas que vem aqui não têm plano de saúde e precisam encontrar um ambiente mais acolhedor”. Disse Tutmés.

“Eu vim aqui avaliar como funciona o PAM, quais são suas deficiências mais evidentes, quais são as dificuldades mais recorrentes. Mais do que constatar se há ou não condições dignas de trabalho, precisamos encontrar alternativas para que juntos os médicos, a gestão da saúde pública em Maceió e o próprio Judiciário alagoano possam resolver esse conflito e avançar no sentido de oferecer um serviço melhor à comunidade”, declarou.

O médico urologista Rogério César Correia Bernardo, que acompanhou o desembargador durante a visita, ao lado da diretora da unidade, Lilian de Carvalho Espíndola, e o diretor administrativo, César de Oliveira, disse estar satisfeito com a atitude do magistrado e que a acredita na solução do conflito com a Prefeitura de Maceió, que pediu no tribunal a decretação da ilegalidade da greve.

 

Deixe o seu comentário