7 de setembro de 2015 • 7:38 pm

Brasil

Dilma admite erros do governo e acredita em superação das dificuldades

Presidente disse que os problemas também vieram de fora.

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Dilma: luta no cargo.

Dilma: erros cometidos.

Durante seu pronunciamento em alusão do Dia da Independência, nesta segunda-feira (7), a presidente Dilma Rousseff reconheceu dificuldades e a “possibilidades” de erros em sua gestão. A mensagem presidencial foi divulgada por meio das redes sociais. Assim como ocorreu no dia 1º de maio, Dilma evitou falar em cadeia de rádio e TV com receio de “panelaços” contra o governo federal

“Se cometemos erros, e isso é possível, vamos superá-los e seguir em frente”, resumiu Dilma e, em seguida, ela pediu união e superação das diferenças pelo bem do país. “Devemos, nessa hora, estar acima das diferenças menores, colocando em segundo plano os interesses individuais ou partidários”, declarou. Ela disse ainda que nenhuma dificuldade a fará abrir mão da “alma e do caráter” de seu governo, que é a criação de oportunidades iguais para a população.

A presidente voltou a dizer que o país irá superar a crise interna pela qual atravessa. “Sei que é minha responsabilidade apresentar caminhos e soluções para fazer a travessia que deve ser feita”, declarou. Para Dilma, as dificuldades e os desafios econômicos “resultam de um longo período em que o governo entendeu que deveria gastar o que fosse preciso para garantir o emprego e a renda do trabalhador, a continuidade dos investimentos e dos programas sociais”.

Ela ressaltou que os problemas no Brasil também devem ser atribuídos à crise econômica externa. “Nossos problemas também vieram lá de fora e ninguém que seja honesto pode negar isso. Está visível que a situação em muitas partes do mundo voltou a se agravar”, afirmou. Dilma disse que “países importantes, parceiros do Brasil, tiveram seu crescimento reduzido”. Segundo a presidente, alguns remédios para a situação atual podem ser “amargos”, mas são “indispensáveis”. “As medidas que estamos tomando são necessárias para pôr a casa em ordem e reduzir a inflação, por exemplo”, declarou.

 

Deixe o seu comentário