23 de abril de 2015 • 8:23 pm

Blogs » Marcelo Firmino

Dilma e Cunha jantam a sós e Renan fica na bronca. É o racha no PMDB

Renan Calheiros e Eduardo Cunha protagonizam uma boa briga dentro do PMDB. É a briga dos poderosos que costumam valorizar a própria vaidade.

Por: Marcelo Firmino
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

– Pau que dá em Chico, dá em Francisco.

Quem disse foi o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB) depois que o senador Renan Calheiros, presidente do Senado, ameaçou engavetar o projeto da tercerização aprovado na quarta-feira, 22, pelos deputados federais.

Eis aí, portanto, uma boa briga de dois caciques de um mesmo partido, ambos poderosos e que costumam valorizar a própria vaidade. Claro que a colocação é apenas um detalhe. O pano de fundo da questão é mesmo político. A terceirização atenta contra interesses específicos das classes trabalhadoras e, neste caso, o presidente do Senado não quer briga.

Por discordar da terceirização, o senador quer analisar a matéria com “maturidade”. Isso dito de viva voz remete a uma provocação aos deputados. Teriam eles cometido uma pixotada?

Se é assim tocou nos calos do vaidosíssimo Eduardo Cunha. O troco seria impedir a validação dos beneficios tributários que o Senado aprovou e depende agora da validação da Câmara. Essa matéria beneficia diretamente Estados que querem atrair investidores, como é o caso de Alagoas.

Para piorar a conversa, a Presidente Dilma Rousseff, ainda meio perdida em sua articulação política, convida Eduardo Cunha para um jantar a sós. Epa!

Isso pode virar samba no Planalto.

Óbvio que o convite não agradou a Renan Calheiros. Se Dilma for tentar apaziguar os ânimos dos aliados está tudo muito bem. Agora se for apenas se aproveitar do momento para mover pedras no tabuleiro do Legislativo, é bem possível que tenhamos aí uma nova edição do samba do crioulo doido.

Mas, se o jantar for à luz de velas… Deixa pra lá.

 

Deixe o seu comentário