28 de novembro de 2016 • 7:41 am

Blogs » Marcelo Firmino

Do Brasil corrupto ao abuso de autoridade há uma linha tênue

A Operação Lava Jato tem que continuar, mas o abuso de autoridade deve ser contido

Por: Marcelo Firmino
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Há toda uma polêmica sobre o projeto do Senado que trata do abuso de autoridade. Juízes, promotores e muita gente mais, hoje, alardeiam que a ideia do projeto é barrar a Operação Lava Jato. É possível.

Embora, a manobra para barrar a operação se deu exatamente quando uma horda política sequiosa pelo poder arrancou do Planalto uma presidente eleita legitimamente e colocou em seu lugar o vice que tramou a derrocada. O feito foi comemorado e o Brasil continua indo de mal a pior.

É crise sobre crise e todas de foco político, quase sempre envolvendo o caráter dúbio das autoridades e o comportamento aético no exercício de suas funções . E assim a crise política vai ofuscando a crise econômica.

Está provado que nossos governantes e todo o entorno não representam santidade nenhuma. Usam e abusam do poder em benefício próprio, com base em lastros políticos de concepção liberal, que bem lhes parece um mantra para navegarem no jogo sujo.

Faz-se o discurso do estado mínimo para se justificar atos contrários aos direitos democráticos e sociais, como se o neoliberalismo fosse a mais perfeita e acabada das instituições culturais. Em meio a tudo isso, as injustiças proliferam e o direito é vilipendiado.

No cenário da injustiças, as autoridades da área abusam e por diversas razões. Pelos interesses em jogo, pela natureza do caráter e pelo descompromisso social. Não é via de regra, mas isso é fato.

Imagine que a Operação Lava Jato prendeu meio mundo de gente, usou algemas, chamou a televisão, expôs homens e mulheres presos como corruptos contumazes e agora a própria Procuradoria Geral da República, do senhor Rodrigo Janot, e a Polícia Federal pedem o arquivamento de 10 processos de investigação “por falta de provas”.

Ora, se não havia provas por que prenderam as pessoas desses processos? É aquela velha história: é muito tênue a linha da força a injustiça.

O fato é que há muita gente querendo legitimar a inquisição no País, para atender a interesses bem específicos. Há muita gente querendo navegar nas luzes e flashes da grande mídia como “salvadores de uma pátria” carcomida pelos políticos corruptos. No entanto, não há uma instituição sequer no País que esteja livre desse mal. Os poderes são corruptos.

Em sendo assim não há razão para privilégios de nenhuma parte.  Legislativo, Judiciário e Executivo. Todos deveriam ser iguais perante a lei, como qualquer mortal.

A Operação Lava Jato deve continuar, como qualquer outra que se propronha a colocar os pingos “is” e passar a limpo o País. Mas, o abuso costumeiro das autoridades deve ser contido sim. Afinal, ninguém deveria estar acima da lei.

E se assim tiver que ser, que se instaure logo a monarquia no Brasil, para que tudo seja em nome do Rei.

 

 

 

Deixe o seu comentário