18 de julho de 2015 • 8:58 am

Política

Eduardo Cunha libera requerimentos para a cassação do mandato de Dilma

Cunha inicia assim sua vingança pessoal contra Dilma por ter sido denunciado na operação Lava Jato, como um dos beneficiados no esquema Petrobrás.

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page
Cunha:liberando para o impeachment.

Cunha:liberando para o impeachment.

Segundo levantamento feito com exclusividade pelo portal Congresso em foco, um após anunciar rompimento pessoal com o governo, o  presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), despachou na sexta-feira , 17, exatamente  11 pedidos de atualização de impeachment já apresentados à Secretaria Geral da Mesa contra a presidente Dilma Rousseff.

Um dos protocolos foi feito pelo deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), e os demais partiram de cidadãos de diversas localidades do país .

A informação foi obtida junto à Secretaria Geral da Mesa da Câmara, onde os nomes dos autores dos ofícios foram protocolados. Os 11 ofícios são idênticos, e dão prazo de dez dias para que os respectivos signatários atualizem os documentos. Segundo a SGM, o fato de Cunha ter sugerido “emendamento” é apenas o cumprimento de uma exigência regimental.

O deputado Bolsonaro formalizou em março o pedido de cassação de Dilma. Na argumentação do requerimento, o parlamentar fluminense acusou a presidenta de ter responsabilidade nos desmandos praticados na Petrobras e desvendados pela Operação Lava Jato, investigação que tem Cunha entre os alvos.

“Fica Vossa Excelência notificado para, no prazo de 10 (dez) dias, emendar a denúncia referida em epígrafe, adequando-a aos requisitos da Lei n. 1079/1950 e do Regimento Interno da Câmara dos Deputados”, notifica Cunha, no ofício encaminhado a Bolsonaro e aos demais cidadãos, obviamente alterado o pronome de tratamento para os outros 11 subscritores.

A Secretaria explica que, embora já tenham sido admitidos como demanda formal prevista em lei, os pedidos apresentaram algum tipo inadequação (formal, material, de conteúdo etc) que precisa ser reparada. Só depois dessa atualização os documentos podem tramitar. Depois das respostas dos autores, o departamento competente da Câmara fará a devida análise jurídica e regimental de cada peça, para então submeter pareceres individuais a Eduardo Cunha. A partir daí, caberá ao mais novo oposicionista do Congresso decidir se dá prosseguimento aos processos.

A reportagem tentou obter cópias dos protocolos de impeachment e dos ofícios despachados por Eduardo Cunha, mas a SGM explicou que não pode fornecê-las em plena execução dos procedimentos burocráticos. Mas, em tese, qualquer cidadão pode solicitar ao órgão da Câmara acesso aos documentos, com base na Lei de Acesso à Informação.

Uma das razões para a quase nula publicidade a respeito dos pedidos de impeachment é a própria natureza das proposições: como não são projetos legislativos, elas deixam de ser inseridas como tal nos arquivos virtuais da Câmara, onde a tramitação de pedidos de impeachment tem início. Assim, ficam materialmente restritas ao departamento de arquivos da Secretaria-Geral da Mesa (SGM), que faz o registro virtual apenas em rede interna.

Além de Bolsonaro, assinam requerimentos de abertura de processo de impedimento presidencial os cidadãos Walter Marcelo dos Santos (dois pedidos apresentados, por motivos diferentes); Marcelo Pereira Lima; Carolina Cristina Crestani; Pedro Geraldo Cancian; Lagomarcino Gomes; Marcelo Cleiton Leite Borba; Adolfo Sashsida; Rafael Francisco Carvalho; Luiz Adrian de Moraes Paz e Caio Belloti Delgado Marczuk (assinam o mesmo pedido); e Carla Zambelli, líder do movimento NasRuas – Mobilização.

 

 

Deixe o seu comentário