7 de julho de 2016 • 6:11 pm

Brasil » Política

Eleição para presidência da Câmara reúne 3 apoiadores de Temer

A expectativa é que eles façam um acordo para dirigir a casa em apoio ao governo

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

O presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), anunciou  a realização de novas eleições para o comando da Casa, depois de confirmada a renúncia do deputado afastado, Eduardo Cunha (PMD-RJ).

A escolha para o posto principal, que dá ao titular a prerrogativa de ser o segundo na sucessão presidencial, será realizada na próxima quinta-feira (14).

Plenário da Câmara.

Cãmara: eleição dia 14

Hoje três nomes reúnem a maior preferência dos deputados para a sucessão de Eduardo Cunha. São eles Rogério Rosso (PSD-DF), Heráclito Fortes (PSB-PI) e Rodrigo Maia (DEM-RJ). Os três já vinham se posicionando como candidatos a presidência e todos pressionando Temer a decidir a questão.

Rosso, no entanto, é o preferido de Eduardo Cunha. Tem o apoio do chamado “centrão”, composto por partidos mais conservadores e fisiológicos como seu próprio PSD, PTB, PR e PRB, entre outros nanicos na Câmara. Cunha teria discutido sua renúncia com o vice-presidente em exercício Michel Temer no penúltimo domingo, quando tentou vender o nome de Rosso. Ele, entretanto, tem uma ferida política na biografia. Foi alvo da Operação Caixa de Pandora, que desbaratou esquema de propinas para políticos do Distrito Federal.

Heráclito Fortes tem apoio de seu partido, o PSB, de parte do PSDB, do PPS, do DEM e outras siglas. Foi um ativo articulador da autorização do impeachment na Câmara e é um dos deputados mais antigos no Congresso, tendo sido senador e governador do Piauí. Ele divide votos dos mesmos partidos com Rodrigo Maia, do Democratas. Os três, de todo modo, são aliados de Temer, sendo que Heráclito, mais próximo dos tucanos, tende a ser mais independente. Maia é do Rio, mesmo estado de Cunha, e tem relações mais próximas com ele.

Os cerca de 130 votos da oposição podem ser decisivos na eleição que pode ocorrer ainda na semana que vem, que muito possivelmente terá segundo turno. Será vencedor o que obtiver a maioria absoluta, metade mais um, ou 257 votos.

Deixe o seu comentário


Publicidade