5 de abril de 2016 • 6:27 pm

Brasil

Eleições gerais este ano: Renan sinaliza que pode apoiar essa Emenda

Segundo o senador, se a classe politica não tem solução para a crise a PEC das eleições é uma boa alternativa

Por: Da Redação
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

A ideia, inicialmente, surgiu com o ex-petista Wladimir Palmeira. Ele escreveu um artigo há 40 dias na imprensa carioca propondo eleições gerais no País para acabar com a crise política.

Levou um tempo para que lideres politicos nacionais percebessem os fundamentos da proposta do ex-dirigente do PT. A Rede Sustentável, de Marina Silva, surgiu no fim de semana passado com a mesma proposta e agora lideres do PMDB já encampam a tese, na esperança se resolver a crise política em que o País mergulhou.

Nesta reportagem de Eduardo Miranda, do Jornal do Brasil, a ideia toma corpo com o posicionamento do presidente do Senado, Senador Renan Calheiros. A íntegra do texto a seguir:

– O presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), está propenso a apoiar a Emenda Constitucional que prevê a realização de eleições gerais neste ano. Em conversas com aliados nesta terça-feira (5), Renan disse que “se a classe política não encontrar soluções para a crise, a emenda é uma boa alternativa”.

Renan Calheiros: uma alternativa

Renan Calheiros: uma alternativa

Nas mesmas conversas, o senador peemedebista disse que o Congresso Nacional também não pode recusar o debate sobre o sistema de governo. O Supremo Tribunal Federal (STF) julga nos próximos dias se o Legislativo pode ou não mudar o sistema de governo por uma Emenda Constitucional.

Em discurso no plenário do Senado, nesta segunda-feira, 04, o senador Valdir Raupp (PMDB-RO) disse que o vice-presidente Michel Temer revelou a ele que não gostaria de assumir ogoverno com a atual conjuntura política e econômica, em eventual impeachment da presidente Dilma Rousseff.

“Michel Temer me ligou há uma semana dizendo ‘Raupp, eu não quero ser presidente da República em uma situação dessas’. Repito, ele disse ‘Raupp, eu não quero ser presidente numa situação dessas porque, com impeachment ou sem impeachment, isso não vai acabar bem’”.

3 Comentários

  1. NOVAS ELEIÇÕES DE VELHAS AVES DE RAPINAS OU ASTUTAS RAPOSAS E DE LOBOS VORAZES DE SEMPRE!
    Joilson Gouveia*
    Desesperados, cientes, ciosos e convictos de que estão na iminência de imediata defenestração do “puder” – aonde chegaram e já estão há quase três lustros e nada fizeram, ciaram, inovaram, reformaram, investiram ou construíram “nessepaiz”- eis que um genial, iluminado e perleúdo assinala, sinaliza e busca a salvação mediante Proposta de Emenda à Constituição – PEC de “novas eleições” de velhacas aves de rapinas ou astutas raposas ou dos mesmos de sempre, numa célere “VOTAÇÃO DIGITAL”, naquelas mesmas “invulneráveis, intangíveis, inatacáveis, invioláveis e imaculadas URNAS ELETRÔNICAS”! Pasmem!
    E, por que tudo isso? Todos estardalhaços, celeumas, imbróglios, busílis e brilhante açodada, incontinenti, urgente e imediata “solução”? Simples: porque, em face do pugnado, pleiteado e protocolizado do Processo de IMPEDIMENTO, AFASTAMENTO, CASSAÇÃO e eventual PRISÃO, que segue seu normal rito, rumo e curso, mediante o ministrado, apropriado, adequado, devido, urgente e prescrito senão já tardio remedium juris ético-jurídico-político-democrático de que dispõe o soberano povo – FATOR REAL DE PODER – nas sociedades cidadãs, urbanas, civilizadas, politizadas e democráticas, aquelas que vivem num país ou nação que se diz ou pretende ser um Estado Democrático, Humanitário e de Direito, institucionalizado na Carta Cidadã de 1988, um Direito-Garantia do indivíduo, pessoa, sujeito, homem, cidadão e eleitor, dentre seus Fundamentais Direitos Civis e Políticos.
    Os iluminados olvidam premissas, preceitos e princípios fundamentais constitucionais de cernes pétreos, espezinham, desdenham, atropelam e menoscabam parâmetros, limites e liames legais, constitucionais e infraconstitucionais mediante PEC’s MP’ e decretos que exorbitam, agridem e ofendem ostensiva, clara, pública e transgressivamente, para mantença do Status Quo Ante.
    O escopo, objetivo e finalidade é o mesmo de sempre: para não arredar pé do “puder, nem perder suas benesses, mordomias, sinecuras enquanto comensais perdulários do Erário.
    Daí o engodo, ardil e logro de plesbicito sobre isso ou referendum sobre aquilo ou eleições diretas urgentes, para escolha dos mesmos ditos cujos carcarás sanguinolentos vendilhões ou mercadores de mandatos “outorgados” pelo povo, que os põe, mas não os depõem! Notem que não propõem nada disso para os afastar e os defenestrar de seus cargos, em casos que tais, mormente em flagrantes, incontestes e comprovados delitos ou malfeitos de malversação do Erário, improbidade administrativa ou crimes de responsabilidade e de lesa-pátria, de evasão de divisas e de riquezas ou enriquecimento ilícito ou ilegal em face do famigerado, ignominioso, perverso e odioso “foro privilegiado de função”.
    Um verdadeiro escudo protetor ou MANTO DE IMPUNIDADE, que, ainda tem, como ultima ratio ou trincheira alguns togados escarlates “totalmente acovardados” e decretados indultos de comutação ou de PERDÃO de condenados, que foram processados, julgados e condenados pela própria Justiça; enquanto os demais mortais apodrecem nas masmorras sem quase nenhuma revisão criminal!
    Já dissemos, repetimos, questionamos e reiteramos, a saber:
    As mesmas urnas digitais eletrônicas -, que dizem ser imaculadas, invioláveis e invulneráveis (do que duvido e não acredito e reitero o desafio de provarem que houve lisura, transparência, legal e legítima vitória da atual presidentA), – poderiam ser usadas para o sim ou o não, para o “fica” ou o “sai”, mas desde que, óbvia, clara e evidentemente, o voto seja impresso, manifesto, palpável, contável, concreto e real, para que seja computado, contado e recontado, para dirimir quaisquer dúvidas por ventura existentes. Vide mais sobre o tema, a saber:
    a) http://gouveiacel.blogspot.com.br/2013/06/poder-emana-do-povo-e-em-seu-nome-sera.html;
    b) http://gouveiacel.blogspot.com.br/2015/10/todo-poder-emana-do-povo-sera.html, e;
    c) http://gouveiacel.blogspot.com.br/2015/03/desdenham-ou-brincam-ou-olvidam-aos.html.
    Enfim, já que tudo “nessepaiz” se resolve com urgentes “eleições diretas”, que tal eleições diretas para impedimento, afastamento e cassação de chefes de executivos e de parlamentares desidiosos, ímprobos, inescrupulosos e criminosos pública, notória, ostensiva, notada e transparentemente sabido, ressabido e consabido de todos e imprensa em geral, além de célere, eficiente, producente, iria economizar tempo e dinheiro dos contribuintes; ou não?
    Abr
    *JG

  2. NOVAS ELEIÇÕES DE VELHAS AVES DE RAPINAS OU ASTUTAS RAPOSAS E DE LOBOS VORAZES DE SEMPRE!
    Joilson Gouveia*
    Desesperados, cientes, ciosos e convictos de que estão na iminência de imediata defenestração do “puder” – aonde chegaram e já estão há quase três lustros e nada fizeram, ciaram, inovaram, reformaram, investiram ou construíram “nessepaiz”- eis que um genial, iluminado e perleúdo assinala, sinaliza e busca a salvação mediante Proposta de Emenda à Constituição – PEC de “novas eleições” de velhacas aves de rapinas ou astutas raposas ou dos mesmos de sempre, numa célere “VOTAÇÃO DIGITAL”, naquelas mesmas “invulneráveis, intangíveis, inatacáveis, invioláveis e imaculadas URNAS ELETRÔNICAS”! Pasmem!
    E, por que tudo isso? Todos estardalhaços, celeumas, imbróglios, busílis e brilhante açodada, incontinenti, urgente e imediata “solução”? Simples: porque, em face do pugnado, pleiteado e protocolizado do Processo de IMPEDIMENTO, AFASTAMENTO, CASSAÇÃO e eventual PRISÃO, que segue seu normal rito, rumo e curso, mediante o ministrado, apropriado, adequado, devido, urgente e prescrito senão já tardio remedium juris ético-jurídico-político-democrático de que dispõe o soberano povo – FATOR REAL DE PODER – nas sociedades cidadãs, urbanas, civilizadas, politizadas e democráticas, aquelas que vivem num país ou nação que se diz ou pretende ser um Estado Democrático, Humanitário e de Direito, institucionalizado na Carta Cidadã de 1988, um Direito-Garantia do indivíduo, pessoa, sujeito, homem, cidadão e eleitor, dentre seus Fundamentais Direitos Civis e Políticos.
    Os iluminados olvidam premissas, preceitos e princípios fundamentais constitucionais de cernes pétreos, espezinham, desdenham, atropelam e menoscabam parâmetros, limites e liames legais, constitucionais e infraconstitucionais mediante PEC’s MP’ e decretos que exorbitam, agridem e ofendem ostensiva, clara, pública e transgressivamente, para mantença do Status Quo Ante.
    O escopo, objetivo e finalidade é o mesmo de sempre: para não arredar pé do “puder, nem perder suas benesses, mordomias, sinecuras enquanto comensais perdulários do Erário.
    Daí o engodo, ardil e logro de plesbicito sobre isso ou referendum sobre aquilo ou eleições diretas urgentes, para escolha dos mesmos ditos cujos carcarás sanguinolentos vendilhões ou mercadores de mandatos “outorgados” pelo povo, que os põe, mas não os depõem! Notem que não propõem nada disso para os afastar e os defenestrar de seus cargos, em casos que tais, mormente em flagrantes, incontestes e comprovados delitos ou malfeitos de malversação do Erário, improbidade administrativa ou crimes de responsabilidade e de lesa-pátria, de evasão de divisas e de riquezas ou enriquecimento ilícito ou ilegal em face do famigerado, ignominioso, perverso e odioso “foro privilegiado de função”.
    Um verdadeiro escudo protetor ou MANTO DE IMPUNIDADE, que, ainda tem, como ultima ratio ou trincheira alguns togados escarlates “totalmente acovardados” e decretados indultos de comutação ou de PERDÃO de condenados, que foram processados, julgados e condenados pela própria Justiça; enquanto os demais mortais apodrecem nas masmorras sem quase nenhuma revisão criminal!
    Já dissemos, repetimos, questionamos e reiteramos, a saber:
    As mesmas urnas digitais eletrônicas -, que dizem ser imaculadas, invioláveis e invulneráveis (do que duvido e não acredito e reitero o desafio de provarem que houve lisura, transparência, legal e legítima vitória da atual presidentA), – poderiam ser usadas para o sim ou o não, para o “fica” ou o “sai”, mas desde que, óbvia, clara e evidentemente, o voto seja impresso, manifesto, palpável, contável, concreto e real, para que seja computado, contado e recontado, para dirimir quaisquer dúvidas por ventura existentes. Vide mais sobre o tema, a saber:
    a) http://gouveiacel.blogspot.com.br/2013/06/poder-emana-do-povo-e-em-seu-nome-sera.html;
    b) http://gouveiacel.blogspot.com.br/2015/10/todo-poder-emana-do-povo-sera.html, e;
    c) http://gouveiacel.blogspot.com.br/2015/03/desdenham-ou-brincam-ou-olvidam-aos.html.
    Enfim, já que tudo “nessepazi” se resolve com urgentes “eleições diretas”, que tal eleições diretas para impedimento, afastamento e cassação de chefes de executivos e de parlamentares desidiosos, ímprobos, inescrupulosos e criminosos pública, notória, ostensiva notada e transparentemente, além de célere, eficiente, producente, ira economizar tempo e dinheiro dos contribuintes; ou não?
    Abr
    *JG

  3. A PANACEIA DA PEC DAS ELEIÇÕES GERAIS
    Joilson Gouveia*
    Quais os objetos, objetivos, interesses, finalidades, motivos e razões ou premissas e prioridades da Proposta de Emenda Constitucional, que sinaliza, sugere e propõe ELEIÇÕES GERAIS, para outubro deste ano juntamente com as eleições municipais?
    O que há de bom, legal, legítimo, válido e salutar (e para quem) nessa “iluminada”, genial, brilhante e salvadora panaceia, que poria FIM, cabo e termo na atual crise conjuntural política-ética-econômica-jurídica-fiscal-financeira?
    De plano, de pronto e de logo, buscam seus “iluminados autores” desviar o foco do mais anelado, querido e exigido Processo de Impeachment, ora em curso na competente COMISSÃO ESPECIAL DA CÂMARA, do Congresso Nacional, instituição legítima para feitos que tais, representativa da vontade seu POVO, que protesta, pugna, anela, exige e quer vê-la defenestrada do Poder: IMPEDIDA, AFASTADA, CASSADA e PRESA, consoante imperativo legal-constitucional; além de confiscados todos os seus bens, dês que amealhados de modo anômalo, espúrio, ilícito, ilegítimo e ilegal; claro!.
    E, desse modo e assim, tal PEC tem por viso, objeto, objetivo e finalidade precípua tentar dar cabo, termo, fim e barrar o IMPEACHMENT – que hoje eLLes chamam de GOLPE, aquilo que nunca fora quando pugnado, protocolizado e proposto por eLLes mesmos, de 1990 a 2002, em seus 50 pleitos de Impeachment! Acessem aos Anais do Congresso Nacional, caso duvidem!
    Por secundário, desviando, barrando ou cessando o foco do IMPEACHMENT, é maneira transversa, oblíqua, indireta e dissimuladamente para estagnar, fulminar, extinguir e vetar o andamento da OPERAÇÃO LAVA-JATO, mormente da fase CARBONO 14, que poderá trazer à tona, à baila e à luz os enigmáticos, obscuros, tenebrosos, nefastos, nefandos e funestos casos de Celso Daniel e Toninho do PT e das demais “vítimas acidentadas”!
    Ademais, além de tentarem mudar as regras do jogo durante o jogo, comenta-se, nos antros, hostes, hordas e coutos escarlates, em colóquios, conluios soturnos, sobre uma eventual ANISTIA AMPLA, GERAL e IRRESTRITA dos acusados, indiciados, processados e condenados no MENSALÃO – onde muitos readquiram a liberdade mediante generosos INDULTOS decretados por eLLa e comutados PERDÕES das “cortes altamente acovardadas” – como asseverado por eLLe – sobretudo dos condenados e presos da LAVA-JATO!
    Enfim, a prosperar tudo isso, modo e amalgamar a fórceps, forçosa, amolgável e inescrupulosa forma de buscarem meios, modos e maneiras para desconstruir, punir, destruir e desconstituir as ilibadas, irretorquíveis e irreprocháveis ações, investigações, condutas e, sobretudo, as dignas reputações do intrépido MAGISTRADO SÉRGIO MORO e de da eficiente, brilhante, inteligente, coerente e competente equipe FORÇA-TAREFA – comparados aos “intocáveis que prenderam Al Capone”.
    Enfim, em sendo aprovada a “iluminada PEC”, ter-se-ão “eleições” e votações nas “invulneráveis, invioláveis, imaculáveis e seguras URNAS ELETRÔNICAS”, que nada decidem nem nada mudam, como já dissera Stalin: “Voto não decide nada, quem conta os votos decide tudo”! Quem os contou nas últimas eleições? Lembram?
    Por derradeiro, realizadas “tais eleições” – que deverão ser sem VOTO IMPRESSO; claro! – Tudo parecerá democrático, legítimo, legal, lindo, normal, maravilhoso, alegre e feliz, no nosso “país das maravilhas”, como mostrado nas vinhetinhas e propagandas desses desgovernos!
    Como gostaria de morar e viver no “país das vinhetinhas” do “governo”!
    Abr
    *JG

Deixe o seu comentário