30 de julho de 2015 • 8:56 am

Blogs » Marcelo Firmino

Em curso a trama para derrubar Dilma e Temer assumir o governo

Lideranças políticas, militares magistrados e até ministros de Estado tramam a queda de Dilma

Por: Marcelo Firmino
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Print this page

Na República brasileira há sinais claros de articulações de lideranças políticas, militares, empresários, magistrados e operadores do direito para defenestrarem de vez a Presidente Dilma Rousseff (PT) e no lugar dela colocarem o vice-presidente Michel Temer (PMDB).

As manifestações do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB) e o controverso comportamento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), não são estratégias destoantes de lideres partidários. Há uma razão de ser em tudo isso até agora. E a razão é Temer.

Eles temem revelar abertamente os propósitos, mas eles existem em nome dos interesses partidários.

Muito semelhante ao que correu aos meses e semanas anteriores ao dezembro de 1992, quando o então presidente Fernando Collor foi cassado. Ou seja, os atores políticos fizeram longas reuniões de bastidores nas madrugadas brasilienses para a definição das estratégias e argumentos da cassação de Collor.

Essas reuniões também estão acontecendo agora e igualmente ao passado um personagem se mantém, em tese, equidistante do processo, obviamente à espera do momento de vaticinar: – Chegou a minha vez.

O personagem não é ninguém menos do que o vice-presidente da República. Itamar Franco, vice de Collor estimulou os líderes do impeachment, muito bem camuflado. Michel Temer, até então, se mantém na surdina e no faz de conta que não está acontecendo nada. Na verdade está à espreita do desenrolar das artimanhas em andamento.

Decano da imprensa em Brasília, profissional conceituado, o jornalista Hélio Doyle, em artigo recente, sustenta que há um movimento “clandestino” no País do qual participam “até ministros de Estado e de tribunais, é dar à crise política e econômica a solução que convém a seus participantes: o afastamento da presidente Dilma e a ascensão do vice-presidente Michel Temer”

Doyle aind diz que Temer “elegante e inteligente, não participa de nenhuma conversa nesse sentido. Caso o objetivo dos clandestinos seja atingido, Temer simplesmente cumprirá sua função constitucional – jamais poderá ser acusado de ter conspirado em causa própria”.

É assim. Dilma, o PT e pouquíssimos aliados leais que abram os olhos por que as coisas estão acontecendo. Se nada disso der pagode pra valer, dará pelo menos um samba do crioulo doido.

Deixe o seu comentário